Pastor Breno Cláudio Thomé

“Lembrem-se dos seus líderes, os quais pregaram a palavra de Deus a vocês [...] honrem sempre os que são como ele” (Hb 13.7; Fp 2.29)

“Primeiro de sete irmãos, vivi em Porto Alegre, RS, de 1941 a 1965. Fui batizado no dia de Natal, na Congregação São Paulo, pelo pastor August Heine. Ele oficiara o casamento conjunto de meus pais e dos meus sogros (as noivas eram primas). Conheci Judith, minha esposa, aos dois anos; sua mãe, Da. Ida, viera a Porto Alegre cuidar da mãe, pois o pastor Heine, então presidente da IELB, estava preso durante a Segunda Guerra Mundial por causa da sua origem alemã.

Estudei na Escola São Paulo. Na instrução de confirmandos (1953-54), por incentivo do pastor George Müller e apoio da mãe, decidi ir ao Seminário Concórdia.  Em 1954, éramos 36 alunos. Dez se formaram.

A talentosa turma, já no 1º ano encenou teatro; seguiu até no teológico! O professor dr. Hans Rottmann formou um octeto que cantou ao vivo, no programa dominical da Hora Luterana. No colegial, o professor Karl A. Rupp criou o Grupo Weimar-Wittemberg; foi o nosso paraninfo na formatura do colegial (1960). Em esportes, desafiamos os times dos demais alunos!

No início de 1961, contraí tifo; passei sério risco de vida; recebi constantes visitas do pastor que me batizou! Fui cuidado em casa por minha mãe por 40 dias. Anos após, ela foi eleita presidente da LSLB, fez longa quimioterapia em Goiânia. Recebíamos suas constantes visitas em Limeira, SP, onde à época eu era o pastor local.

Junto com o teológico (1961-64), o hoje cunhado, dr. Nestor L. J. Beck e eu fizemos o bacharelado em Filosofia na UFRGS. Estagiei (1963) no extinto Instituto Concórdia de São Paulo, como professor de matemática e educação física. Preparamos o campo de futebol e uma festa junina. A amizade com Judith D. Strelow tornou-se namoro.

Em 1965, pedi para fazer a licenciatura e ter mais experiência pastoral; mas fui designado redator na Casa Publicadora Concórdia. Na 2ª Semana de Evangelização (CELSP – Porto Alegre) visitei centenas de moradias. Então recebi o chamado da recém-formada Paróquia de Limeira.

Cheguei em 1966. Em julho, Judith e eu nos casamos. Logo foi constituída a Congregação Bom Pastor, de Limeira. Com auxílio da IELB, adquiriu-se terreno para capela e casa pastoral; esta, dedicada em abril de 1967. Adaptou-se dois cômodos para local de culto. Na tarde desse dia, fui ordenado e instalado pastor no templo da Congregação Cristo, Pires, Limeira. Ali nasceram os filhos: Andréa, Débora, Mônica e João Paulo (+).

Além de cuidadosa mãe, Judith estudou até o quinto ano de piano, foi organista e professora, além de professora de Escola Dominical. Em São Paulo, fez magistério para dar ensino religioso no Colégio Luterano São Paulo (COLUSP).

Em 1968, concluí a habilitação de Ensino de Filosofia/Psicologia (PUC – Campinas, SP). Eleito ao Departamento de Finanças (CN-IELB, 1970) e orientado, mexi em vespeiro! E, após dois anos, na alteração de Estatutos, demitido, em claro desrespeito a mandato de quatro anos! Lamentável! Mas aconteceu!

O mútuo entendimento liderança leiga-pastor agilizou o desenvolver do trabalho. Em 1969, havia local de culto em Limeira. Hoje é a maior Congregação do Distrito Bandeirante. Tem amplo templo em área com o triplo do tamanho! A aquisição da propriedade e a construção aconteceu com o Pr. Romildo Wrasse, que me sucedeu.

Em 1957, com a liderança do Pr. Nilo F. Strelow, a Congregação Cristo (Pires, Limeira, 1925) renovara seu templo; a Congregação Manancial, Leme, construíra o seu; e a de Ribeirão do Meio, até hoje usa a capela que data de 1898.

A Paróquia decidiu se autossustentar; só pediu auxílio à IELB na expansão a outras cidades. Em 1973, foi chamado o pastor Luiz P. F. de Mello para servir Leme em trabalho conjunto. Outros bons colegas o sucederam. Após, mais obreiros vieram; surgiram igrejas luteranas em Campinas, Porto Ferreira, Cosmópolis, Bauru e Ribeirão Preto. Quantas bênçãos de Deus sobre os cristãos dedicados, a quem servi por 14 anos!

Em 1980, fui servir à Congregação Redentor, de São Paulo, SP. Aqui, o desafio foi maior. As congregações de São Vicente, Piedade e Guaianazes já eram independentes. São Bernardo do Campo foi o novo desafio! Outro, ainda maior, foi a ampliação da escola paroquial (COLUSP). Por ela passara o pastor Gerhard Grasel (ULBRA), passava o pastor Paulo R. Teixeira (SBB) e viria o pastor Mário Y. Fukue (Hora Luterana): nenhum luterano de berço!

Do desafio, participaram o professor diretor Waldemar B. Fritz e o pastor Donato Pfluck. Ter ensino do Pré ao 2º Grau exigiu a gradual demolição de prédios existentes: salão de cultos, antigas salas e casa pastoral. Ao sair (fins de 1990), havia um belo conjunto arquitetônico de igreja e escola unidas!

No período de 1966 a 1990, ocupei as funções de secretário da Conferência Pastoral, conselheiro distrital, integrante do Conselho Administrativo do ICSP (fechado e reaberto como 2º Seminário) e vice-presidente regional (Brasil-Centro).

Por cinco anos participei da pós-graduação do Seminário Concórdia. Fui escolhido para o mestrado no Concordia Seminary, St. Louis (09.1983-03.1985). Completei os créditos, redigi e foi aprovada a tese de mestrado; mas, ao ultrapassar o prazo de licença dado pela congregação, voltei sem fazer os exames finais!

De 1991 a 1994, exerci a Direção Geral do Instituto Concórdia de São Paulo – Escola Superior de Teologia – ICSP-EST. Funções difíceis: demitir/admitir (definitiva/temporária) funcionários; atualizar balanços anuais; encerrar o deficitário Curso de Magistério; reduzir o de Teologia para cinco anos; não ter matrículas (1993); demitir professores de Teologia (1994). O dr. Paulo Flor foi a St. Louis; o pastor Ari Gueths, para a Congregação São Paulo, de Guarapuava, PR; assinei minha demissão.

Mas o trabalho produziu bons frutos: foi desenvolvida a ETE – Educação Teológica por Extensão, assegurada a continuidade, mantido o equilíbrio financeiro. O principal, o nível acadêmico e o convívio fraterno na EST-ICSP cresceram. O professor Ari Lange retornou como novo diretor-geral. Infelizmente, a EST-ICSP foi fechada.

Voltei a Porto Alegre. Atuei na transição da direção da empresa familiar. Coloquei-me à disposição de congregações em serviço voluntário. Veio chamado das congregações São Lucas e Da Cruz, perto de nossa moradia. Com o pastor Edgar Züge, conhecido desde sua atuação em Leme, SP, atuei em grupos de estudo bíblico e apoio à escola dominical, além de oficiar cultos.

Em 2001, recebi chamado da Paróquia Cristo, Rincão dos Ilhéus, Estância Velha, RS. Assumi o ensino da ETE a três grupos de membros: Cristo e Rei Jesus, dos bairros Rondônia e Lomba Grande, de Novo Hamburgo, RS. Atuei na Comissão de Apelação e no Conselho de Ética.

Em 2011, recebi o título de Pastor Emérito e deixei a Paróquia. Logo, a pedido da DN-IELB, atuei na Congregação Cristo, de Lajeado, RS, por 10 meses.

Voltei a Porto Alegre. Aí, a convite dos pastores Bruno F. Rieth e Eugênio Dauernheimer, assumi um último e importante serviço: atuar na OBEM. O projeto: criar novos grupos regionais e ter reconhecimento oficial da IELB. O pastor Arnildo A. Figur assumiu a coordenação nacional, em lugar do pastor Rieth.

Elaboramos os regimentos Interno do Conselho Nacional e dos conselhos regionais. Realizamos o 1º Encontro de Coordenadores Regionais e esposas para falar do trabalho, aprovar os regimentos e enviá-los à DN-IELB para aprovação/reconhecimento.

Hoje, a OBEM é a Ordem dos Obreiros Eméritos da IELB e inclui, além de pastores e professores, esposas ou viúvas, membros de destacada atuação na IELB. Queremos incentivar ações nas congregações em favor do cuidado, apoio e serviço dos e aos idosos” (Pastor Emérito Breno C. Thomé).

Dados biográficos

Nascimento: 09/11/1941, em Porto Alegre, RS

Filho de Breno Alberto Thomé e de Frieda Helena Merker Thomé

Formatura: 29/11/1964

Ordenação: 30/04/1966, na Congregação Cristo, Pires, Limeira, SP

Casamento:23/07/1966

Esposa: Judith Dores Strelow Thomé, nascida em 21/10/1941

Filha do pastor Nilo Frederico Strelow e de Ida Emília Heine Strelow

Filhos: Andréa Marina Thomé Krick, Débora Cora Thomé Zschornack, Monica Paula Thomé e João Paulo Thomé (+)

Locais que serviu:

Instituto Concórdia, SP – estágio – 1963

Limeira, SP – Bom Pastor – Boa Vista – 1966-1980 (foto acima)

São Paulo, SP – Redentor – Moinho Velho – 1980-1990 (foto abaixo)

São Paulo, SP – Escola Superior de Teologia – 1990-1994

Licenciamento do ministério – 1995-1997

Porto Alegre, RS – São Lucas – Vila Ipiranga – 1998-2002

Estância Velha, RS – Cristo – Rincão dos Ilhéus – 2002-2011

Lajeado, RS – Cristo – Florestal – 2011-2012

Emérito desde 20 de março de 2011

Mora em Porto Alegre, RS

NOTAS DO REDATOR:

1. Após a publicação de 30 edições do espaço EMÉRITOS, sob a coordenação do pastor Carlos Walter Winterle, a quem muito agradecemos, vamos parar por algum tempo para reavaliar o projeto. Aguardem!

2. Erratas:

a) “Eu não trabalhei na Cristo de São Gabriel da Palha e não estagiei em Boa Vista, mas, sim, em Padre Francisco, município de São Gabriel da Palha, na época; hoje pertence ao município de Vila Valério, ES” (Pastor Ernani Zimmer – ML de setembro 2023, p.23).

b) A grafia correta do sobrenome do pastor Ervino é SKALEE e não Skalle, como publicado no ML de outubro de 2023, p.28).

Comentários

  1. É muito bom ler reportagens de pastores eméritos: me leva a louvar a Deus por ter derramado sobre tantas pessoas infinitas bênçãos através deles e me motiva a continuar servindo a Ele e ao próximo com dedicação e alegria.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó

Veja também

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó

A subjetividade contemporânea do rolar a tela do celular

O Tik Tok passa a predominar e compor o mundo intrapsíquico do ser humano. E tal composição atinge milhões de pessoas, como uma espécie de hipnose pandêmica.

A dolorosa volta para casa

Após 20 ou mais dias, vítimas da enchente no RS começam a retornar aos seus lares para limpeza e reconstrução