Você atingiu a métrica limite de leitura de artigos

Já sou assinante!

Afinal, pornografia é ou não é um problema?

A sexualidade não é um tema muito abordado nas comunidades cristãs. Mesmo sabendo que é uma bênção de Deus, o desconforto em falar sobre esse tema impossibilita que, como cristãos, possamos entender e diferenciar os comportamentos sexuais saudáveis dos disfuncionais.

Luise Lüdke Dolny
Psicóloga
Florianópolis, SC
[email protected]

       A sexualidade não é um tema muito abordado nas comunidades cristãs. Mesmo sabendo que é uma bênção de Deus, o desconforto em falar sobre esse tema impossibilita que, como cristãos, possamos entender e diferenciar os comportamentos sexuais saudáveis dos disfuncionais.

      Um desses comportamentos disfuncionais é o consumo de pornografia.

Como cristãos, sabemos que a pornografia é pecado. Veja o que a Bíblia diz: “Vocês ouviram o que foi dito: ‘Não cometa adultério’. Mas eu lhes digo: quem olhar para uma mulher e desejar possuí-la já cometeu adultério no seu coração’” (Mt 5.27).

       Porém, o fato de sermos cristãos não nos livra desse perigo. No Brasil, estima-se que 2 em cada 3 cristãos acessam pornografia pelo menos uma vez por mês. Dentre os “evangélicos”, 57,38% admitem acessar conteúdo pornográfico pelo menos uma vez por mês, enquanto 72,73% dos católicos admitem acessar (Dolny, 2017).

      Apesar dos esforços da indústria pornográfica em pregar que a pornografia não é um problema, a psicologia e demais ciências da saúde têm apontado uma outra direção. A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou, em 2022, a atualização da Classificação Internacional de Doenças (CID-11), onde reconhece o diagnóstico de “Transtorno de Comportamento Sexual Compulsivo” descrevendo que este pode ser expresso em uma variedade de comportamentos, incluindo masturbação, uso de pornografia, cibersexo e outras formas de comportamento sexual intenso e repetitivo que tragam prejuízo à saúde.

      A pornografia atua de maneira semelhante ao alcoolismo, jogos, drogas, etc., em nosso cérebro, desregulando o sistema dopaminérgico de recompensa. A cada vez que se consome pornografia, a dopamina é liberada, fazendo com que o cérebro entenda que aquilo é algo bom. Porém, quanto maior é o consumo, mais o cérebro se acostuma com isso e a necessidade de mais e mais liberação de dopamina leva ao comportamento repetitivo e cada vez mais intenso, gerando uma escalada de comportamentos prejudiciais e sofrimento (aumenta o nível de violência, pornografia infantil, etc.).

      Dessa forma, as coisas boas e prazerosas da vida como contemplar a natureza e praticar esportes ficam cada vez menos interessantes, levando ao isolamento, prejuízos à vida social, familiar, conjugal, profissional, espiritual, normalização da traição e da violência, objetificação da mulher, além de gerar disfunção erétil e trazer expectativas distorcidas para o sexo. A vida perde a cor, e isso é muito sério!

       Cada vez mais cristãos sofrem sozinhos, mergulhados em culpa quando percebem que estão viciados em pornografia. Esse é um tema que precisa ser descortinado nas igrejas. As congregações podem apoiar essas pessoas, fazer campanhas sobre os males da pornografia, promover orientação aos pais e às crianças sobre como se protegerem (porque a pornografia entra na vida das pessoas cada vez mais cedo!), incentivar o tratamento psicológico, ou seja, trazer uma mensagem de cuidado, perdão e cura para essas pessoas.

      Se você está vivendo essa terrível realidade, busque ajuda profissional. Há tratamento e maneiras de viver a vida que Deus planejou para você. Jesus disse: “Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu darei descanso a vocês” (Mt 11.28).

      Como você e sua congregação têm trabalhado e estudado sobre este assunto?

Referências

DOLNY, Miguel. Hábitos no consumo de pornografia. Hora Luterana, São Paulo: 2017.

World Health Organization. ICD-11 for mortality and morbidity statistics. Geneva: WHO; 2022. Available from: https://icd.who.int/browse11/l-m/en. Versão em português: https://icd.who.int/browse/2024-01/mms/pt

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Veja também

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Enchente no RS provoca mudanças no Simpósio de Missão

Programação do Seminário Concórdia será reduzida e online. Inscrições podem ser feitas até o dia 21 de junho

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase