Você atingiu a métrica limite de leitura de artigos

Já sou assinante!

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

         “Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

         Ao revelarmos que nosso terceiro filho, a chegar em maio, será mais um menino, vários comentários foram feitos nas redes sociais e presencialmente. Alguns engraçados, outros muito amorosos, mas apareceram os sem noção. A família, que até teria mais liberdade, foi super receptiva. Por incrível que pareça, os comentários mais negativos foram feitos na saída da igreja. E, olha que tivemos a chance de passar por várias congregações nas férias de verão.

        O que dizemos é importante, deve edificar as pessoas e não causar dor, mágoa, desencorajamento. Nossas palavras devem refletir o amor que Deus tem por nós e pelas outras pessoas. É como lemos em Efésios 4.29: “Não saia da boca de vocês nenhuma palavra suja, mas unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e, assim, transmita graça aos que ouvem.”

       Sou contra esse lance de “mimimi” e concordo que somos livres para expor nossos pensamentos. Porém, acho importante falar sobre o assunto, pois mulheres grávidas lidam com uma série de sentimentos e mudanças hormonais; será que é justo que lidem também com as expectativas alheias? Com comentários que não agregam e não mudam nada? Eu já estou “calejada”, e mesmo assim sinto o impacto, me coloco no lugar das mulheres mais sensíveis, mais novas, que passam pela mesma situação enquanto carregam no ventre o seu bebê.

       Uma amiga passou por isso ao estar grávida do terceiro filho, menino. Presenciei ela dando a mesma resposta várias vezes, até mesmo à atendente, quando chegávamos a um restaurante: “O mundo está precisando de bons homens”. Lembrar do exemplo dela me acalma e ajuda na hora de responder. Porém, quando passam do limite, tenho ido um pouco além e questiono a pessoa, no intuito de tentar fazê-la refletir sobre o que acabou de comunicar. Para uma senhorinha, cheguei a dizer: “Já pensou se o Leonardo for a resposta da oração feita pela sua futura neta ou bisneta?”

       Eu nunca disse que preferia menino ou menina, quando me perguntavam o que eu preferia. Sempre falei que estaria feliz com o que Deus mandasse. Se é o Pai celestial quem está dando, longe de mim questionar ou achar que a minha vontade, preferência ou escolha poderia ser melhor que a decisão dele. Além do que, o bebê sente o que sentimos e escuta o que falamos, os seus irmãos também estão atentos à nossa reação e ao que dizemos.

       Preferir menino ou menina e ficar comunicando isso aos outros é, para mim, comparável à criança que pediu um presente e não ganhou o que queria. Fica frustrada, faz birra e, ao invés de agradecer pelo que recebeu, prefere lamentar o que não veio. É nesses momentos que precisamos pedir sabedoria, colocar em prática o que a Bíblia nos ensina sobre sermos gratos. Isso fará bem para nós e para as pessoas que amamos e convivem conosco.

     Afinal, “os filhos são um presente do SENHOR; eles são uma verdadeira bênção” (Salmo 127.3). Se nossa missão é amar e ensinar filhos meninos, louvado seja o Senhor. Agradecemos por mais este presente e queremos que ele se sinta amado, acolhido e querido desde sempre e para sempre.

*Assista a esta mensagem, em vídeo, no canal Youtube.com/AlineKoller

Acesse aqui a versão impressa.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Veja também

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Livres para servir: o papel da religião na promoção do bem comum

A realização dos ideais religiosos depende da preservação da liberdade religiosa – o direito fundamental de praticar, expressar e manifestar suas crenças sem discriminação ou perseguição. Defender a liberdade religiosa não é apenas uma obrigação legal, mas um imperativo moral que garante o florescimento de diversas comunidades religiosas e promove um ambiente propício ao diálogo e à cooperação

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó