Pastor Evaldo Maron recebe homenagem em Porto Alegre, RS

O pastor emérito Evaldo Maron recebeu uma homenagem da Congregação Evangélica Luterana Cristo, de Porto Alegre, RS, durante o culto do dia 22 de novembro, pelos 50 anos de formatura em Teologia pelo Seminário Concórdia, de Porto Alegre, RS, ocorrido em 22 de novembro de 1970, no mesmo local.

O pastor Evaldo iniciou seu ministério em 1971, em Cuiabá, MT, e depois, na companhia de outro colega, pastor Egon Eidam, foi para Pimenta Bueno, RO. Lá foram, além de missionários, também pioneiros e desbravadores.

O pastor Evaldo exerceu o ministério pastoral em Cuiabá, MT (1971-1972), Pimenta Bueno, RO (1973-1974), Picada da Cruz, Cerro Grande do Sul, RS (1974-1982), Linha Oito Coronel Barros, RS (1982-1989), Três de Maio, RS (1989-2008) e Terra de Areia, RS (2012-2015). Em 12 de outubro de 2008, recebeu o título de pastor emérito da IELB.

Também ocupou o cargo de Conselheiro do Distrito Vale do Rio Ijuí (1986-1989) e do Distrito Noroeste Gaúcho (1991-1994; 1996-1998).

Na foto, o pastor Evaldo com sua esposa Eleonora, a filha Taís, o genro Marcelo Lange, e o neto Martin; e a filha Tami e o genro Luiz Fernando Gonçalves.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Veja também

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Dores que fazem crescer

“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12).

O que alimenta nossa fé?

Esse foi o tema do Congresso de Servas e Leigos do DIVALI