Bile negra em época de alegria

Tem-se falado muito sobre melancolia nas últimas semanas. Acentuou-se a melancolia como doença, tradição que vem de Hipócrates; o pai da medicina atuou no V século antes da nossa era. Hipócrates considerava a bile (kholé) negra (mélan) como um dos quatro humores que irrigavam o organismo, a bile amarela produzia expressões de fúria; combustão orgânica excessiva era responsável por um estado patológico, a bile negra; a terapêutica do médico grego consistia em abrandar o fogo orgânico: banhos frios, movimentos lentos, abstenção de bebida alcoólica, alimentação moderada sem sal nem açúcar. A doença provocava rompimento de vínculos sociais, desinteresse pela vida, visões aterradoras, nos casos mais graves levava ao suicídio. Os conhecimentos do comportamento psicofísico avançaram muito; a melancolia passou à competência de neurologistas, psiquiatras e psicanalistas. Freud separa melancolia e luto. O luto, provocado pela perda de uma pessoa querida, é gradativamente superado pela escolha de alguém que corrija a perda. A melancolia, causada pela ausência de objeto definido, é mais severa do que o luto; ao constatar que se perdeu a si mesmo, o melancólico pode optar pela extinção da vida.

Lembramos outro documento antigo atribuído a Aristóteles ou a Teofrasto, discípulo de Aristóteles, o tratado avizinha melancolia e loucura (mania) poética; melancólicos seriam artistas, políticos, filósofos, gente que se ocupa com a invenção de mundos imaginários. Os românticos do século XIX aproximaram melancolia e genialidade, a melancolia tornou-se qualidade de artistas.

Marcou época a Melancolia de Albrecht Dürer, amigo de Lutero. A gravura do artista representa uma misteriosa mulher alada, de olhos fixos no vazio; cercada de objetos, produtos da inventividade humana, ela não se interessa por nada, não a atrai o sol que brilha no horizonte. Dobras, sinal de inquietação, agitam o vestido que a cobre do pescoço aos pés. A mulher perdeu o prazer de viver ou espera revelação? Os observadores divergem, obras de arte prestam-se a muitas interpretações. A gravura de Dürer ilustraria a doutrina luterana da graça? A mulher, considerando sem valor tudo o que o ser humano faz, poderia aguardar de Deus a revelação do sentido da vida. Acontece que a Melancolia de Dürer é de 1514, a atividade de Lutero começa em 1517, ano em que o monge pregou as Noventa e cinco teses nas portas da capela de Wittenberg para serem discutidas em ambiente acadêmico. Isso aconteceu em 31 de outubro, data em que se comemora a Reforma. Seria Dürer luterano antes de Lutero? A hipótese não é estranha. Lutero continua o trabalho de Paulo de Tarso, epistológrafo desde o ano 50, duas décadas depois da morte de Cristo. Na Idade Média, Agostinho, autor respeitado e difundido, reflete sobre os ensinamentos de Paulo, Lutero foi monge agostiniano. A gravura de Dürer merece atenção. Momentos de melancolia atormentaram Lutero, não se pode contornar a existência de uma melancolia religiosa.

Abra-se o Novo Testamento, leia-se o início da Primeira Carta de João. O apóstolo exalta a vida. Faça-se diferença entre vida biológica (bios) e vida que vence a morte (zoé). A vida biológica é de competência médica, psicanalítica, antropológica, sociológica, artística, filosófica e política. Médicos prescrevem medicamentos, autoridades políticas cuidam da saúde pública com o objetivo de oferecer ao mercado corpos saudáveis, responsáveis pelo desenvolvimento agrícola, industrial e comercial (biopolítica), pensadores ocupam-se do valor da vida terrena.

A vida religiosa (zoé) é assunto de João. Nesse território a vida vem de Deus e é oferecida a todos. Os que a aceitam vivem nela, alegram-se porque a vida deixou de ser mistério. A vida que vem de Deus ilumina as tarefas de todos os dias. Somos afligidos por momentos de tristeza porque a vida não é plena. Quem vive a vida que Deus confere experimenta o processo de plenificação (pleroo). Cabe a seguidores de Cristo acolher solitários melancólicos na época em que estrondam as festas de Natal.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Veja também

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Dores que fazem crescer

“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12).

O que alimenta nossa fé?

Esse foi o tema do Congresso de Servas e Leigos do DIVALI