Natureza e sementes crioulas – “Sopros de vida”

A temática de nossa igreja para 2023 é estarmos enraizados e edificados em Cristo. A relação das minhas pesquisas profissionais com essa temática diz respeito às matas de araucária, erva-mate, árvores nativas, raízes, plantas, sementes e comunidades tradicionais que fazem parte da pesquisa do meu doutorado. Enraizada na educação desde 1988, desenvolvo projetos ligados ao meio geográfico/histórico no Paraná.

Natureza, sementes crioulas, representam a continuidade da vida, da existência da alimentação, de vivências, práticas de muitos povos e comunidades que hoje já não existem mais. As comunidades tradicionais nos ensinam como lutaram e vivenciaram situações de esperança, dificuldades, alegrias, fortalecimento da fé, principalmente com as mudanças ambientais.

O meio ambiente clama por socorro. Estamos perdendo parte da vegetação que ainda temos em nosso planeta. As florestas, matas, campos, vegetações, estão desaparecendo. Nós estamos matando e fazendo desaparecer o que Deus nos concedeu, a própria natureza intacta e nativa, que só existiu até a chegada das primeiras populações humanas.

As sociedades humanas transformaram o meio ambiente com o tempo. Animais, plantas e sociedades primitivas desapareceram, ao provocarem desequilíbrios ou pressões ambientais sobre a biodiversidade.

A mata atlântica, os cerrados, o litoral, guardam as marcas, os sinais e a memória desses impactos e mudanças, dentro do nível e estágio de desenvolvimento próprio de cada comunidade original que surgiu ou desapareceu no território brasileiro. Algumas comunidades apresentaram uma extraordinária capacidade de adaptar-se e enfrentar os desafios ambientais em diferentes escalas de tempo e espaço, como as comunidades indígenas, quilombolas, caiçaras e faxinalenses, que formaram novas configurações sociais e econômicas.

Podemos considerar o surgimento de aldeamentos fixos, o uso do fogo nas matas, enriquecimento de plantas de interesse alimentar, medicinal, o melhoramento de espécies para a agricultura, armazenamento de sementes, como impactos na dinâmica natural da biodiversidade e como forma de histórias, marcas, registros gravados na cultura e no relacionamento desses povos com a natureza.

Ao pesquisar sobre as sementes crioulas, passamos a conhecer a natureza e a vida dessas comunidades tradicionais, através de seus conhecimentos e técnicas produtivas. Esses agricultores têm sido guardiões de um dos recursos mais importantes para a alimentação, para a vida: a agrobiodiversidade.

A semente traz consigo o significado de vida, o valor da sobrevivência, da resistência, da continuidade, da perpetuação, uma inter-relação entre conhecimentos e práticas. As sementes crioulas fazem parte do patrimônio material e imaterial (com as práticas de manejo e cultivo) de diversos povos, que ao longo dos tempos vêm conservando, resgatando, selecionando e valorizando variedades, mantendo a agrobiodiversidade adaptada a cada região, através dos guardiões de sementes.

Esses guardiões possuem o conhecimento acumulado, o saber fazer, apreendidos e transmitidos pelas gerações. Eles acreditam no potencial das sementes crioulas, o que leva a mantê-las em reprodução, em estreita relação com a natureza. É uma his-tória de produzir e reproduzir vida na natureza e com as pessoas em comunidades tradicionais.

Na pesquisa que realizei para o doutorado, entre 2018 a 2022, foram coletadas 280 variedades de sementes crioulas. Com todos os guardiões, foi encontrado grande número de sementes de feijão, milho, abóboras, legumes, temperos, o que está relacionado à estratégia de conservação de recursos genéticos básicos para sua alimentação, cultivados em locais próximos às suas casas, hortas e jardins medicinais. Encontramos 108 variedades de feijões, 20, de milho, 14, de abóboras, 6, de pipocas, 28 árvores nativas/frutíferas, 6, de amendoim, 26 temperos, legumes e verduras, 12 plantas medicinais, entre outros.

Realizar essa pesquisa e conviver com os agricultores, me trouxe de volta às minhas raízes e histórias, assim como me trouxe mais uma chance de ver que Deus nos dá tantas bênçãos, tanto aprendizado de vida. O valor de ver uma semente se reproduzindo, a sensação de conhecer outras variedades de sementes, plantas, de colocá-las na terra, vê-las crescer e se reproduzir, é obra de DEUS em nossas mãos. Assim como nossa existência é obra de Deus. Nós nascemos, crescemos e nos re-produzimos pela vontade de Deus, nós também somos sementes, plantas no jardim da existência de Deus.

Na Bíblia, temos o salmo 126.5-6: “Que aqueles que semeiam chorando façam a colheita com alegria! Aqueles que saíram chorando, levando a semente para semear, voltarão cantando, cheios de alegria, trazendo nos braços os feixes da colheita!”. Nós somos sementes, raízes que Deus quer ver reproduzir, e através de nossas ações podemos mostrar que somos gratos pela vida e pela natureza que ele nos presenteou. Precisamos cuidar do meio ambiente em sua totalidade, tornar estes espaços enraizados, fortes, como algumas plantas, raízes e sementes, que, mesmo diante de furacões e enxurradas, permanecem firmes e se renovam a cada amanhecer.

Estar enraizados em Cristo é construir nossas vidas na fé, com raízes profundas, que não se desprendem com facilidade, mas que nos enriquecem com bens espirituais e nos fortalecem. Podem cair as chuvas, transbordarem os rios, se agitarem os mares e os ventos, que as raízes e as sementes profundas permanecem, assim como a Palavra de Deus e seu Filho Jesus Cristo, que nos transformam em cristãos que crescem no amor a Deus, a seus semelhantes e à NATUREZA que ele nos deixou.

Cleusi T. Bobato Stadler

Congregação Ressurreição – Imbituva, PR

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Veja também

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Dores que fazem crescer

“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12).

O que alimenta nossa fé?

Esse foi o tema do Congresso de Servas e Leigos do DIVALI