Quem nos socorre quando sofremos?

Em redes sociais circulam palavras neutras, mensagens endereçadas a todos, a ninguém em particular, convivemos com imagens, imagens para serem vistas e esquecidas. Onde encontrar ouvidos que nos escutem? A quem recorrer quando incertezas nos oprimem? Dificuldades nos deixam sem chão, sem teto, sem abrigo, sem amigo. Somos limitados, limitados são os que poderiam ajudar-nos.

Davi governou Israel num período de glória. Podemos considerá-lo realizado? Os salmos revelam um homem carente. Dificuldades? Nem ele sabe defini-las, declara-se rodeado por cães, por touros, por leões, por malfeitores. Nem todos os inimigos são exteriores, os interiores são os mais agressivos, Davi declara que os ossos se desconjuntam, o corpo se dissolve em água, o coração é de cera, a boca seca, a língua se imobiliza. Imagens da morte! Davi não pretende decifrar os mistérios do mundo, Davi é enigma para si mesmo, males corporais escondem sentimentos: dúvidas, insônia, angústia. Davi percebe-se cadavérico, morto. O corpo se imobiliza por falta de sentido. Davi sente Deus retirar-se de sua vida.

A angústia não é satisfeita por objetos; nascida em peitos ardentes, a angústia procura seres vivos, explicações para o desamparo. Lágrimas vertidas por olhos aflitos comovem, aproximam o sofredor de outros sofredores. A dor se renova como se renova a vida.

Em dificuldades políticas e bélicas, o rei sabe a quem recorrer, não lhe faltavam conselheiros nem resoluções para administrar o país, combatentes experimentados arregimentam braços para defender fronteiras. Para se recompor de abalos interiores, o monarca procura ouvidos que ouçam lamentos, gemidos.

As palavras que nos transmitem o salmo 22 são de um homem desamparado desde o momento em que foi lançado ao mundo. A natureza oferece alimento e abrigo a plantas, a animais, a natureza não explica o sentido da vida. Por que Deus se esconde? O homem pleno basta-se a si mesmo, fecha as portas ao socorro divino. Ao sentir-se fraco, o rei abre o caminho ao poder, poder que não vem dele, poder que excede todos os poderes.

Até aqui, este é o limite, disse o Criador a Jó, o atormentado não avança, limita-se a escutar os propósitos de Deus. E a terra prometida? Moisés morreu aquém. Todos lutamos para alcançar o que nos escapa. Frente ao inalcançável, a angústia gera a sede de presença orientadora, acende a esperança na Palavra, origem de possibilidades sem limites. Quem sou eu? Fora da Palavra, nada é meu destino. Instalados na Palavra, adquire sentido o que projetamos para nós mesmos e para outros. Origem da primeira luz que iluminou o universo, a Palavra fundamenta todas as palavras, pulsa em expressões amigas. Palavras vivas iluminam o caminho, chamam solitários ao convívio, alistam operosos na tarefa da renovação universal, transformam sofrimento em festa, divulgam a alegria de viver.

Assim como o guia da geração nascida no deserto, vemos a terra prometida à distância. A esperança nos leva a fronteiras abertas, lugar em que dores são substituídas por cantos de júbilo. O Redentor citou na cruz o salmo 22, na invocação do Redentor concentram-se as dores do mundo. Deus se revela na dor para aliviar a dor, para devolver a alegria. Em momentos de angústia, necessitamos da palavra do Pai, a palavra do Pai soa na voz do pai, na voz de amigos.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril