Cinco mitos sobre o perdão

1º Mito: Se ele (a) se arrepender, pedir perdão e mostrar que está arrependido (a), aí eu perdoo.
Esse mito se baseia na ideia de que o perdão é um benefício para quem o recebe, e que só deve vir quando essa pessoa merecer. Mas o perdão liberta primeiro quem perdoa, dando paz ao coração e livrando dos sentimentos ruins que se acumularam. O maior beneficiário do perdão é você mesmo, por isso não espere o outro merecer para poder desfrutar.


2º Mito: Eu até perdoo, mas não esqueço!

Perdoar significa anular a dívida que a pessoa tinha conosco. Não faz sentido dizer que perdoou e guardar o comprovante numa gaveta mental, para usar depois. Ele já não tem mais valor, está cancelado, e por isso não pode ser trazido à mesa em futuras discussões ou negociações. Isso é fundamental para que o relacionamento ainda possa sobreviver.


3º Mito: Se você ainda lembra, é porque não perdoou de verdade…

Parece que esse mito contradiz o segundo, mas não é bem assim.

A ofensa perde o efeito de dívida quando perdoamos, mas isso não significa que não haja consequências ou cicatrizes. A diferença é como vamos lidar juntos com isso. O processo é semelhante ao do luto. A gente não esquece, mas lembra de um jeito diferente, como aprendizado e gratidão.

4º Mito: Eu perdoo uma vez ou duas, mas três é demais!

Jesus “matou essa” ao explicar para Pedro que não era o caso de perdoar sete vezes, mas setenta vezes sete (Mateus 18.21-22). Naquele contexto, o sete era um símbolo da perfeição divina. Ou seja: perdoe sempre! Isso nos ajuda a pensar naquelas situações de difícil luta contra vícios, em que recaídas fazem parte do processo. Claro que a gente deve estabelecer limites aceitáveis para a convivência, mas não precisa limitar o perdão no coração. Mesmo que um dia aconteça o afastamento, perdoar sempre é o que apaga a mágoa e sela a paz.


5º Mito: Perdoar é coisa de gente fraca.

Se Deus é descrito como aquele que é amor, rico em perdoar, e que lança fora as nossas ofensas, então não dá para pensar no perdão como fraqueza. É força que vem de alguém Todo-Poderoso, garantida na maneira como Jesus suportou e venceu as nossas verdadeiras fraquezas: entre elas o ódio, o egoísmo e o orgulho.

Herivelton Regiani

Pastor em Natal, RN

*Este texto foi publicado no Mensageiro Luterano de janeiro/fevereiro de 2014.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Veja também

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Dores que fazem crescer

“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12).

O que alimenta nossa fé?

Esse foi o tema do Congresso de Servas e Leigos do DIVALI