Você atingiu a métrica limite de leitura de artigos

Já sou assinante!

Pastor Fermino Bündchen

 “Lembrem-se dos seus líderes, os quais pregaram a palavra de Deus a vocês [...] honrem sempre os que são como ele” (Hb 13.7; Fp 2.29)

Eu nasci na localidade de Rio Ligeiro, interior do município de Getúlio Vargas, RS. Frequentei a escola primária, que ficava a cerca de dois quilômetros da residência dos meus pais. As três séries funcionavam no mesmo ambiente, lideradas por apenas uma professora. A avaliação era feita em dezembro pelos inspetores escolares, que vinham da sede do município, entrevistando os alunos individualmente. Como eu era muito tímido, respondi poucas perguntas, e assim tive que repetir a primeira série. Mas no ano seguinte, a professora não sabia o que fazer comigo, pois não poderia passar para a segunda série, e assim fiquei sozinho, sendo atendido pela professora. Lembro que a professora falou: “O que você quer ser quando crescer? Você daria um bom padre.”

O desejo dos meus pais era de ter um filho pastor. Como meu irmão mais velho estava no Seminário, preparando-se para ser professor sinodal, fui junto com ele, quando eu tinha apenas onze anos de idade. Detalhe: não fiz a quarta série. Inicialmente tive muitas dificuldades, mas sob a bênção de Deus as fui superando.

Meu ano de estágio foi bem conturbado. Fui designado para Cerro Branco, RS. Meu orientador seria o pastor Bruno Rieth. Eu já estava lá há uma semana, quando decidiram que não necessitavam de um “praticante” (estagiário). Então, a direção da igreja informou que eu deveria fazer meu estágio em Candelária. Iniciei as atividades sob a orientação do pastor Eugênio Dauernheimer; mas, dia 15 de fevereiro, recebemos a visita de membros da Diretoria Nacional, informando que eu deveria ir ao Espírito Santo, pois o pastor que haviam chamado para lá não aceitou. Quatro dias antes de viajar, novamente um comunicado da direção da igreja, pedindo para aguardar novas informações. Dia 4 de março veio a notícia de que eu deveria fazer o estágio em Três Passos, RS, pois o pastor da paróquia estava doente. A paróquia era constituída por dez congregações.

Quando me formei pastor, eu ainda tinha 21 anos. Logo após completar 22 anos, iniciei o ministério pastoral. Ao comentar a preocupação com um professor do Seminário, por causa da idade, me sentindo muito novo para exercer o pastorado, ele me incentivou, dizendo que eu deveria iniciar o trabalho com firmeza e convicção, e que poderia ter a certeza de que Deus abençoaria o ministério.

Faço uma observação sobre o primeiro lugar em que exerci as atividades pastorais. Era São José Pequeno, município de Pancas, bem no interior do Espírito Santo. Nesta época eu era solteiro. Inicialmente, o meio de transporte para atender as cinco congregações era um cavalo. Mais tarde, com o auxílio da IELB, a paróquia adquiriu um jipe. Os congregados tinham poucas condições financeiras, mas a participação nos cultos era muito boa. Na sede, em São José Pequeno, era raro um culto com menos de 200 pessoas, incluindo os visitantes. Quase todos iam a pé, e alguns a cavalo ou de charrete. Somente três congregados possuíam veículo.

Depois de trabalhar por quase 46 anos em cinco diferentes paróquias, no ano de 2011 decidi me aposentar, passando a residir em Balneário Camboriú, SC. Entretanto, logo em seguida fui convidado a auxiliar com cultos e, mais adiante, iniciar e ensaiar o coral da congregação em Itajaí. Também fui convidado a oficiar cultos em Florianópolis (Congregação Paz), Imbituba e Garopaba. Em Itajaí atuei até janeiro de 2021.

Em 2015, 2016 e 2022 tive câncer, mas Deus, por sua graça, concedeu-me a cura através da medicina e, eu estou certo, também pelas muitas orações que foram feitas.

Sou muito grato por Deus ter me providenciado uma esposa fiel e dedicada, que sempre esteve ao meu lado e da família em todos os momentos, tanto na vida conjugal e familiar, bem como nas atividades nas congregações. O Senhor nos concedeu quatro filhos maravilhosos, 9 netos e uma bisneta, além de uma nora (Fabrízia) e três genros (Ezequiel, Marcelo e Francisco).

A Deus, a profunda gratidão deste seu servo por todos os benefícios, tanto espirituais como materiais, dizendo com o salmista Davi (Sl 103.1,2): “Bendiga, minha alma, o Senhor, e tudo o que há em mim bendiga o seu santo nome. Bendiga, minha alma, o Senhor, e não se esqueça de nem um só de seus benefícios”. A Deus, o Senhor, toda a honra e glória. (Fermino Bündchen)

Pastor Fermino Bündchen

Nascimento: 27/12/1943, Getúlio Vargas, RS

Filho de Luiz Bündchen e Carolina Mundel Bündchen

Formatura: 05/12/1965

Ordenação: 23/04/1966, em São José Pequeno, Pancas ES

Casamento:09/01/1971, em Ponta Grossa/PR

Esposa: Célia Marize Bündchen, nascida em 19/08/1953

Filha de Hildebrando G. Hilgemberg e de Rose Marie Costa Hilgemberg

Filhos: Adriane Leandra, Éber Marcelo, Daiana Cristine e Priscila Lidiane

Locais que serviu

Três Passos, RS – Cristo Vive – Estágio (1964)

Candelária, RS – Cristo (1964)

São José Pequeno, Pancas, ES – São Lucas (1966-1969)

Ivaí, PR – São Paulo – Bom Jardim do Sul (1969-1973)

Três Passos, RS – Cristo Vive (1973-1983)

Joaçaba, SC – Santíssima Trindade (1983-1997)

Cruz Alta, RS – Cruz (1997-2011)

Emérito desde 30/07/2011

Mora em Balneário Camboriú, SC. É membro na Congregação Esperança.

NOTA DO REDATOR:

Após a publicação de 30 edições do espaço EMÉRITOS, sob a coordenação do pastor Carlos Walter Winterle, a quem muito agradecemos, vamos parar por algum tempo para reavaliar o projeto. Aguardem!

Acesse aqui a versão impressa.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Veja também

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Cheiro de salvação

O texto de 2 Coríntios 2.14 diz assim: “como um perfume que se espalha por todos os lugares, somos usados por Deus para que Cristo seja conhecido por todas as pessoas”.

Quem está nas trincheiras ao seu lado?

Quando a gente casa, traz uma bagagem para a vida a dois. Nesta bagagem, estão os valores aprendidos em casa, as experiências de relacionamentos anteriores, nossa profissão talvez, sonhos e desejos.