Você atingiu a métrica limite de leitura de artigos

Já sou assinante!

Casamento, uma bênção de Deus

Os desafios contemporâneos à luz da narrativa bíblica da criação e das palavras de Jesus sobre o casamento

Ervino Martim Spitzer
Pastor conselheiro da LLLB
[email protected]

          A narrativa bíblica da criação, encontrada no livro de Gênesis, descreve a formação do homem a partir do pó da terra, e da mulher, a partir da costela do homem. Esta história estabelece as bases da compreensão religiosa cristã sobre a origem da humanidade. Ao lado dessa narrativa criadora, encontramos as palavras de Jesus registradas em Marcos 10.9, enfatizando a sacralidade e indissolubilidade do casamento. Esta reflexão busca explorar as interconexões entre a criação original e os ensinamentos de Jesus, oferecendo uma visão cristã e teológica do casamento e seus desafios em um contexto contemporâneo.

          O texto de Gênesis estabelece os alicerces da fé, descrevendo a criação do homem e da mulher. O texto bíblico por trás dessa criação inicial serve como um ponto de partida para compreender a visão teológica sobre a origem da humanidade.

         Esta criação dual, homem e mulher, no entanto, sugere uma parceria igualitária desde o início, com funções, aptidões e dons específicos a cada um! Explorar essas palavras de Deus revela não apenas a origem, mas também a essência espiritual da humanidade.

         O homem, formado do pó da terra, e a mulher, originada da costela do homem, trazem uma conexão intrínseca e uma interdependência fundamental. A imagem da mulher nascendo da costela de Adão mostra esta unidade na ordem de criação. A costela, um osso próximo ao coração, evoca não apenas um ato de formação, mas também destaca a igualdade essencial entre homem e mulher. A narrativa aponta para uma parceria íntima e justa, contrariando interpretações que buscam fundamentar hierarquias de gênero.

         As palavras de Jesus em Marcos 10.9 conferem ao casamento uma dimensão sagrada. A expressão, “o que Deus ajuntou, não o separe o homem”, ressalta a solidez e a intencionalidade divina por trás da união matrimonial. Esta afirmação vai além da legalidade, apontando para a profundidade espiritual da relação conjugal e para a importância da fidelidade e do comprometimento.

         Assim, deparamo-nos com um desafio contemporâneo. Em um mundo onde as taxas de divórcio são significativas, as afirmações de Jesus nos levam a refletir sobre como as suas palavras e a compreensão da criação podem influenciar as visões contemporâneas sobre o casamento; isso, por sua vez, ecoa como um chamado à resiliência e nos convida a explorar como a espiritualidade, segundo a Palavra de Deus, pode conferir significado e força à instituição matrimonial, tornando-se imperativo para enfrentar as complexidades modernas e seus desafios.

        Refletindo sobre a compreensão da criação e as palavras de Jesus, surge a necessidade de considerar como esses ensinamentos podem moldar as visões contemporâneas sobre o casamento. Ao unir esses elementos, somos convidados a contemplar não apenas a origem da humanidade, mas também a essência sagrada e indissolúvel do comprometimento matrimonial, em um mundo em constante mudança. As análises desses conceitos podem iluminar desafios éticos e oferecer orientação para questões relacionadas ao casamento na sociedade moderna.

Acesse aqui a versão impressa.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Veja também

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Livres para servir: o papel da religião na promoção do bem comum

A realização dos ideais religiosos depende da preservação da liberdade religiosa – o direito fundamental de praticar, expressar e manifestar suas crenças sem discriminação ou perseguição. Defender a liberdade religiosa não é apenas uma obrigação legal, mas um imperativo moral que garante o florescimento de diversas comunidades religiosas e promove um ambiente propício ao diálogo e à cooperação

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó