Escutando a partir da língua tupi

Dica de leitura para o leitor deste artigo: O palhaço e o psicanalista, de Christian Dunker e Cláudio Thebas

Artur Charczuk
pastor e psicanalista
e-mail: [email protected]
Contato: (51)9923- 57- 187

Dica de leitura para o leitor deste artigo: O palhaço e o psicanalista, de Christian Dunker e Cláudio Thebas. Uma obra que visa aprofundar a importância da escuta, assunto bastante desafiador, dado que o mundo contemporâneo tem como característica principal o falar, a comunicação. Escutar é como caminhar em uma terra inóspita; basta você caminhar pela rua, tudo respira comunicação: imagens, propagandas, atitudes, modas e assim por diante. Escutar por entre os muros do falar é como o indivíduo que fica nas pontas dos pés, tentando enxergar o que tem do outro lado, ou seja, ninguém quer escutar muito hoje. Atualmente, o falar está estritamente relacionado com a performance do sucesso. Explicando: você precisa falar para vencer, você precisa falar para vender, você precisa falar para argumentar, etc. E o escutar? Eu nunca ouvi falar que o ato da escuta leva ao sucesso, ao aprimoramento, ao avanço e outros caminhos. Você já ouviu falar sobre cursos de escuta? Eu não. O carrossel da contemporaneidade gira a partir da palavra dita. Com isso, a leitura da obra aqui indicada é como entrar em uma porta falando mais, e após atravessar as tantas páginas, a pessoa fecha a porta escutando mais.

O livro tem um capítulo bastante interessante que fala sobre o escutar tupi. Não é um entendimento de escuta como a compreendemos; a escuta tupi parte de formas diferentes quando o assunto é escutar. A escuta da cultura tupi tem por objetivo perceber o outro que está falando. Vou elencar aqui:

1) ouvido direito: ligado ao que é ativo, o impulso;

2) ouvido esquerdo: ligado ao acolhimento, abertura;

3) ouvido terra: é o que é tátil, do concreto;

4) ouvido água: é a parte emocional do sujeito, do afeto;

5) ouvido ar: é a parte da reflexão, argumentação;

6) ouvido fogo: é o convite para decidir as coisas, com intuição;

7) a integração dos ouvidos: é a simultaneidade, uma escuta integrada.

(DUNKER; THEBAS, 2021)

É muito interessante o que acontece no relacionamento tupi; em outros termos, eles procuram perceber os movimentos do outro. “[…] os indivíduos da tribo vão igualmente reconhecendo qual a característica de escuta de cada integrante da aldeia (DUNKER; THEBAS, 2021, p.165). Ao mesmo tempo, tal escuta propicia o exercício da empatia. “Por exemplo, se reconheço no outro a escuta da terra (concreta, tátil) posso, por exemplo, iniciar a conversa dizendo: “Sabe o que me toca em você?” […]” (DUNKER; THEBAS, 2021, p.165). O povo tupi compreendeu o ato de escutar com as relações do dia a dia, com a troca de experiências, ensinando, perguntando (DUNKER; THEBAS, 2021). A escuta tupi não é simplesmente receber uma demanda de palavras, é muito mais, isto é, é reconhecer as características de cada sujeito que está escutando (DUNKER; THEBAS, 2021). Para os tupis, a pessoa que escuta bem é mais importante do que a que fala bem. “A importância da escuta para os povos tupis se traduz no termo que utilizam para designar o cacique: Acanguatara. Esta palavra significa Cabeça Boa de Escutar” (DUNKER; THEBAS, 2021, p.166). É uma afirmação um tanto considerável; em outras palavras, para a realidade moderna, soa até como algo estrangeiro, que não é daqui. Por fim, a escuta tupi é um convite para uma reflexão por entre tantos barulhos e vozes de todos os tipos e alturas: não é simplesmente escutar, mas perceber o escutar. A escuta também comunica, entretanto, não o som como o conhecemos, ela é uma tradução silenciosa, mais límpida do que muitos ruídos por aí.

Escutar, de acordo com o homem moderno, é fácil, mas escutar o escutar, bem, o caminho é um pouco mais longo. E para nós, cristãos, é importante frisar: o ministério de Jesus Cristo, além do anúncio do evangelho através da fala, Cristo também o anunciou pela escuta. Escutou das mais variadas pessoas, dos mais variados problemas; sim, o Salvador anunciou por meio do silêncio, do simplesmente olhar para o outro com amor, com total escuta. Não deixe de escutar o outro, escute, simplesmente escute. De fato, o período quaresmal é o convite para meditarmos sobre o sofrimento de Cristo Jesus, o Deus que anunciou, o Deus que escutou.

REFERÊNCIA

DUNKER, Christian Ingo Lenz e THEBAS, Cláudio. O palhaço e o psicanalista: como escutar os outros pode transformar vidas. 2.ed. São Paulo: Planeta, 2021.


Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Veja também

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Enchente no RS provoca mudanças no Simpósio de Missão

Programação do Seminário Concórdia será reduzida e online. Inscrições podem ser feitas até o dia 21 de junho

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase