Pedrinhas no Caminho

Certa vez perguntaram a um pregador itinerante o que mais o atrapalhou nas muitas viagens missionárias, e ele respondeu: “As pedrinhas nas sandálias”. Penso em como Jesus e os discípulos, também os apóstolos e outros pregadores, enfrentaram as pedrinhas nas sandálias naquelas primitivas estradas. Com certeza, algumas vezes sentaram-se à beira da estrada em alguma pedra maior ou recostaram-se numa árvore para tirar as pedrinhas das sandálias. Múltiplas jornadas com ferimentos nos pés, porém, jornadas vitoriosas. Lucas, o evangelista que também escreveu o livro de Atos dos Apóstolos, nos dá conta que “a igreja, na verdade, tinha paz por toda a Judéia, Galiléia e Samaria, edificando-se e caminhando no temor do Senhor, e, no conforto do Espírito Santo, crescia em número” (At 9.31).

Crescer e edificar-se no caminho e no temor do Senhor, mesmo com pedrinhas nas sandálias. Que caminho é esse e quais são as pedrinhas? A Bíblia nos fala de dois caminhos. Ela os chama de “caminho largo” e “caminho estreito” (Mt 7.13,14). O caminho largo quase não tem pedrinhas, é liso, asfaltado. Suas margens oferecem mil e uma atrações, sem problemas, tudo tem solução, prosperidade prometida, futuro promissor. “Descansa, come, bebe e regala-te” (Lc 12.19). Aqui cada um quer continuar ser “ele mesmo”, o que é impossível, pois “não se colhem figos de abrolhos” (Mt 7.16). É onde encontramos cegos guiando outros cegos (Mt 15.14). Caminho trilhado na autoconfiança, baseada no “eu posso”, “eu quero”.

O outro caminho é o assim chamado “estreito”. Não é liso, tem pedras e pedrinhas. Não oferece prazeres passageiros, nem tudo tem solução e o futuro é aparentemente sombrio. “Através de muitas tribulações, nos importa entrar no reino de Deus” (At 14.22). Por quê? Porque fui eu quem poluiu e ainda continuo poluindo aquele jardim. Fui eu mesmo quem espalhou as pedrinhas no caminho. Fui eu quem pecou e ainda peco. Mas, pela infinita graça e amor divinos, encontramos, às margens desse caminho estreito, advertências para evitar desvios, atalhos perigosos, desprezados por muitos, mas observados por alguns (Mt 22.14). É a Palavra de conforto e poder que nos diz que ele estará sempre conosco – todos os dias (Mt 28.20), mesmo com pedrinhas nas sandálias. “O Senhor é a minha rocha, a minha cidadela, o meu libertador; o meu Deus, o meu rochedo em quem me refugio” (Sl 18.2). Neste caminho, o “quanto menos eu”, maior a chance de uma jornada bem-sucedida. O “quanto menos eu” quer dizer: confiar naquele que me instruirá no caminho (Sl 25.12), aquele que por mim já trilhou caminhos amargos. Embora inocente, sofreu bofetadas, açoites, vergonha e crucificação por mim – Jesus Cristo, meu salvador. É a pedra angular que os falsos construtores rejeitaram, pois para eles era escândalo e loucura (Mt 21.42), porém salvação para o que crê, confia e vive o seu cristianismo, no exemplo dele.

Apesar das pedrinhas, pela fé em Jesus, somos “da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular; no qual todo edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Senhor.” (Ef 2.19-22)

“Sobre mim vieram tribulações e angústia, todavia, os teus mandamentos são o meu prazer. Eterna é a justiça dos teus testemunhos; dá-me a inteligência deles, e viverei” (Sl 119.143,144).

Guido Ruben Goerl
Pastor emérito da IELB
Porto Alegre, RS

*Texto publicado no Mensageiro Luterano de setembro de 2015.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril