“Viu que tudo era bom e descansou”

Foge ao costume das reflexões sobre finados o texto de Gênesis 2.3,4. Eu mesmo, quando pastor, costumava utilizar os textos que lindamente falam diretamente da ressurreição dos mortos e da vida eterna. Entretanto, reflexões muito interessantes que o Rev. Thomas Egger, diretor do Concordia Seminary, de Saint Louis, Missouri, USA, trouxe a nós, alunos do mestrado do nosso Seminário Concórdia, em São Leopoldo, me fizeram refletir de uma outra forma, também muito consoladora, a respeito de um momento tão difícil da existência humana: a morte.

Em Gênesis capítulo 2, versículos 3 e 4, lemos que “no sétimo dia, Deus já havia terminado a obra que determinara; nesse dia descansou de todo o trabalho que havia realizado. Então abençoou Deus o sétimo dia e o santificou, porquanto nele descansou depois de toda a obra que empreendera na criação”. Assim como no Éden Deus “causou”, fez o ser humano descansar mesmo antes da queda, portanto, uma coisa perfeita e santa, assim também ele nos faz descansar quando nos chama dessa vida para o descanso, para aguardar o dia da ressurreição.

Como disse, parece estranho utilizar, em um funeral, um texto como o de Gênesis citado, ainda mais que Moisés nos relata o contexto do relato da criação dos céus e da terra. Mas acredito que nada é tão oportuno em um momento desses, de dor e despedida, como falar no descanso. Moisés nos conta que Deus descansou logo após trabalhar por seis dias e ver que tudo era bom. Abençoou o descanso e o tornou santo.

João, o apóstolo, quando deu uma “espiada” no novo céu e na nova terra, recebeu a ordem para escrever: “Então ouvi uma voz do céu, dizendo: — Escreva: ‘Bem-aventurados os mortos que, desde agora, morrem no Senhor.’ — Sim — diz o Espírito —, para que descansem das suas fadigas, pois as suas obras os acompanham” (Ap 14.13). Descansar é uma bem-aventurança, é uma coisa boa.

Claro que, para nós, que ficamos ainda trabalhando e nos cansando com o corre-corre da vida, é doloroso o momento de se despedir de alguém que amamos, que conviveu conosco, que até há pouco tempo convivia conosco.

O cristão, quando morre, entra no descanso que Deus provê àqueles que cumprem a carreira e guardam a fé, como disse o apóstolo Paulo. Assim como Deus descansou após os dias da criação, assim o cristão descansa após a sua principal boa obra, que é crer em Cristo. Crer é dom de Deus, a fé é criação em nós pela água e pelo Espírito Santo. Abraão creu e isso lhe foi imputado por justiça, diz o autor aos Hebreus. Aquele que crê tem a fé imputada por justiça e por isso adentra, no momento da morte, no descanso das fadigas, como disse a voz do céu a João no Apocalipse.

O descanso que Deus provê após a morte remete-nos à rotina à qual o cristão sempre esteve habituado: descansar na presença de Deus. No culto, o cristão descansa aos pés de Jesus, que o serve com os “pastos verdejantes” do evangelho, e que é dado ao crente na santa ceia que “refrigera a alma”. Todos quantos descansam no Senhor já nesta vida, ao sétimo dia, isto é, vão aos cultos, têm contato com a Palavra de Deus, oram, meditam nas coisas lá do alto, tomam a santa ceia, estão sempre tendo descanso e alívio no Senhor. Jesus mesmo disse e ainda mantém: “Venham a mim todos os que estão cansados e sobrecarregados e eu os aliviarei”. Alívio e descanso em Jesus. Assim como na Terra Prometida, após a fuga da escravidão egípcia, Deus daria descanso a seu povo de seus inimigos, assim também Deus, quando morremos, nos dá descanso de nossos inimigos, isso é, da carne, do mundo e do diabo. O próprio Cristo descansou no dia seguinte a seu sacrifício cruel na cruz, cumprindo, assim, o descanso abençoado que Deus criou para seu povo. Cristo, por seu descanso na tumba, santificou a tumba daqueles que morrem na fé. Aos olhos humanos, um corpo em decomposição. Aos olhos da fé, um descanso abençoado – está dormindo no Senhor.

Jesus disse: “Vinde, benditos de meu Pai, para o descanso”. Benditos os que morreram no Senhor, porque irão descansar dos seus trabalhos, e suas obras os seguirão. A Bíblia descreve o descanso na tumba não como o último.

Mas o último descanso será quando formos ressuscitados no último dia, e o “descanso” encontrará seu último cumprimento: o fim do descanso e, agora, um “sábado eterno”, um trabalho enorme a ser feito (como no Éden antes da queda). Os santos de Deus o servirão dia e noite. Mas, para os condenados, Apocalipse diz que eles não terão descanso nem de dia nem de noite, um eterno “não-descansar”; existência eterna, mas sem descanso em Deus, ainda que essa não seja essa a vontade dele para o ser humano.

Ao final do descanso, chegará o dia da ressurreição. O corpo que semeamos com lágrimas e tristeza na sepultura, será ressuscitado por Jesus Cristo no último dia, em grande alegria e glória. Seremos os mesmos que fomos neste mundo! Mas num corpo glorioso e perfeito, sem choro nem pranto nem dor. As primeiras coisas terão passado.

O apóstolo Paulo diz: “Se vivemos, para o Senhor vivemos. Se morremos, para o Senhor morremos. Quer vivamos, quer morramos, somos do Senhor”. Desde o batismo, somos do Senhor. Que a certeza de que somos filhos de Deus pelo batismo, pertencemos a ele e, por isso, temos a certeza da sua bondade e misericórdia nos acompanhando a cada novo dia, nos faça seguir firmes na fé em Cristo, até o dia em que nós também receberemos o descanso. Sim, chegará o nosso dia de desfrutar desse descanso no Senhor. Esse descanso será santo, perfeito e bom. Afinal, foi criado pelo Senhor. Amém.

Tiago José Albrecht

Radialista e Teólogo

Porto Alegre, RS

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Veja também

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Cheiro de salvação

O texto de 2 Coríntios 2.14 diz assim: “Como um perfume que se espalha por todos os lugares, somos usados por Deus para que Cristo seja conhecido por todas as pessoas”.

Quem está nas trincheiras ao seu lado?

Quando a gente casa, traz uma bagagem para a vida a dois. Nessa bagagem, estão os valores aprendidos em casa, as experiências de relacionamentos anteriores, nossa profissão talvez, sonhos e desejos.