Cenoura, brócolis e a defesa da vida

Você sabia que os bebês, ainda no ventre da mãe, já reagem de formas diferentes aos sabores e aromas aos quais são expostos? Essa é a descoberta de um grupo de cientistas da Universidade de Durham, no Reino Unido, e da Universidade de Borgonha, na França.

Com o auxílio de exames de ultrassom 4D, os pesquisadores puderam observar a reação dos bebês diante dos diferentes tipos de alimentos que a mãe ingeria. Quando a mãe comia cenoura, por exemplo, a maioria dos fetos sorria. Enquanto que, quando o alimento da mãe era brócolis, os bebezinhos faziam cara de choro. Bem, aí já temos uma explicação científica para a inimizade entre as crianças e os brócolis na hora das refeições!

Percebam a doçura e o espetáculo dessa pesquisa! No ventre de uma mãe há uma vida que tem gostos, sentimentos e que interage com o pequeno mundo que está ao seu redor. Tal como João Batista, quando ainda no ventre de sua mãe, Isabel, interagiu alegremente com a visita de Maria, que àquelas alturas, já carregava o Salvador Jesus em seu ventre.

Notem como a Palavra de Deus fala a respeito do início da vida, conforme as palavras do salmo 139: “Graças te dou, visto que por modo assombrosamente maravilhoso me formaste; as tuas obras são admiráveis, e a minha alma o sabe muito bem; os meus ossos não te foram encobertos, quando no oculto fui formado e entretecido como nas profundezas da terra. Os teus olhos me viram a substância ainda informe”.

Na gestação, há vida. Formada por Deus. Como eu fui e você foi. E esta verdade precisa ser proclamada abertamente. Mesmo que em nosso país o aborto provocado seja crime (a não ser em situações bem específicas), a busca pelo aborto clandestino é uma das maiores causas de morte maternal no Brasil.

Aborto não é sinônimo da escolha pela liberdade e por eventuais direitos de escolha. Aborto é sinônimo de morte. Agrade ou não às ideologias que fervilham na sociedade.

A Igreja Evangélica Luterana do Brasil tem um posicionamento muito claro sobre este assunto, erguendo a bandeira da vida. Mesmo diante da complexidade de cada história em que se cogita um aborto, precisamos erguer a bandeira da vida.

Aliás, já pensou se nossos pais tivessem optado pelo fim da nossa gestação?

Neste cenário complexo e de opiniões mil, preciso apontar para Jesus. A partir da fé nele, como Salvador, a vida é interpretada – bem como assuntos que dividem a sociedade. Mas aponto para Jesus e mostro o seu perdão. Também para mães e pais que carregam, pelo resto da vida, a sombra de um aborto provocado.

“Não matarás”, diz o SENHOR. Em Jesus está o perdão por ter se colocado no lugar de Deus e escolhido até quando iria uma gestação. Somente no perdão de Jesus a sombra de um aborto pode ser dissipada.

Então fica a dica: gestação é vida. Que precisa ser preservada. É vida amada por Deus. Redimida por Cristo. E que tem lá suas diferenças com o brócolis. Mas que sorri abertamente quando uma cenoura é ingerida pela sua mamãe.

Bruno Serves

Pastor em Candelária, RS

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril