Pai e mãe,

A autoestima de uma pessoa, ou seja, a percepção que ela própria tem de si, de suas qualidades e de seu valor vai sendo construída e modificada ao longo de toda a vida. Porém a infância é o período mais importante, ou seja, um momento determinante da vida em que sementes de amor próprio são plantadas. Sendo os pais os responsáveis pelo cuidado corporal, psicológico, social e espiritual da criança, são também eles que afetam de maneira mais intensa a sua autoimagem. São os pais, ou aqueles que exercem esse papel, que normalmente passam maior tempo com a criança e que determinam os primeiros círculos sociais de convívio da mesma.

As crianças dependem do amor incondicional e da aprovação dos pais. Assim sendo, uma criança exposta continuamente a críticas exageradas por parte dos pais ou de outras pessoas que lhe são caras, passa a incorporar a ideia de incompetência à imagem que tem de si mesma. Os elogios, por outro lado, quando sinceros e na medida certa, a fazem ter uma imagem positiva a respeito de si, incorporando também essa opinião dos pais a seu respeito. A baixa autoestima pode trazer inúmeros prejuízos à vida do indivíduo, iniciando já na infância, como, por exemplo, dificuldades de aprendizagem. O temor constante de não ser aprovado pelo outro gera insegurança e funciona como um bloqueio para a criança. A energia que poderia estar sendo investida na busca de conhecimento e no seu desenvolvimento fica estagnada.

Esta responsabilidade inerente aos pais muitas vezes lhes traz aflição. Na vivência clínica, essa aflição é apresentada com frequência, afinal não há como trazer respostas prontas para os pais sobre como agir em cada circunstância para potencializarem a autoestima dos filhos. Eu diria que a chave é o amor. Esse amor não exclui a crítica aos filhos, afinal ela é essencial para o desenvolvimento saudável do indivíduo. Porém é necessário estar atento à maneira como as críticas são dirigidas, apontando os erros de forma construtiva, a fim de fazer o filho crescer e não diminuir. Além disso, é importante estar atento à frequência das críticas em comparação aos elogios.

Um exemplo prático talvez seja oportuno: ao observar que o filho não está cumprindo uma proibição pré-estabelecida pelos pais, dizer ao filho que ele “é” desobediente seria como colocar um rótulo sobre ele. Assim, a afirmação constante de que ele “é” desobediente pode fazer com que ele passe a atender a esta declaração dos pais. Se os pais dizem que ele o “é”, de fato ele pode passar a ser e a se perceber como um indivíduo que não consegue cumprir regras. Melhor seria, portanto, diante de uma ocasião em que o filho descumprir uma regra ou proibição, falar de maneira clara que ele “está sendo” desobediente, explicitando de forma concreta quais as condutas dele que o fazem ser, naquele momento, uma pessoa desobediente. É importante também mostrar qual seria a maneira positiva de se portar naquela situação, oferecendo assim oportunidades para que ele saiba como agir de maneira diferente em outra ocasião. E se ele conseguir agir de maneira positiva em outra situação semelhante, é igualmente importante elogiar a sua conduta, a fim de reforçar o comportamento positivo.

É preciso demonstrar à criança, de maneira clara e direta, que ela é amada. Sentir-se amada é essencial para que se desenvolva com segurança e atribuindo valor a si mesma. E, tendo em vista que estamos em constante desenvolvimento, mesmo que a autoestima de uma pessoa seja baixa, causando-lhe sofrimentos constantes, se ela assim o desejar, haverá a possibilidade de modificar este quadro. Neste sentido, a psicoterapia é uma possibilidade interessante. Ao falar da relação que se estabelece durante a psicoterapia, Hycner (1995)* afirma, a respeito de quem busca a psicoterapia, que a relação de confiança com os outros foi danificada e, portanto, não está inteira. O restabelecimento desta conexão pode não ser algo imediato, mas certamente permitirá um desenvolvimento mais saudável da relação do indivíduo consigo mesmo e, consequentemente, com o meio em que vive.

Gerusa Mass

Psicóloga

CRP 14/06498-1, Dourados MS

*HYCNER, Richard. De pessoa a pessoa: psicoterapia dialógica. São Paulo: Summus, 1995.

*Texto publicado no Mensageiro Luterano de setembro de 2016.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Veja também

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Dores que fazem crescer

“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12).

O que alimenta nossa fé?

Esse foi o tema do Congresso de Servas e Leigos do DIVALI