A cama dos pais

Jesus é este Deus acolhedor e que sempre espera os filhos que vêm correndo e chorando na calada da noite

Uma das coisas mais simples e belas entre pais e filhos é a cama. Sim, a cama dos pais! Acho difícil um adulto que, nos tempos de criança, não tenha corrido para a cama dos pais em algum momento da noite. Na hora dos temporais, raios e trovoadas. Ao acordar no meio de um pesadelo daqueles em que era preciso fugir de um monstro. Ou até mesmo quando, no silêncio da noite, ouviam-se barulhos estranhos pela casa.

Filhos que correm para a cama dos pais querem proteção. Querem aliviar seus medos. Também nestes dias de inverno, quando se jogam para debaixo das cobertas dos seus pais e desafiam as leis da física para que dois corpos ocupem o lugar de um. E este é um dos momentos mais belos da vida. Simples. De graça. E marcante. Tanto para pais, quanto para filhos.

Mas os filhos crescem e já não procuram mais a cama dos pais. Mesmo assim, filhos crescidos continuam cheios de medos e carentes de proteção. E quem dera que fosse apenas medo de temporais, pesadelos e barulhos estranhos pela casa. As pressões do dia a dia, as vergonhas, as derrotas, as culpas, os fracassos e um turbilhão de fardos fazem filhos lembrar com saudade da cama dos pais. Filhos crescidos, prestem atenção: “Ó Deus, sê a minha rocha de abrigo e uma fortaleza para me proteger! Tu és a minha rocha e a minha fortaleza” (Salmo 71.3). Em todos os tempos Deus tem se mostrado como abrigo e proteção. Ele está à disposição, aconchegante e acolhedor. Sempre há espaço para mais um. Nele, os medos e ansiedades se acalmam e o sono pode ser bem mais tranquilo. Exatamente como a cama dos pais.

Então fica a dica: O SENHOR Deus é nosso abrigo e fortaleza! Repita a cena de décadas passadas. Busque abrigo. Carregue consigo seus medos, suas culpas, seus pesadelos. Jogue-se, não mais na cama dos pais, mas nos braços de Jesus. Ele aceita os filhos crescidos que erraram na vida. Que estão longe do Senhor. Que carregam tantas culpas do passado. Jesus é este Deus acolhedor e que sempre espera os filhos que vêm correndo e chorando na calada da noite. Exatamente como era a cama de nossos pais.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Emergindo das águas: Um novo começo

A nossa querida Editora Concórdia irá se reerguer e continuará a ser a editora da teologia bíblica e confessional que herdamos da Reforma. Publicando a Palavra que permanece.

Veja também

Emergindo das águas: Um novo começo

A nossa querida Editora Concórdia irá se reerguer e continuará a ser a editora da teologia bíblica e confessional que herdamos da Reforma. Publicando a Palavra que permanece.

Um fim em comum!

E para cumprir com seu propósito, a IELB: utilizará os meios de comunicação; produzirá e distribuirá livros e material religioso, fundando e mantendo organizações com essa finalidade. Esse é o porquê de a Igreja ter uma editora.

14º Encontro Nacional de Escolas Luteranas (14º ENEL)

Em 1524, Lutero elaborou um documento que lançaria as bases de conceitos como educação pública e gratuita, universalização do ensino, ludicidade no processo ensino-aprendizagem, educação interacionista, protagonismo do aluno, aprendizagem significativa e de uma educação com propósitos existenciais, fundamentada nos princípios cristãos.