Uma igreja hibrida

Escrevo este texto depois de mais um abençoado Conselho Diretor, que, pela primeira vez, realizou-se virtualmente. Líderes da IELB, de todos os cantos de nossa nação, dialogaram a respeito do “novo normal” e a postura de nossa querida igreja, na busca de adequar-se à transformação profunda que esta pandemia trouxe à forma de viver.

Nesse contexto, diante de tantas oportunidades e estratégias, uma expressão continua vindo à minha mente: uma igreja híbrida. O termo híbrido tem sido usado na área da educação para demonstrar justamente esse novo cenário, essa mistura de atividades presenciais e digitais. Parece-me que a barreira entre o real e o virtual está cada vez mais fina, se é que ela ainda existe. E o ser igreja está nessa tensão do novo normal. Uma igreja híbrida está com um pé no virtual, nas oportunidades que as redes sociais proporcionam, e outro pé no mundo real, da comunhão, do calor humano, do estar na Casa do Senhor para o dia de culto.

Fico muito feliz em ser pastor de uma igreja que não se calou e não se escondeu atrás de uma pandemia. Justamente quando a sociedade precisava de conforto e de palavras de orientação, não silenciamos, mas proclamamos o Cristo para todos de uma forma pela qual até então parecíamos discretos: o mundo on-line. Com a bênção do Espírito Santo, aprendemos ainda mais a ser uma igreja confessional e missionária neste universo repleto de oportunidades. E se este cenário do “novo normal” consolidou algumas marcas e ações, percebe-se que nossa igreja luterana reforçou a imagem de uma igreja séria, com credibilidade, comprometida com a Palavra de Deus e com uma relevante mensagem para a sociedade.

Porém, como nem tudo são flores, precisamos ter a sabedoria para ser uma igreja atuante no mundo real e também no mundo virtual. Por mais que seja confortável e prático assistir a um culto de dentro de casa, eliminando até mesmo os riscos dos grandes centros (violência, trânsito), precisamos lembrar que o estar na casa do Senhor é importantíssimo. As facilidades do mundo digital não podem apagar as palavras do Salmo 122: “Fiquei alegre quando me disseram: ‘Vamos à casa de Deus, o SENHOR’”. Os sacramentos do batismo e da ceia são presenciais. Sem falar nos maravilhosos encontros e congressos que, no pós-pandemia, voltarão a ser realizados. E, claro, precisamos lembrar que a comunhão cristã é um dos temperos que dão grande sabor à vida.

Depois que a poeira da pandemia baixar, não podemos esquecer de continuar pisando no solo fértil do mundo on-line. Precisamos lembrar com carinho do que o Salvador ressuscitado disse, no primeiro Domingo de Páscoa, aos seus discípulos que estavam trancados e escondidos em Jerusalém: “Assim como o Pai me enviou, eu também envio vocês” (Jo 20.21). O melhor conteúdo temos em nossas mãos, em nosso coração, em nossos lábios: o amor de Deus. Precisamos continuar indo, mesmo quando o “indo” for estático, dentro de uma casa ou de um templo, diante de uma tela. Mas a mensagem cristã, esta sim, continuará “indo” e alcançando pessoas de perto e de longe.

Igreja híbrida. Seria este um bom termo para expressar o sermos uma igreja confessional e missionária diante dos novos tempos? Bem, a resposta deixo a seu critério. Mas o excelente Conselho Diretor on-line que tivemos foi um belo exemplo destes novos tempos.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Veja também

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Cheiro de salvação

O texto de 2 Coríntios 2.14 diz assim: “Como um perfume que se espalha por todos os lugares, somos usados por Deus para que Cristo seja conhecido por todas as pessoas”.

Quem está nas trincheiras ao seu lado?

Quando a gente casa, traz uma bagagem para a vida a dois. Nessa bagagem, estão os valores aprendidos em casa, as experiências de relacionamentos anteriores, nossa profissão talvez, sonhos e desejos.