Precisamos de boas notícias

O horizonte que se aproxima é incerto. Quanto à saúde, nos prevenimos com distanciamento social, máscaras, boa alimentação, banhos de sol para acumular vitamina D e muito álcool gel, água e sabão. Quanto à economia, já vemos demissões, crises e campanhas para cuidar dos que mais vão sofrer neste caos social. E quanto ao nosso Brasil do oito ou oitenta, quase tudo é levado para o ringue político, onde golpes de direita e de esquerda são desferidos, nocauteando qualquer um que se atreva a passar por perto.

Precisamos de boas notícias. E elas existem. Sim, mesmo cercados por uma nuvem de apreensões e incertezas, as boas notícias precisam ser colocadas em um poderoso holofote e, assim, acalentar nosso coração.

Além dos inúmeros casos de pessoas curadas e das que nem sequer desenvolveram sintomas, existem vários experimentos que estão colocando a Covid-19 contra a parede. Aqui no Brasil, enquanto acompanhamos os tratamentos com hidroxicloroquina, observamos com alegria a descoberta de um medicamento já existente no mercado e que tem uma eficácia de 94% contra o novo vírus. Ao redor do mundo existem inúmeras vacinas em estudos, mas chamo a atenção para os ingleses e os alemães, que já avançam para a testagem em humanos de suas vacinas contra o novo coronavírus. Na Austrália, um estudo em laboratório com o Ivermectina, medicamento contra pulgas e piolhos, demonstrou eliminar em 48h o novo vírus que fez o mundo parar. Boas notícias, não é mesmo?

Porém há uma boa notícia em especial que me chamou a atenção. Aqui no Brasil está em fase de teste a utilização do plasma sanguíneo no tratamento contra a Covid-19. O sangue de um paciente já curado é utilizado em um paciente infectado, dando a ele a imunidade que seu organismo não consegue produzir. Este processo chama-se de transferência passiva de imunidade. Sensacional!

Sabe, observando este tratamento com plasma sanguíneo logo me veio à mente outra maravilhosa notícia. É sobre alguém que oferece cura, perdão, restauração e vida sem fim através do seu sangue. No sangue dele há imunidade diante da culpa, castigo e inferno. Ele transfere tudo o que conquistou para aquele que nele crê. Você sabe de quem estou falando, não é mesmo?

Jesus. É ele quem nos dá seu precioso sangue e, assim, nos transfere a salvação conquistada por ele mesmo através de sua morte e ressurreição. Em nós habita o pecado, este é nosso DNA! Mesmo que nunca tenhamos sido presos por um crime hediondo, somos pecadores mesmo assim! Assim nascemos e assim iremos morrer. Em nossas veias escorre um sangue sujo, pecador. O coração bate no ritmo do pecado!E, por isso, precisamos do sangue que vem de fora, da imunidade que foi conquistada na morte e ressurreição do Filho de Deus. Em Jesus, somos perdoados.

Quando Cristo está em nós, há cura, salvação, vida sem fim. Isso é graça de Deus, presente de Deus injetado em nosso coração através do batismo, da Palavra e da santa ceia, onde em, com e sob o pão e o vinho estão verdadeiramente presentes o corpo e o sangue de Jesus.

No meio de tantas notícias boas da medicina e da ciência, eis aí a “boa nova de grande alegria”, como os anjos anunciaram o nascimento de Jesus aos pastores de Belém. “O sangue de Jesus, o seu Filho, nos limpa de todo pecado” (1Jo 1.7). E quando o sangue de Jesus está em nós, uma nova vida começa. Vida que vai além do horizonte que nossos olhos podem enxergar. É vida eterna e é de graça.

Bruno Krüger Serves

Pastor em Candelária, RS

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril