Envelhecer é um privilégio

A velhice, em geral, não é uma fase fácil. Mas a partir do nascimento já começamos a envelhecer. Isso é um processo natural, que faz parte da vida.

Infelizmente, em nossa sociedade, envelhecer é passar de uma vida ativa para uma vida passiva. E isso significa que no momento da aposentadoria, as pessoas idosas deixam de fazer para que os outros façam, desta forma ficando limitados e isolados; alguns chegam a perder a razão de viver. Além disso, muitos ainda têm de ouvir expressões pejorativas como: “Sai da frente, velho!”, “Seu pé-na-cova!”, “Seu gagá!”, e por aí vão os adjetivos dados ao idoso.

Estamos vivendo numa era digital, em que as informações são rápidas, com a comunicação cada dia mais intensa. A vida se resume em produzir, e, no entender de muitos, o idoso já não pode mais produzir de maneira rápida.

Ao envelhecer, o ser humano fica mais lento, o reflexo diminui, a agilidade não é mais a mesma, enfim, tudo começa a mudar. Na sociedade não existe mais lugar para ele, e, portanto, ele é descartado, deixado de lado. E isso leva à preocupação, porque hoje o mundo está mais velho. Nas últimas três décadas, o número e a proporção de idosos cresceu rapidamente. Em 2050, a população mundial de pessoas com idade superior a 60 anos chegará a um total de dois bilhões, o que significará uma importante mudança no perfil demográfico do mundo, com consequências para todos (conforme dados da Organização das Nações Unidas – ONU).

Deus usou pessoas “idosas” para o seu trabalho. Noé tinha 600 anos quando entrou na arca (Gn 9.28-29); na sua velhice, Sara concebeu e deu à luz um filho (Gn 21.2); e ainda poderíamos falar dos patriarcas (Abraão, Isaque e Jacó) e da profetiza Ana (Lc 2.36). E como não falar dos anciãos citados na Bíblia? Moisés era assistido por 70 anciãos (Nm 11.16-24); anciãos são citados no Apocalipse (4.4; 5.5-6; 7.11; 19.4). Na comunidade israelita, o ancião era uma pessoa com autoridade (Êx 3.16,18; Nm 11.16-17, 24-30). E chama a atenção a atitude de Josué (sucessor de Moisés), que usou de sabedoria, aprendeu com Moisés, andou à sua sombra e, após a morte deste, guiou o povo até a terra prometida, continuando de maneira brilhante o trabalho de seu mestre.

Lutamos contra a discriminação, mas discriminamos nossos idosos nos lares e na Igreja. Que possamos ouvir, ajudar, compreender, e que as nossas igrejas estejam cheias deles.

Envelhecer é um privilégio. É importante ressaltar que o idoso tem um papel importante em todas as sociedades. Eles são líderes, trabalhadores, aposentados, detentores de sabedoria, avós, cuidadores e voluntários.

Vamos olhar para o idoso como ser humano criado e amado por Deus, que tem sentimentos, merece respeito e carinho.

Que Deus nos lembre sempre do valor da vida.

Que nunca haja um “tarde demais” para perdoar, servir e amar.

“Uma vida longa é a recompensa das pessoas honestas; os seus cabelos brancos são uma coroa de glória” (Pv 16.31).

Neusa Ivone Dietrich Hoffmann

*Texto publicado no Mensageiro Luterano de setembro de 2016.

Artigo anterior
Próximo artigo

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril