O objetivo é auxiliar o povo de Deus

Sou grato a Deus e à igreja por integrar e coordenar o Departamento de Educação Cristã (DEC) em nossa querida Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB). Deus seja louvado pela vida, pelas oportunidades e pelo privilégio de servirmos ao seu Reino.

O Departamento de Educação Cristã é um dos departamentos do Conselho Diretor da IELB. Atualmente tem os seguintes integrantes: pastor Fernando E. Garske (VPEC), pastor Klaus Kuchenbecker (coordenador), pastor Jonas Figur, Marli Blemm (secretária), Célia Bündchen e Dagmar Figur (presidente da JELB).

Conforme descrito no Artigo 33 do Regimento da IELB, o principal objetivo do Departamento de Educação Cristã é auxiliar os pastores, as congregações, as paróquias, as escolas e as famílias na sua tarefa de ensinar e aprender o evangelho. Tudo para que a igreja possa crescer no conhecimento do Salvador Jesus, ser fortalecida na fé e, assim, crescer tanto em número como na prática do amor cristão. Para que isso aconteça, o Departamento estabelece programas de educação cristã e produz material e recursos direcionados à formação de crianças, confirmandos, jovens, pais e mães, homens e mulheres, líderes e pastores.

Lembro aqui as palavras de Jesus antes de sua ascensão: “Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra. Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a guardar todas as coisas que tenho ordenado a vocês” (Mt 28.18-20).

A igreja está sob a autoridade de Cristo. Cumpre a sua ordem. Ensina o que ele tem ordenado. E para que isso aconteça de forma fiel à santa vontade de Deus, a igreja busca oferecer materiais que sejam edificantes e doutrinariamente corretos.

Nessa tarefa, o DEC conta com a rica colaboração de membros e pastores na elaboração de seus materiais. Agradecemos a todos que de uma forma ou de outra se envolvem no desafio de produzir e promover a educação cristã, preparando belos materiais para os diversos segmentos da igreja: Escola Dominical, Instrução de Confirmandos, Estudos Bíblicos, Auxílios para Culto, e tantos outros.

O desafio é grande:

Ensinar… a todos, por todo mundo. Que extensão! Que alcance! Sem distinção, sem separação, sem escolhas, sem privilegiados nem excluídos. A todo o mundo.
Ensinar… todas as coisas – vejam só o desafio. Trabalho não nos falta. Imaginem só quanto conteúdo Jesus deixou com seus discípulos, para que fossem ensinados em sua totalidade. Por vezes, acabamos nos atendo apenas a alguns detalhes, inclusive àqueles que nos encantam, que mexem com o nosso interior. Já outras vezes, ficamos apenas no superficial, e não exploramos a riqueza da Palavra. Mas, fica o desafio de sempre buscarmos nos aprofundar no conteúdo bíblico, para melhor conhecermos o amor de Deus e vivermos o que ele quer de cada um de nós. Disso também falamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas ensinadas pelo Espírito, conferindo coisas espirituais com espirituais (1Co 2.13).

Que Deus conceda sabedoria a todos os integrantes do DEC e abençoe o uso dos materiais disponibilizados à igreja, visando o fim maior: a salvação de todos. Honra, louvor e glória ao nosso bom Deus.


Klaus Kuchenbecker

Coordenador do Departamento de Educação Cristã
[email protected]

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó

Veja também

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó

A subjetividade contemporânea do rolar a tela do celular

O Tik Tok passa a predominar e compor o mundo intrapsíquico do ser humano. E tal composição atinge milhões de pessoas, como uma espécie de hipnose pandêmica.

A dolorosa volta para casa

Após 20 ou mais dias, vítimas da enchente no RS começam a retornar aos seus lares para limpeza e reconstrução