Nossas crianças e os dinossauros

É impressionante ver como as crianças gostam de dinossauros! É uma verdadeira febre mundial, pelo que parece. Elas têm coleção de dinossauros, de tudo o que é tamanho e espécies. Têm os que fazem sons cavernosos, têm os que são maleáveis e articulados.

E as crianças sabem os nomes da maioria deles, pois há uma imensidade de livros, revistas e vídeos destinadas ao público infantil que trazem não apenas os nomes, mas os hábitos e a época em que viveram. E isso sem contar os desenhos animados e filmes em torno desse tema. As crianças sabem quais são carnívoros e quais são herbívoros, quais são os que conviveram e quais são os adversários. E falam com a maior naturalidade dos milhões de anos em que cada espécie viveu e quando desapareceu. Os termos Triássico, Jurássico e Pangeia fazem parte do vocabulário de muitas crianças.

Eu sempre gostei de ler a respeito das descobertas da paleontologia e a respeito dos esqueletos de dinossauros que iam sendo descobertos. Fiquei muito impressionado com o tamanho do primeiro esqueleto de dinossauro que eu vi num museu. Mas sempre me intrigou esta questão de milhões de anos. Como conciliar isso com a Bíblia?

Sinceramente, acredito em Gênesis capítulos 1 e 2, o relato da Criação. Acredito tanto na criação quanto em Mateus 28, o relato da ressurreição de Cristo. A Bíblia é a Bíblia. Se nego uma revelação dela, negarei todas as demais também. “É verdade o que Deus disse?”, foi a primeira tentação. A dúvida sobre a Palavra de Deus foi implantada no coração de Eva, e ela caiu em tentação (Gn 3.1).

Acredito que os dinossauros foram criados por Deus junto com toda a criação. Não consigo explicar o seu desaparecimento, a não ser quando penso no dilúvio. E sabemos que a pressão da água pode causar efeitos que em circunstâncias normais não aconteceriam, o que explicaria os cálculos astronômicos feitos levando em conta condições normais. Mas mesmo assim, a Bíblia se cala a este respeito e eu também me calo.

Mas a minha preocupação também é outra. Será que nossas crianças conhecem os Dez Mandamentos tão bem como conhecem os nomes dos dinossauros? Será que conhecem a vida de Jesus tão bem como a dos dinossauros? Que tipo de literatura estamos dando aos nossos filhos? Não podemos tirá-los do mundo, nem inibir sua infância cheia de imaginação e aventuras. Mas temos que nutri-las com as verdades eternas também. E a igreja tem fornecido muito material religioso educativo para as crianças. A internet também está cheia de atividades bíblicas de interação para as crianças. Vejam por exemplo:

Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade. Esta frase é de Joseph Goebbels, que foi ministro da Propaganda de Adolf Hitler na Alemanha Nazista, exercendo severo controle sobre as instituições educacionais e os meios de comunicação. Toda essa questão de milhões e milhões de anos está baseada na teoria da evolução, que continua sendo uma teoria, uma hipótese, e não uma verdade. Ela já foi repetida tantas vezes que é aceita por uma grande maioria como verdade absoluta, e assim é ensinada nas nossas escolas. Quem se posiciona contrário a ela é chamado de “fundamentalista” ou de “quadrado”. Não tenho vergonha de confessar a minha fé na revelação bíblica. Se é uma questão de aceitar uma teoria, que ainda não tem 200 anos desde a sua formulação, ou de aceitar uma revelação eterna, eu fico com a revelação de Deus, que se manifestou em Jesus, a Palavra que se tornou um de nós.

O que vamos fazer com as nossas crianças e os dinossauros? Vamos deixá-las curtirem a sua infância e alimentarem a sua imaginação. Mas vamos também contar-lhes a verdade bíblica do Deus de amor que criou o mundo e o salvou por seu Filho Jesus. Vamos explicar e esclarecer a verdade bíblica, contrapondo verdade e teoria. O Espírito Santo fará a sua obra no coração de cada uma de nossas crianças, fortalecendo-as na fé em Jesus e na esperança da verdadeira vida.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril