Amparo no viver e consolo no morrer

Uma das características do Hinário Luterano é que na sua composição constam hinos que não são de origem luterana. Um exemplo disso é o hino 276, “Rocha eterna”. Desde o início, a IELB adotou hinos de outras igrejas cristãs. Isso sempre foi um jeito de reconhecer e valorizar os dons poético-musicais de cristãos de outras igrejas. Este é um dos hinos mais cantados em todo o mundo.

A letra é de Augustus Montague Toplady. Ele nasceu na Inglaterra em novembro de 1740. Desde os 14 anos escrevia poemas. Aos 22, foi ordenado sacerdote anglicano, porém suas convicções teológicas eram calvinistas. Por causa de sérios problemas de saúde, viveu apenas 38 anos. Faleceu em 1778, vítima de tuberculose. Dois anos antes da sua morte e enquanto lutava contra a doença, escreveu este hino, que se tornaria um dos mais queridos e famosos hinos da história da igreja cristã.

Há uma tradição que diz que o Rev. Toplady escreveu este hino após uma viagem em que uma tempestade o teria obrigado a se proteger em uma fenda de uma rocha. Porém não há fontes que comprovem essa tradição. Mas a versão original inglesa parece dizer que uma cena assim tenha inspirado o autor: Rock of Ages, cleft for me,/let me hide myself in Thee. (Rocha dos tempos/eras, aberta para mim, deixe-me abrigar em ti). Como o hino se tornou mundialmente conhecido, o local do suposto abrigo é ponto de turismo. Ele está localizado em Burrington Combe, em Somerset, que fica no sul da Inglaterra.

Mesmo que esta tradição nunca seja confirmada, é certo que Toplady conheceu imponentes rochas, que lhe deram inspiração. Mas, acima disso, ele conhecia textos bíblicos que falavam de Deus como a rocha (Sl 62.2; 7; Sl 71.3; Sl 78.20; Sl 89, 26; Sl 92.15).

“Rocha eterna” já fazia parte do primeiro hinário da IELB, Hymnos e Orações. Este hinário foi o embrião do Hinário Luterano, cujo centenário comemoramos em setembro deste ano. Há um século, a IELB soma-se a milhares de cristãos do mundo que encontram consolo neste hino.

Nas edições seguintes do Hinário Luterano foi introduzida uma tradução de Martinho Luthero Hasse. A melodia é de Thomas Hastings (1784-1872), um compositor americano, que compunha músicas principalmente para hinos.

“Rocha eterna” é um hino fundamentado na graça de Deus, pois a rocha é sempre refúgio protetor, é amparo no viver, é consolo no morrer. A lei de Deus, que nunca teríamos como cumprir, foi cumprida por “meu Senhor… na infamante cruz”.

A vida curta de Toplady o impediu de realizar grandes obras. Porém, através do seu hino, Deus continua realizando a obra da consolação para milhões de pessoas.

Fontes de consulta
Karnopp, David. Música e Igreja: aspectos relevantes da música sacra na história do povo de Deus. Passo Fundo: Pe. Bertier, 1999.

Biografia de Augustus Toplady. Tradução de Marcell de Oliveira. Abr/2018. Disponível em: <http://www.protestantismo.com.br/biografias/augustus_toplady.htm>. Acesso em: 15 set.2020.

276 Rocha eterna, meu Senhor

1. Rocha eterna, meu Senhor,

és refúgio protetor.

Água e sangue o lado teu

na infamante cruz verteu.

Vem, ó Cristo, me lavar

do pecado e me salvar.1

2. Eu de mim não cumprirei

nunca, ó Deus, a tua Lei;

por mais zelo que tiver,

por mais pranto que verter,

nada poderei pagar;

tu, só tu, me vens salvar.

3. Nada trago, ó meu Jesus;

só recorro à tua cruz.

Nu, me venho em ti vestir,

só a graça te pedir.

Corro, imundo, ao manancial;

lava, oh! Livra-me do mal!

4. És amparo no viver,

és consolo no morrer,

esperança no porvir:

tu vieste me remir.

Rocha eterna, a me salvar,

hei de em ti me refugiar!

Rock of ages, cleft for me
Letra: Augustus M. Toplady, 1776; trad.
Martinho Luthero Hasse, 1919-2004, alt.
Música: Thomas Hastings, 1830; arr. Lutheran Worship, 1982

Letra e música: Domínio público. Tradução: © Copyright da Igreja Evangélica Luterana do Brasil (admin. Editora Concórdia), 1986

(TOPLADY – 77 77 77)

¹
(1Co 10.4)

David Karnopp

Pastor em Vacaria, RS

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril