A manjedoura e a cruz!

Naqueles dias, foi publicado um decreto de César Augusto, convocando toda a população do império para recensear-se. Este, o primeiro recenseamento, foi feito quando Quirino era governador da Síria. Todos iam alistar-se, cada um à sua própria cidade. José também subiu da Galileia, da cidade de Nazaré, para a Judeia, à cidade de Davi, chamada Belém, por ser ele da casa e família de Davi, a fim de alistar-se com Maria, sua esposa, que estava grávida. Estando eles ali, aconteceu completarem-se-lhe os dias, e ela deu à luz o seu filho primogênito, enfaixou-o e o deitou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria” (Lucas 2.1-7).

Uma manjedoura

Que lugar é esse? Que nome estranho. É o nome que damos à cama de Jesus. O que era prato de animal vira a cama do Salvador. Nós, que nos acostumamos a camas acolchoadas e macias, não temos uma definição exata e uma ideia precisa do que foi a cama de Jesus. A cena é de humildade dos pais e de Deus se manifestando na simplicidade.

Uma manjedoura

Jesus cresceu e seguiu sem ter cama. Um dia disse: “O Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”. Sem cama. Outro momento, quando cansado fisicamente, dorme num barco precário e acoitado por uma tormenta em alto-mar. É acordado por discípulos medrosos, cuja fé era pequena. Quando poderia dormir, os homens o despertam.

Uma manjedoura

Quando finalmente reclinou a sua cabeça, foi no alto de uma cruz. Mas ali ele morreu. Então foi deitado num lugar seguro, calmo e de descanso; foi numa sepultura emprestada de José de Arimatéia. Ali também não o deixaram dormir. Agora, Deus Pai o chama à vida: ele ressuscitou!

Uma manjedoura

Jesus, definitivamente, não veio para dormir. Usando sua própria palavra: “Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância”. Deus é Deus também quando está deitado numa manjedoura. Motivou a viagem de pastores e de sábios para adorá-lo.

Jesus experimentou desde pequeno a dureza da vida e do coração humano. Não é um bom lugar para se habitar. Mas tudo aconteceu assim para cumprir com propósitos maiores e que a humanidade não entende e aceita: havia uma dívida a ser paga.

Deus resolveu perdoar esta dívida de um jeito estranho, humilde e pobre. Os olhos humanos, que muito facilmente olham para o luxo e o conforto, são confrontados com uma cena pobre, desprezível e inesperada. O jeito de Deus revelar-se em perdão custou-lhe caro: o precioso sangue de Jesus – o mais precioso, seu único Filho.

A manjedoura recebe e acolhe o Rei que mais tarde seria crucificado. A lenha, a madeira da manjedoura, agora segura, em pé e morto, aquele que veio para dar vida e ser salvação: o renovo de Israel, o broto, o lenho verde. Inclusive cantamos: “Brotou-nos um renovo”. Um renovo que tem vida em si mesmo. Se na manjedoura foi ignorado e não crido, na cruz foi pendurado, cuspido e açoitado.

O que Jesus foi na manjedoura, igualmente o foi na cruz. Deus e Salvador. Isso nos interessa muito, afinal estas lenhas, travessas e cochos não conseguiram fazer de Jesus um personagem morto. Ele não veio para dormir nem permanecer morto.

Nas palavras dele: “O meu Pai trabalha até agora, e eu também trabalho”. Nós também trabalhamos, e bastante, especialmente nesta época. Mas também dormimos. O trabalho nos permite ter camas macias e travesseiros confortáveis. Muitas vezes nos fazem perder até os cultos.

Uma manjedoura

Uma cruz. Um homem, Deus e Salvador. Tudo isso aconteceu não porque Deus estava precisando, mas para que o mundo fosse salvo da morte, do sono eterno. A manjedoura conta a nossa história, que culmina na cruz. Alguém precisava disso: eu e você. Deus é amor. Deus trabalha e se sacrifica em favor dos seus filhos. “Nunca dormita o guarda de Israel”.

Por isso fica uma palavra final sobre verdadeiro descanso aqui e que é eterno: “Vinde a mim todos os que estais cansados e sobrecarregados; eu lhes darei descanso”. Para quem não crer: “Não entrarão no meu descanso” (Hb 4.5).

Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma” (Mt 11.9). “E a vós outros, que sois atribulados, alívio juntamente conosco, quando do céu se manifestar o Senhor Jesus com os anjos do seu poder” (2Ts 1.7).

Feliz e abençoado Natal. Amém.

Ilmo Riewe,

Pastor da IELB

Arapoti, PR

*Texto publicado na edição de dezembro de 2013.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Nossa oração mudou

   ”Deus, abençoe as pessoas pobres e ricas que perderam tudo na enchente. Que elas consigam o que vestir, o que comer e uma casa para morar”

Veja também

Nossa oração mudou

   ”Deus, abençoe as pessoas pobres e ricas que perderam tudo na enchente. Que elas consigam o que vestir, o que comer e uma casa para morar”

ANEL participa de Congresso Nacional de Escolas Luteranas da Argentina

Presidente Marlus Seling, diretor-executivo Nelci Senger e vice-presidente de Ensino da IELB, Joel Muller, representaram o Brasil no evento que reuniu mais de 300 participantes

O surgimento de uma tradição cristã

Participaram das aulas 19 alunos de diversos lugares do Brasil e do continente americano, tais como Canadá, México, Venezuela e Paraguai.