Pastor Ernani Martinho Zimmer

“Lembrem-se dos seus líderes, os quais pregaram a palavra de Deus a vocês [...] honrem sempre os que são como ele.” (Hb 13.7; Fp 2.29)

Eu faço parte de uma grande família. Nós éramos 5 homens e 5 mulheres. Dois irmãos e uma irmã já faleceram. Meus pais são o professor Albano Zimmer e Hilda Zimmer, ambos já falecidos.

Eu nasci em 02/11/1941, em Linha Quinze de Novembro, município de Santa Rosa, RS. Fui batizado em 16/11/1941, na Congregação São Mateus, de Linha Quinze de Novembro. Minha confirmação foi em 03/04/1955, na Congregação São João, de Santa Rosa.

Aos 12 anos de idade, fiz o exame de admissão no Ginásio Concórdia de Santa Rosa, onde fiz o curso ginasial. Em 1958, fui a Porto Alegre, RS, entrei no Seminário Concórdia. Primeiro fiz o curso colegial, e depois, o curso de Teologia.

Meu estágio foi na Paróquia São Marcos, de Padre Francisco, município de São Gabriel da Palha, ES, hoje município de Vila Valério, de 1963 até janeiro de 1964. Meu meio de transporte foram duas mulas; uma era a Branquinha, que está em foto anexa, e, mais tarde, no final do ano, a Paróquia comprou uma moto.

Minha formatura de Teologia foi em 29/11/1964. Minha ordenação e instalação foram no dia 24/02/1965, em Vargem Alegre, Barra de São Francisco, ES, com a presença do presidente da IELB, dr. Arnaldo João Schmidt, e o pastor Davi J. Flor, conselheiro distrital.

Eu me casei com Marcélia Schneider, nascida em 16/01/1945, filha de Floriano Eduardo Schneider e Otília Bertha Schneider, ambos falecidos. Nosso casamento aconteceu em 25/04/1965, em Baixo Guandu, ES. Ela foi professora com o Curso Normal. Nós tivemos quatro filhos: Lothar, Haidi, Freddy e Joyce. Minha esposa faleceu em 14/04/2014, por causa de um câncer.

A primeira Paróquia em que trabalhei foi a Paróquia Paz, de Vargem Alegre, Barra de São Francisco, ES, de fevereiro de 1965 até maio de 1969. Meus meios de transporte aqui foram uma bicicleta, um cavalo, conforme foto em anexo, e depois a Paróquia comprou uma charrete; então pude levar junto a minha esposa para as congregações. Mais no fim do trabalho, a Paróquia comprou um Fusca.

Em Vargem Alegre, aconteceu um fato inesperado. Passei por cirurgia de apendicite e o médico me aconselhou a não andar a cavalo e nem andar de charrete por um bom tempo. Certo dia, chegou um membro da igreja e me disse que a sua filha estava doente; era pra eu ir à casa dele e fazer uma “benzeção” para curar a sua filha. Respondi que eu não podia ir lá por causa da minha cirurgia; que eu ia mandar um leigo à casa dele e fazer uma oração por sua filha. Ele ficou satisfeito e foi para casa.

Meu segundo lugar de trabalho foi de junho de 1969 até abril de 1975, na Paróquia São José Pequeno, hoje Paróquia Concórdia, Pancas, ES. Minha condução era um jipe. Durante meu trabalho, a Paróquia vendeu o terreno de São José Pequeno e comprou dois lotes em Pancas, onde construiu uma casa pastoral. Então mudamos para Pancas e moramos numa casa alugada até a casa pastoral ficar pronta.

Meu terceiro lugar de trabalho foi de maio de 1975 até junho de 1977, na Paróquia Santíssima Trindade, Joaçaba, SC, onde também fui diretor da escola da comunidade. Minha condução era um Fusca. Nosso filho Freddy tinha 1 ano e meio e ficou muito doente, devido ao clima muito frio no inverno e muito calor no verão. O médico pediatra nos recomendou a voltar para o ES, onde não fazia tanto frio. Não demorou muito e recebi o chamado para Vila Pavão. Logo aceitamos o chamado.

Meu quarto e último lugar onde trabalhei foi de julho de 1977 até janeiro de 2006, na Paróquia Cristo, de Vila Pavão, hoje Paróquia Missouri. Minhas conduções foram um Fusca e, mais tarde, um Gol. Nesta Paróquia, eu tive a ajuda de seis estagiários: Alfredo Bischoff, Adolfo Neumann, Norberto Krüger, Antonio Silva, Wallace Uhylig da Silva e Valdomiro Hartwig.

Eu falo, leio, escrevo e prego em alemão. Eu leio em inglês. Os cargos que ocupei na IELB foram: 1º e 2ºsecretário do Conselho Distrital do extinto Distrito Espírito Santo/Minas Gerais; conselheiro distrital do DIESNORTE, de 1978 até 1982; secretário distrital de Mordomia no DIMOCA, de 1976 até 05/1977; conselheiro distrital do DIESNORTE, de 1982 a 1985; conselheiro distrital do DIESNORTE de 1998 até 2001.

Me tornei pastor emérito em 17/01/2006 e me aposentei. Estou morando em Vila Pavão, ES, em casa própria, com a filha Haidi e seu marido.

Depoimento da filha Haidi

Sou Haidi Zimmer Pereira, filha do pastor Ernani Martinho Zimmer e de Marcélia Schneider Zimmer. Sou a segunda dos quatro filhos do casal. Sou casada com Jorge Pereira e temos uma filha, Stela e um genro, Davi.

Eu teria muito a relatar sobre a experiência de ser filha de pastor. Mas hoje vou contar sobre a fase que eu me lembro com saudades. Aos nove anos de idade eu aprendi a tocar violão. Fui aprendendo os hinos do cancioneiro Louvai ao Senhor.

Aos fins de semana, eu acompanhava meu pai nos cultos das comunidades filiais para abrir as porteiras, revezava com meus irmãos. Então levava meu violão para acompanhar os hinos durante o culto. Meu pai, durante a semana, passava os hinos para eu treinar no violão. Tocava a semana toda. Os dedos doíam, mas como eu gostava!

Desta forma fui aprendendo sempre mais, e, por fim, eu tocava até os hinos do Hinário Luterano.

Outra atividade da igreja que eu realizava com minha mãe eram os programas de Natal. Ensaiávamos em todas as comunidades. Íamos de Fusca. Eu, meu violão e minha amada mãe, que sempre com alegria e prontidão trabalhava para o Reino de Deus.

Foram dias inesquecíveis. Dias de muito aprendizado e de muita importância na minha vida. Me sentia feliz tocando violão na igreja, depois como professora de Escola Dominical, entre outras atividades que realizei.

Só tenho a agradecer! Obrigada, Deus, por todas as bênçãos em minha vida. (Haidi Zimmer Pereira)

*Preparado com a colaboração do filho Freddy, do irmão Rudi (algumas fotos) e da Secretaria da IELB.

Pastor Ernani Martinho Zimmer

Nascimento: 02/11/1941, em Linha Quinze de Novembro, Santa Rosa, RS

Filho de Albano Zimmer e de Hilda Zimmer

Formatura: 29/11/1964

Ordenação: 24/02/1965, em Vargem Alegre, Barra de São Francisco, ES

Casamento:25/04/1965

Esposa: Marcélia Schneider Zimmer, nascida em 16/01/1945

Filha de Floriano Eduardo Schneider e de Otília Bertha Schneider

Faleceu em 14/04/2014

Filhos: Lothar, Haidi, Freddy e Joyce

Locais que serviu:

São Gabriel da Palha, ES – Cristo – Boa Vista (Estágio – 1963)

Barra de São Francisco, ES – Paz – Vargem Alegre (1965-1969)

Pancas, ES – Concórdia (1969-1975)

Joaçaba, SC – Santíssima Trindade (1975-1977)

Vila Pavão, ES – Missouri (1977-2006)

Emérito desde 17 de janeiro de 2006

Mora em Vila Pavão, ES

Acesse aqui a versão impressa.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó

Veja também

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó

A subjetividade contemporânea do rolar a tela do celular

O Tik Tok passa a predominar e compor o mundo intrapsíquico do ser humano. E tal composição atinge milhões de pessoas, como uma espécie de hipnose pandêmica.

A dolorosa volta para casa

Após 20 ou mais dias, vítimas da enchente no RS começam a retornar aos seus lares para limpeza e reconstrução