Fé e esperança em meio à tragédia do Vale do Taquari

O ciclone extratropical que atingiu o Rio Grande do Sul no dia 4 de setembro foi avassalador. Destruiu cidades inteiras, ceifou quase 50 vidas, deixou milhares de desabrigados e desalojados. Levou casas, roupas, móveis, carros, memórias…. A paz de muita gente.

Em meio ao cenário de guerra, na maior tragédia climática do Estado nos últimos tempos, também vemos o maior exemplo de solidariedade, de amor ao próximo, de empatia. Pessoas, instituições, empresas se unindo para arrecadar donativos e se voluntariando para ajudar as vítimas a reconstruírem suas vidas, suas moradias, suas cidades.

Um bom fruto colhido de outra tragédia recente – a pandemia do coronavírus? Ao ver toda essa união e esforços para auxiliar as vítimas do Vale do Taquari, lembrei de catástrofes anteriores em que, por falta de insumos, pessoas prevalecidas superfaturavam necessidades básicas, como água potável e lonas. Ou até mesmo enchendo seus carrinhos de compras (sem pensar no próximo) quando passaram pelo isolamento social na pandemia. O que eu pude presenciar na visita às cidades atingidas foi exatamente o contrário. Em Roca Sales, uma das cidades mais afetadas, a Igreja Luterana é um dos pontos centrais de arrecadação e distribuição de donativos. Também oferece refeições prontas e está abrigando uma família que perdeu tudo. Ali, presenciei uma das cenas que me marcou: em meio a muitas cestas básicas e kits de limpeza já prontos, uma pessoa recusa alguns alimentos. “Eu não tenho onde cozinhar agora, deixa para quem precisa”!

Frase semelhante é reverberada em várias cidades, que receberam muitas doações: “O que precisamos agora é material de limpeza e alimentos prontos”. Cidades como Muçum e Roca Sales, que foram completamente destruídas, não têm comércio em funcionamento.

No dia 12 de setembro, acompanhei o presidente da IELB, pastor Geraldo Schüler, o vice-presidente de Ação Social, pastor Airton Schroeder, e o conselheiro do Distrito alto Taquari, pastor Mário Hartmann, em visita a algumas cidades do Vale do Taquari. Da manhã até a noite, visitamos as igrejas de Lajeado, Arroio do Meio, Roca Sales e Estrela, além de membros que foram afetados nessas cidades. Também estivemos com os prefeitos de Lajeado e de Arroio do Meio, no centro de arrecadação e distribuição de donativos de Lajeado e circulamos pelas ruas das cidades afetadas, vistoriando e conversando com a população, tentando levar apoio, palavras de conforto, acolhimento e orando com as pessoas.

Fosse na rua, vendo as pessoas em meio ao lodo, tentando recuperar suas casas, fosse nas igrejas, presenciando membros e lideranças (em Roca Sales, o presidente da Congregação perdeu tudo, até sua casa) ajudando os atingidos, fosse nas casas dos irmãos afetados, o tempo todo havia fé e esperança. Mesmo com nada ou com tão pouco, o que se via nessas pessoas era que elas não se sentiam sós, abandonadas ou perdidas. E não é só o suporte dos familiares, amigos, da igreja ou do poder público, é Deus. De todas as famílias que visitamos, tivemos lindos testemunhos de fé, do poder da oração, da confiança na condução dos planos e propósitos de Deus, nos anjos que ele envia para proteger e ajudar seus filhos amados (Veja alguns relatos abaixo e assista aqui ao Revista CPT especial sobre a tragédia do Vale do Taquari).

O Distrito Alto Taquari está fazendo levantamento das famílias luteranas atingidas e suas necessidades. Até o momento, são 26 famílias em Estrela, 30, em Roca Sales, 65, em Arroio do Meio, e 31 famílias em Lajeado.

Além de roupas e kits de higiene, a Diretoria Nacional entregou ao Distrito 120 bíblias e 120 cancioneiros Louvai ao Senhor. Também informou sobre a oferta do culto de encerramento do Congresso Nacional da LLLB, no valor de R$ 26.281,99, que será destinada para as vítimas do Vale do Taquari.

A igreja tem demonstrado um notável comprometimento em apoiar aqueles afetados pelas enchentes no sul do país. Até o momento, foram realizadas diversas contribuições para o Fundo de Resposta a Desastres da IELB, e foi criado um PIX para facilitar as doações. Para contribuir através do PIX, basta utilizar a chave email: [email protected].

Veja aqui álbum de fotos da visita às cidades do Vale do Taquari.

RELATOS

“Já chorei muito, mas hoje choro de alegria. Tudo o que aconteceu nos abriu os olhos, para o próximo. Hoje estamos sendo ajudados, amanhã poderemos ser nós a ajudar o nosso próximo.”

Heintz Werner Stohl e esposa Neudice, Lajeado, RS, perderam não só os bens de sua casa, mas também todo o trabalho de marcenaria e artesanato

“Passei 14h em cima do telhado, orando a Deus pedindo proteção. Eu pedi para que abrisse o rio e protegesse nossa casa, assim como ele fez com o mar Vermelho. Quando descemos, passei mais 12h agradecendo a Deus por ter nos preservado.”

Fábio Pedro Gerevini e Diane de Almeida Alfredo, Lajeado, RS

“Como é bom vermos o abraço da igreja para o Vale do Taquari. Muito maior que a desgraça é o amor de Deus revelado em palavras, atitudes e doações para nosso povo.”

Pastor Mario Hartmann, conselheiro do Distrito Alto Taquari

“Temos situações em que caminhões que foram trazidos para nós, que de tanta doação, direcionamos ao centro de distribuição do município. Vemos a igreja amplamente engajada, se mobilizando e fazendo a sua parte. Mas pedimos a todos que continuem em oração, pois essas pessoas vão continuar precisando de assistência, sobretudo, espiritual.”

Jairo Hoerlle, presidente da Congregação de Lajeado e líder leigo do Distrito Alto Taquari

“Nossa congregação teve 60 famílias atingidas, mas também estamos atendendo outras famílias não luteranas. O principal foco é o apoio espiritual, pois levará tempo para reconstruir a cidade. Nossa necessidade de ajuda será por um longo tempo. Daqui um ano, essas famílias ainda precisarão de algum tipo de ajuda, que não é só material.”

Pastor Jair Erstling, Arroio do Meio, RS

“A minha casa ficou toda debaixo d’água, em questão de horas. Foi chocante e não desejo isso para ninguém. A nossa comunidade é forte, é grande, e só tenho a agradecer a todos que estão nos ajudando.”

Evandro Suhre, membro da Congregação Bom Pastor, de Arroio do Meio, RS

“Mobilizamos membros e pessoas de fora para auxiliar a igreja daqui, e foi muito bom o envolvimento. Essas pessoas precisam de muita ajuda, e não vai passar rápido essa situação. Eles precisam de abraço, doações e orações.”

Pastor Günter Pfluck, de Passo Fundo, RS, que está ajudando a igreja de Roca Sales

“Já de madrugada, acolhemos pessoas em casa, na igreja, tentando consolá-las. Cada coisa simples que oferecíamos, elas agradeciam e diziam: ‘Deus é bom!’. É impressionante como Deus é bom, que manda pessoas de vários lugares para nos ajudar.”

Isolde Ücker, Roca Sales, RS

“Começamos a recolher e entregar roupas no primeiro dia. Começaram a chegar mais roupas e alimentos, mas vimos que as pessoas não tinham como cozinhar. Então, começamos a preparar as refeições. Com ajuda de muitas pessoas, nos organizamos e hoje só fazemos as doações e não arrecadamos mais nada. Estamos na luta, cansados, trabalhando de 12 a 14 horas aqui e, depois, continuamos em contato por telefone. Mas Deus nos dá forças para continuar.”

Daiane Muniz Martins, responsável pela central de distribuição de cestas básicas de Roca Sales, RS

“Colocamos a congregação à disposição do poder público. Contamos com apoio de diversos voluntários e conseguimos oferecer até 700 refeições num dia, além de doações de roupas e kits de higiene e limpeza.”

Pastor Albano Ücker, Roca Sales, RS

“Tínhamos deixado o altar arrumado, e quando cheguei aqui estava intacto. Isso me marcou muito. Entendo que é um sinal de Deus de que ele está aqui conosco, nos abraçando, através de pessoas que estão nos ajudando. Graças a isso, estamos conseguindo acolher e atender as pessoas da igreja e do bairro.”

Magnus Henrique Weirich Batista, presidente da Congregação de Estrela, RS

“Foi uma experiência que jamais esqueceremos. A sensação de perda e desemparo é esmagadora. Também do tamanho dessa dor é a gratidão por estarmos vivos.”

Andreia Amaral, membro da Congregação de Estrela, RS

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Veja também

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Livres para servir: o papel da religião na promoção do bem comum

A realização dos ideais religiosos depende da preservação da liberdade religiosa – o direito fundamental de praticar, expressar e manifestar suas crenças sem discriminação ou perseguição. Defender a liberdade religiosa não é apenas uma obrigação legal, mas um imperativo moral que garante o florescimento de diversas comunidades religiosas e promove um ambiente propício ao diálogo e à cooperação

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó