O agricultor

Um fato curioso é a valorização do agricultor de tempos em tempos. Ela acontece em períodos de secas e inundações, guerras e pestes, incêndios e geadas, quando a agricultura é diretamente atingida. Os resultados destes fenômenos são a escassez dos produtos comestíveis. Então se lembra que agricultor é uma profissão essencial. Essencial é o indispensável! “Da agricultura, todo Estado depende.” (A. Clarke).

A função do agricultor é guardar e cultivar a terra, conforme Gênesis 2.15. A Bíblia de Estudo da Reforma comenta este texto: “O homem é colocado no jardim para cultivá-lo como mordomo de Deus e gerente da criação”. O homem recebeu um importante trabalho: produzir para ele e para os outros. Está aí a vocação original do agricultor.

A humanidade descobriu que não é possível viver apenas da exploração da natureza. Há limites. A produção de alimentos, em tempos modernos, foi desenvolvida através da agricultura com a ajuda da tecnologia. Aumentou a demanda por alimentos com o êxodo rural e o processo de urbanização. Aumenta a população mundial a cada ano. Aumenta também a fome.

Aumenta a responsabilidade dos agricultores: a função ética do cuidado! O uso indiscriminado de agrotóxicos não é investimento na vida. Lutero, em uma oração, escreveu: “Muitas desgraças são causadas pelo ar envenenado, e, em consequência, os frutos, o vinho e o cereal estão contaminados” (Agenda Pastoral, Concórdia, 2018). Jesus espera dos produtores rurais cristãos a coerência entre a fé cristã e a ética na produção de alimentos. É a ética da vida! O rei Uzias, de Judá, era amigo da agricultura (2Cr 26.10). O amigo da agricultura, no sentido mais amplo, é o produtor que se preocupa com a saúde do consumidor final.

A função social dos agricultores é defendida na Bíblia. Ela contém determinadas leis sociais radicais para ajudar os pobres e os necessitados (Lv 25.6-7). Rute, a moabita, ancestral de Jesus, foi respigar no campo de Boaz. Respigar é pegar os grãos, as frutas, até pequenos feixes de trigo, por exemplo, deixados propositalmente na lavoura pelos colhedores para os pobres, conforme (Dt 24.19-21). Os salmos lembram os pobres e as viúvas. “Socorrei o fraco e o necessitado” (Sl 82.4a; Sl 68.5; Sl 146.7,9). Os profetas lembram essa função social: “Porventura, não é também que repartas o teu pão com o faminto […]?” (Is 58.7).

Jesus lembra a famosa frase “… tive fome e me destes de comer…” (Mt 24.35a). A igreja primitiva organizou o serviço social inclusivo para atender os hebreus e as viúvas dos helenistas. Escolheu sete diáconos para servir as mesas. O apóstolo Paulo motivou os macedônios a ofertar para os pobres da Judéia, entre eles os famintos.

O dia 25 de julho é o Dia do Colono. Faz bem recordar a História do Brasil e da igreja. Os escravos africanos, os imigrantes europeus, os asiáticos, desbravaram o nosso país. A igreja luterana brasileira nasceu com os imigrantes alemães. Jesus conectou a matéria-prima da agricultura – o grão – com a sua missão. O grão de trigo semeado na terra morre para produzir muito fruto; assim, a morte e ressurreição de Jesus produziram uma colheita chamada igreja cristã (Jo 12.24). Nossa missão é semear o “Cristo para todos” com todas as suas implicações!

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Pastor é instalado em Sinop, MT

Mauro Scheibler irá atuar na Paróquia Emanuel

Veja também

Pastor é instalado em Sinop, MT

Mauro Scheibler irá atuar na Paróquia Emanuel

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Dores que fazem crescer

“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12).