Você atingiu a métrica limite de leitura de artigos

Já sou assinante!

As muitas costuras do “bem comum”

Jesus enfatizou o amor ao próximo, a compaixão, a justiça e a solidariedade como princípios fundamentais. O bem comum, à luz do cristianismo, envolve o cuidado com os menos favorecidos, a busca da justiça social e o respeito pelos direitos humanos.

Dr. Jean Regina
@jeanregina

Dr.  Thiago Vieira 
@tr_vieira

O conceito de “bem comum” desempenha um papel crucial na teoria política e moral e é profundamente conectado a valores religiosos, como os do cristianismo. O bem comum se refere aos interesses e benefícios compartilhados por todos os membros de uma sociedade, onde todos se beneficiam das diversas “buscas individuais” pelo bem, e todos se esforçam para que cada um desfrute da boa vida. Pelo menos essa é a ideia no papel – e aqui temos de fazer algumas concessões ao falarmos em tese, em chaves mais filosóficas do que teológicas. Essa noção tem raízes históricas na filosofia aristotélica e no pensamento teológico cristão.

No contexto do cristianismo, a construção histórica do conceito de bem comum está intrinsecamente ligada aos ensinamentos de Jesus Cristo e à moral cristã (lembrando que a “moralidade” é um dos elementos da religião, junto com a divindade e o culto). Jesus enfatizou o amor ao próximo, a compaixão, a justiça e a solidariedade como princípios fundamentais. O bem comum, à luz do cristianismo, envolve o cuidado com os menos favorecidos, a busca da justiça social e o respeito pelos direitos humanos. Os valores cristãos forneceram uma base moral para a promoção do bem comum ao longo da história.

No entanto, a relação entre o bem comum e os valores cristãos não se limita apenas à ética individual. Também está presente nas instituições e políticas sociais. Na Constituição Federal do Brasil, de 1988, por exemplo, o termo “interesse público” é central. Esse interesse público, como expresso na Constituição, é um reflexo do bem comum. As leis e políticas públicas devem ser orientadas pelo interesse público, garantindo igualdade, justiça e dignidade para todos os cidadãos.

A tarefa de atingir o bem comum é compartilhada tanto pelo Estado quanto pela igreja, cada um desempenhando seu papel distintivo. O Estado tem a responsabilidade de fornecer justiça, segurança e meios para a busca da felicidade de cada indivíduo. Isso inclui a proteção dos direitos individuais, a promoção da igualdade e o estabelecimento de instituições que garantam o funcionamento ordenado da sociedade. Através de políticas públicas e da aplicação da lei, o Estado trabalha para criar um ambiente em que o bem comum possa ser alcançado.

Por outro lado, a igreja, em sua missão religiosa, desempenha um papel fundamental na preparação das pessoas para a vida eterna, enquanto estão aqui na terra. Ela promove valores morais, fornece apoio espiritual e incentiva a solidariedade e a compaixão. Através de ações caritativas e sociais, a igreja contribui para o desenvolvimento do bem comum, inspirada nos princípios do cristianismo.

A laicidade colaborativa (art. 19, I, da Constituição de 1988) é o encontro amistoso de duas ordens – a secular e a espiritual – na promoção do bem comum. Ela reconhece a distinção entre igreja e Estado, respeitando a liberdade religiosa e a garantia de liberdade sem sua interferência em questões religiosas. No entanto, essa laicidade também incentiva a cooperação construtiva entre ambas as esferas, especialmente nos países de tradição ibérica (além de Itália e Alemanha) para abordar questões sociais, éticas e morais. O Estado pode trabalhar em parceria com instituições religiosas para abordar desafios sociais, contribuindo para o bem comum.

O bem comum é como uma trama de muitas costuras, às vezes até paradoxais, mas onde houver respeito às leis e equilíbrio entre interesses, aí também haverá democracia aprimorada, liberdade exercida e o bem geral garantido.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Veja também

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Enchente no RS provoca mudanças no Simpósio de Missão

Programação do Seminário Concórdia será reduzida e online. Inscrições podem ser feitas até o dia 21 de junho

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase