Dores que fazem crescer

“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12).

Na prática de qualquer atividade física, as dores podem estar lá. E nem sempre elas são ruins. Depois do futebolzinho com os amigos, as pernas podem parecer pesadas. No dia seguinte ao pilates ou academia, as clássicas dorzinhas musculares nos fazem lembrar dos exercícios que fizemos. Para que um músculo cresça, ele precisa sofrer pequenas lesões em suas fibras. Ou seja, dor. E aí vem a mágica. Através de uma boa alimentação e repouso, o próprio organismo regenera aquele músculo, fazendo-o crescer. Daí vem a expressão “no pain, no gain”. Em uma tradução livre, “sem dor, não há ganho”. Aquela leve dorzinha muscular não é ruim. Ela é sinal de crescimento e evolução no esporte que você pratica.

Há dores que nos fazem crescer. Também no nosso relacionamento com Deus. Na vida cristã, há situações dolorosas que são permitidas. Finalidade delas? Nos ensinar. A orar. A buscar ao Senhor. A ter sede da sua Palavra. A colocar-se humildemente diante dele. A confiar não na nossa força, mas na força dele. Essas dores são chamadas de provações. Sobre elas, a Palavra registra: “é possível que vocês fiquem tristes por algum tempo, por causa dos muitos tipos de provações que vocês estão sofrendo. Essas provações são para mostrar que a fé que vocês têm é verdadeira” (1Pe 1.6-7).

Cristãos passam por dores. Elas não nos trazem conforto algum. Mas quem disse que um bom marinheiro se faz em águas calmas? Por isso, se hoje seu coração está atormentado pelas provações na sua fé cristã, veja esta dolorosa situação como um convite do Senhor. A lançar-se plenamente sob seus cuidados. A despir-se de toda forma de autossuficiência. A agarrar-se somente em Cristo, na sua graça, no seu amor.

Aliás, essas dores não são penitências que irão comprar o amor de Deus ou a vida eterna. Tudo isso já foi conquistado e garantido. Não pelas nossas dores, mas por aquele que foi moído na cruz. Em Jesus há perdão e vida sem fim. Apenas nele. E o crer nele passará, vez por outra, por dores que nos ensinarão a ter uma fé madura, sólida, robusta.

Então fica a dica: “Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12). E não se esqueça: as dorzinhas depois de um treino nos fazem crescer.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Veja também

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Livres para servir: o papel da religião na promoção do bem comum

A realização dos ideais religiosos depende da preservação da liberdade religiosa – o direito fundamental de praticar, expressar e manifestar suas crenças sem discriminação ou perseguição. Defender a liberdade religiosa não é apenas uma obrigação legal, mas um imperativo moral que garante o florescimento de diversas comunidades religiosas e promove um ambiente propício ao diálogo e à cooperação

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó