Consumismo homicida 

O desabamento de um prédio de três andares onde funcionava uma fábrica de tecidos em Bangladesh, que levou a vida de mais de mil pessoas, apresenta de forma brutal a voraz ganância humana. A tragédia, ocorrida no final de abril de 2013, também revela o lado obscuro da indústria internacional de roupas, já que muitas destas fábricas na Índia e arredores produzem peças para marcas famosas vendidas em todo o mundo, especialmente na Europa. Como disse um jornalista, “trata-se de um sinal, para os críticos, de que o ‘boom de roupas’ ultrapassou os limites, na tentativa desesperadora de alimentar o apetite do Ocidente por vestimentas mais baratas”.

No entanto, não são apenas prédios que estão desabando com o desenfreado consumismo; o próprio planeta Terra está sucumbindo. Em 5 de junho comemoramos o Dia Mundial do Meio Ambiente. Nesse dia é bom lembrar que boa parte dos problemas ambientais estão relacionados ao consumismo. Para o presidente do Instituto Worldwatch, uma ONG que se preocupa com a sustentabilidade do planeta, “o aumento mundial do consumo ajudou a satisfazer necessidades básicas e a criar emprego. Mas à medida que avançamos no século 21, esse apetite consumista nunca antes verificado está corroendo os sistemas naturais dos quais todos dependemos, e tornando ainda mais difícil para os pobres do mundo satisfazer suas necessidades básicas”.

Para termos uma ideia, nos últimos anos, cerca de dois bilhões de pessoas em todo o mundo engordaram a “classe consumidora” – grupo de gente que se alimenta de produtos altamente processados, habita em casas maiores, possui mais carros, tem estilo de vida devotado ao acumulo de bens não essenciais e está endividada. Muitos desses consumidores moram nos países em desenvolvimento, a exemplo da Índia, China e também do Brasil. Isto não seria um problema ambiental, se não fosse o lixo produzido e o extermínio dos recursos naturais. Calcula-se que estamos consumindo praticamente um planeta e meio em 12 meses. Neste ritmo, em 2030 precisaremos de duas Terras para atender a nossa demanda anual, ou seja, vai faltar água, comida, ar para respirar e todos os outros recursos naturais.

Nós sabemos que o problema está na raiz, o pecado. “Vocês querem muitas coisas”, acusa Tiago na sua carta, “mas, como não podem tê-las, estão prontos até para matar a fim de consegui-las”. Esta ganância homicida sempre existiu desde que o mundo é mundo, mas nestes tempos com tantas coisas para consumir, a propaganda tem despertado este mal de forma perversa e intensa. Exemplo recente é o caso do leite adulterado na indústria gaúcha, tudo pelo lucro e nada pela saúde da população. Mas, e a infinidade de coisas enlatadas e processadas que consumimos? O que é legítimo e o que é adulterado? A absurda corrupção e desonestidade de empresários, governos e políticos têm mostrado que nada mais é confiável, nem o leite das criancinhas.

“Não vivam como vivem as pessoas deste mundo”, já dizia Paulo num tempo sem os produtos industrializados. Mas a raiz do mal já estava lá, com as mesmas consequências dos problemas atuais. Por isto, o mesmo remédio: “Deixem que Deus os transforme por meio de uma completa mudança da mente de vocês” (Romanos 12.2). Sabemos que não se trata de uma mudança cultural, moral, ética ou ambiental. É espiritual, mas o veículo está na mente. Estudos indicam que o consumismo tem aumentado com a propaganda no mundo virtual, colocando a internet em primeiro lugar. A mente das pessoas, especialmente dos jovens, está presa sob os efeitos constantes da internet, e, por isto, nenhuma surpresa pela degradação moral e social, já que boa parte no mundo virtual é pior que o leite fraudado com formol.

O que podemos fazer? A primeira coisa é seguir o convite de Jesus: “Ponham em primeiro lugar o Reino de Deus” (Mateus 6.33). Diz isto após tratar dos perigos das riquezas, ou seja, do consumismo. Lembra para não nos preocuparmos com comida, roupas, bens materiais, e promete que nada disto nos faltará. “O Pai de vocês, que está no Céu, sabe que vocês precisam de tudo isto”, tranquiliza o Salvador. Este é o primeiro passo, confiança em Deus que entregou o seu filho e não nos deixará sem as coisas materiais (Romanos 8.32). O passo seguinte é obedecer à vontade de Deus, os seus mandamentos (Mateus 6.33), longe da ganância, da desonestidade, da corrupção e das falcatruas. E, por fim, não esquecer da responsabilidade ambiental, que aliás é a primeira ordem de Deus, antes mesmo do pecado: cuidem do jardim (Gênesis 2.15).

Diante de tantos desabamentos, tragédias e crimes, nunca foi tão oportuno o recado de Jesus: “Prestem atenção! Tenham cuidado com todo o tipo de avareza porque a verdadeira vida de uma pessoa não depende das coisas que ela tem, mesmo que sejam muitas” (Lucas 12.15).

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Emergindo das águas: Um novo começo

A nossa querida Editora Concórdia irá se reerguer e continuará a ser a editora da teologia bíblica e confessional que herdamos da Reforma. Publicando a Palavra que permanece.

Veja também

Emergindo das águas: Um novo começo

A nossa querida Editora Concórdia irá se reerguer e continuará a ser a editora da teologia bíblica e confessional que herdamos da Reforma. Publicando a Palavra que permanece.

Um fim em comum!

E para cumprir com seu propósito, a IELB: utilizará os meios de comunicação; produzirá e distribuirá livros e material religioso, fundando e mantendo organizações com essa finalidade. Esse é o porquê de a Igreja ter uma editora.

14º Encontro Nacional de Escolas Luteranas (14º ENEL)

Em 1524, Lutero elaborou um documento que lançaria as bases de conceitos como educação pública e gratuita, universalização do ensino, ludicidade no processo ensino-aprendizagem, educação interacionista, protagonismo do aluno, aprendizagem significativa e de uma educação com propósitos existenciais, fundamentada nos princípios cristãos.