Falar ao coração

“Consolai, consolai o meu povo, diz o vosso Deus. Falai ao coração de Jerusalém, bradai-lhe que já é findo o tempo da sua milícia, que a sua iniquidade está perdoada e que já recebeu em dobro das mãos do SENHOR por todos os seus pecados” (Is 40.1-2).

Na cultura brasileira, tivemos uma poetisa chamada Cora Coralina. Um dos seus versos mais famosos são as linhas simples onde ela fala que a vida só terá sentido se falarmos ao coração das pessoas. Segundo a autora, é isso que faz com que a vida seja intensa e verdadeira.

Falar ao coração. Olhar para o coração. Falar daquilo que realmente importa. Fazer a diferença na vida das pessoas. Precisamos ser lembrados disso. Ainda mais em tempos em que a vida está cada vez mais artificial. Nesta sociedade do espetáculo, onde o que interessa é a imagem e os likes nas redes, o coração parece ter ficado de lado. Quem sabe não sejam à toa os crescentes números de crises de ansiedades e um vazio existencial tão grande.

Há tempos atrás, quando nem se sonhava com a tecnologia que hoje temos, alguém falou ao coração das pessoas. Nos tempos do profeta Isaías, o contexto era de rebeldia, idolatria, culpa, castigo, sofrimento. Mas, a certa altura da história, Deus pediu para falar ao coração do seu povo. Ele disse assim: “Consolai, consolai o meu povo, diz o vosso Deus. Falai ao coração de Jerusalém, bradai-lhe que já é findo o tempo da sua milícia, que a sua iniquidade está perdoada e que já recebeu em dobro das mãos do SENHOR por todos os seus pecados” (Is 40.1-2).

Ainda hoje, Deus fala aos corações. Aos corações duros, rebeldes e cheios de si, a fala é de juízo, do chamado ao arrependimento e da mudança de vida enquanto há tempo. Mas aos corações que estão aos cacos, agonizando em culpas e questionando-se se ainda é possível mais uma chance com o SENHOR, ele diz: “Consolem, consolem o meu povo. O seu pecado está perdoado”.

Eis o tempo de advento. Ele quer falar aos corações vazios que se escondem atrás de uma postagem feliz. Ele quer falar aos corações que terão um lugar vazio na ceia de natal. Ele quer falar aos corações que já pensaram em desistir. O advento nos oferece o menino Jesus, o Redentor e Salvador de nossos corações.

Então fica a dica: em uma vida cada vez mais artificial, precisamos falar mais aos corações. E falar a estes corações que em Jesus há restauração, perdão e vida eterna.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó

Veja também

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó

A subjetividade contemporânea do rolar a tela do celular

O Tik Tok passa a predominar e compor o mundo intrapsíquico do ser humano. E tal composição atinge milhões de pessoas, como uma espécie de hipnose pandêmica.

A dolorosa volta para casa

Após 20 ou mais dias, vítimas da enchente no RS começam a retornar aos seus lares para limpeza e reconstrução