Sempre é tempo de recomeçar?

“Se eu pudesse voltar atrás, faria muitas coisas de maneira diferente…”

“Como eu gostaria de voltar atrás e começar de novo…”

Pensamentos assim já passaram pela cabeça de muita gente, especialmente quando gostariam de apagar ou corrigir erros cometidos. Talvez você já pensou assim ou, quem sabe, neste exato momento está pensando sobre isso!

A verdade é que há poucas coisas que podemos refazer ou corrigir para consertar algo mal dito ou mal feito, ou para tomar outra direção na vida.

No entanto, nossa vida pode, sim, ser corrigida, mudada, consertada e colocada em um novo rumo. É possível, sim, começar de novo!

Para falar sobre isso, quero lembrar dois homens que tiveram a companhia e amizade do próprio Jesus Cristo por mais de três anos, mas o traíram pouco antes de sua crucificação.

Judas e Pedro

Judas foi aquele que traiu Jesus abertamente, entregando-o por 30 moedas de prata. Entregou Jesus com um beijo e, depois, ao vê-lo condenado, arrependeu-se e enforcou-se (Mt 26.14-16, 47-50 e 27.3-8).

Já Pedro disse a Jesus que nunca o negaria, mesmo que tivesse que morrer com ele. No entanto, como tinha sido avisado pelo próprio Mestre, depois da prisão de Jesus, Pedro vergonhosamente negou conhecê-lo, por três vezes. E, quando o galo cantou, ele se lembrou da Palavra de Jesus e saiu chorando amargamente (Mt 26.30-35, 69-75).

O que você acha de Judas: ele merecia o perdão de Jesus? Se o tivesse buscado, receberia o perdão? Como? Por quê?

Por que Judas não teve perdão, e Pedro, sim? (Veja Jo 21.15-17).

Quando eles acabaram de comer, Jesus perguntou a Simão Pedro: — Simão, filho de João, você me ama mais do que estes outros me amam? — Sim, o senhor sabe que eu o amo, Senhor! — respondeu ele. Então Jesus lhe disse: — Tome conta das minhas ovelhas! E perguntou pela segunda vez: — Simão, filho de João, você me ama? Pedro respondeu: — Sim, o senhor sabe que eu o amo, Senhor! E Jesus lhe disse outra vez: — Tome conta das minhas ovelhas! E perguntou pela terceira vez: — Simão, filho de João, você me ama? Então Pedro ficou triste por Jesus ter perguntado três vezes: “Você me ama?” E respondeu: — O senhor sabe tudo e sabe que eu o amo, Senhor! E Jesus ordenou: — Tome conta das minhas ovelhas”.

Perdão

Esses dois personagens nos ajudam a refletir sobre o que é o centro da fé, da doutrina, do ensino e da vida cristã: o perdão. Perdão sempre tem a ver com Jesus e não existe sem Jesus. Jesus é a origem, a causa, a fonte, a motivação e a força do e para o perdão. Por isso podemos afirmar que sim, que é possível começar de novo, com Cristo!

Voltando a Pedro e Judas, qual foi a grande diferença entre eles? Algum deles era melhor diante de Deus ou merecia o perdão? Por que um foi perdoado e o outro não?

Podemos dizer que a grande diferença entre eles foi esta: para quem eles olharam depois de trair Jesus?

Judas olhou somente para si mesmo, para o seu pecado e desespero.

Pedro olhou para Jesus, para o seu perdão e compaixão.

Para começar de novo, a pergunta a ser respondida é: para quem nós olhamos?

Antes de responder, é bom que a gente tenha clareza sobre algumas coisas importantes que a Palavra de Deus nos ensina:

1 – Todos nós, seres humanos, nascemos pecadores, ou seja, sem santidade e sem capacidade de agradar a Deus, e o pecado nos afasta dele e nos condena à morte eterna (Sl 51.5; Ef 2.1-3; Rm 3.23, 6.23; Is 59.2, 64.6).

2 – Nenhuma pessoa merece ou pode conquistar o perdão de Deus, pois isso é impossível (Ef 2.8-9; Rm 3.28; Gl 3.10).

Portanto o perdão é sempre dádiva, presente, doação imerecida de Deus a nós. Esse perdão é um presente:

a) ilimitado – é para todas as pessoas, de todos os lugares, idades e condições, de todas as nações, culturas e épocas, e para todos os pecados.

b) “limitado” – porque é dado somente através de Cristo, por meio da fé nele, e revelado somente na Palavra de Deus (a Igreja Luterana resume isso em três pontos: somente pela graça, somente pela fé e somente pela Escritura).

Exemplos da própria Palavra de Deus

– Lucas 15: nas parábolas dos perdidos (a ovelha, a moeda, o filho), Jesus mostra que sempre é Deus que nos busca com seu amor incansável e incondicional.

– João 5.24 e Romanos 8.1: Jesus e Paulo mostram que quem está unido a Jesus não é julgado nem condenado.

– Lucas 18.9-14: A história do fariseu (orgulhoso) e do publicano (humilde) nos mostra que o perdão é dado a quem se reconhece pecador e confessa seu pecado.

– Gálatas 1.11ss.: A conversão de Paulo, de perseguidor de cristãos a grande evangelista, mostra que Deus pode mudar qualquer pessoa – até eu e você!

– Salmo 103.3,8-13: Deus não nos trata como merecemos, mas como um Pai amoroso nos dá o que não merecemos: o perdão de todos os nossos pecados.

– 1Samuel 12, Salmos 32 e 51: Quando há consciência do pecado, arrependimento e confiança no Senhor, há também perdão e a alegria da salvação, como aconteceu com Davi, e como lemos em 1João 1.9: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça”.

– Hebreus 9.22 e 1João 1.7: O que nos salva e nos purifica do pecado não é nossa fé, força de vontade ou nossa decisão de mudar, mas sempre e unicamente o sangue puro de Jesus.

– Romanos 6.15,22-23: O perdão de Jesus nos liberta para servir a Deus e não mais ao pecado, e assim temos a vida nova e eterna, unidos com Cristo.

Pensando em tudo isso, voltamos a perguntar: para quem nós olhamos?

Com Cristo, sempre é tempo de recomeçar!

A resposta está clara, e a vemos também em nosso texto base, Hebreus 12.2:

Conservemos nossos olhos fixos em Jesus, pois é por meio dele que a nossa fé começa, e é ele quem a aperfeiçoa”.

Por maior e pior que você pense que foi seu pecado, olhe para Jesus, busque-o em arrependimento e confiança, e você será perdoado!

Por maior que você pense que foi o pecado de alguém (mesmo contra você), ofereça-lhe o perdão de Jesus, o mesmo que você recebe de graça!

E quando pecamos, caímos e falhamos, Jesus nos convida, de novo, a recomeçar com ele: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei” (Mt 11.28). Este é o ciclo do perdão e da nova vida, vida sob a graça e amor de Deus (Rm 6.8,11,14).

Voltando à nossa pergunta sobre Judas, a resposta é: Não! Judas não merecia o perdão de Deus! Mas Pedro também não, e eu e você também não o merecemos.

Porém, ALGUÉM o conquistou por e para nós na cruz e nos oferece esse perdão de graça. Assim, Pedro, eu e você podemos ter perdão e vida nova hoje e sempre, porque com Cristo sempre é tempo de recomeçar, conforme lemos em Hebreus: “Conservemos os nossos olhos fixos em Jesus, pois é por meio dele que a nossa fé começa, e é ele quem a aperfeiçoa. Ele não deixou que a cruz fizesse com que ele desistisse. Pelo contrário, por causa da alegria que lhe foi prometida, ele não se importou com a humilhação de morrer na cruz e agora está sentado do lado direito do trono de Deus”.

Leandro D. Hübner

Pastor em São Paulo, SP

*Texto publicado no Mensageiro Luterano de setembro de 2015.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Despedida e recepção de pastor em Ivaí, PR

Pastor Jandir Krebs recebe título de emérito e pastor Juliano Mülling Timm é instalado na Paróquia São Paulo

Veja também

Despedida e recepção de pastor em Ivaí, PR

Pastor Jandir Krebs recebe título de emérito e pastor Juliano Mülling Timm é instalado na Paróquia São Paulo

Acontece nas melhores famílias!

O que vemos nos consultórios hoje em dia, mascarados de supostos diagnósticos e muitos rótulos, são grandes exemplos da falta de tempo em família.

Congressão JELB 2025

Programação será dos dias 28 de janeiro a 2 de fevereiro de 2025, em Sumaré, SP