Novos membros em Marcelino Ramos, RS

Ao todo, oito pessoas confessaram sua fé publicamente nas congregações Imanuel e Concórdia

Nos dias 14 de janeiro e 25 de fevereiro, a Paróquia Imanuel, de Marcelino Ramos, RS, realizou dois cultos especiais: nas congregações Imanuel e Concórdia. Ao todo, oito pessoas confessaram sua fé publicamente, após terminarem os encontros de Profissão de Fé, ministradas pelo pastor Tiago João Borges.

Conheça os novos membros:

Mércia Guedes Costa (Congregação Concórdia)

Rosemere Fernandes (Congregação Concórdia)

Rosane Catia Caminski (Congregação Concórdia)

Valdecir Rzezniek (Congregação Concórdia)

Marisa Boiane (Missão em linha Duas)

Ana vitória Gauer Sander (Congregação Imanuel)

Alessandra Germana Kalb (Congregação Imanuel)

Joice Borges da Silva (Congregação Imanuel)

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Veja também

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Livres para servir: o papel da religião na promoção do bem comum

A realização dos ideais religiosos depende da preservação da liberdade religiosa – o direito fundamental de praticar, expressar e manifestar suas crenças sem discriminação ou perseguição. Defender a liberdade religiosa não é apenas uma obrigação legal, mas um imperativo moral que garante o florescimento de diversas comunidades religiosas e promove um ambiente propício ao diálogo e à cooperação

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó