Palavras que curam

Se você tem dificuldades em se comunicar, saiba que essa é uma habilidade que você pode e consegue desenvolver. Confira aqui.

Luise Lüdke Dolny
Psicóloga CRP 12/09392
[email protected]

Você sofre tentando se comunicar com as pessoas? Fica variando entre engolir sapos, sem conseguir falar o que pensa, ou soltando os cachorros, falando de uma maneira impensada e talvez grosseira?

Pois é, muitas pessoas se sentem frustradas sem saber como se comunicar melhor, mas existe uma abordagem que pode lhe ajudar nesse desafio, a Comunicação Não Violenta (CNV).

O psicólogo Marshal Rosenberg, criador da abordagem da CNV, quando criança, mudou-se com a família para Detroit, EUA, na década de 1960, período em que a cidade era marcada pela segregação racial. Na escola, apanhava e sofria preconceito por ser de família judia, e, desde muito pequeno, buscou entender os motivos da intolerância e da violência entre as pessoas.

Desde cedo, aprendemos a nos comunicar de uma maneira binária, que acaba nos afastando uns dos outros e pode ser um motivo de conflitos e violência. Nos comunicamos na medida do:

  • certo versus errado
  • bom versus mal
  • inocente versus culpado 

Percebem o quanto esse tipo de comunicação nos coloca em lados opostos?

Rosenberg propõe um caminho diferente, baseando a comunicação em algo que nos aproxima e que todos nós temos em comum: as necessidades.

De uma maneira bem simplificada, ele propõe que sejamos compassivos para (1) ouvir com atenção e sem julgamentos as necessidades dos outros; e que (2) sejamos autênticos e verdadeiros ao comunicar nossas próprias necessidades. A ideia é que seja uma relação ganha-ganha, e que se possa chegar a soluções que contemplem as necessidades de ambas as partes.

Para nos comunicarmos melhor, precisamos então compreender quais são as nossas necessidades. Você sabe identificar as suas? É preciso pensar sobre isso antes de ter conversas importantes. Segue uma lista de necessidades para ajudá-lo a identificar o que você possa estar precisando neste momento (acesse aqui).

Segundo a CNV, os comportamentos e a comunicação agressiva são uma expressão trágica de necessidades que não foram atendidas. Quando olhamos além do comportamento e conseguimos enxergar a necessidade por detrás dele, temos mais chances de ter uma comunicação mais assertiva.

Ele propõe quatro componentes que podem nos ajudar a direcionar a comunicação de uma maneira mais assertiva e respeitosa

1. Observação (em vez de julgamento): observe o que está acontecendo de fato.

2. Sentimentos (em vez de avaliações): identifique o que está sentindo em relação ao que se observa. Nomeie o que está sentindo: raiva, frustração, alegria, tristeza.

3.  Necessidades (em vez de estratégias): informe suas necessidades, valores e desejos que estão conectados aos sentimentos que nomeou (veja a lista no link acima).

4. Pedidos (em vez de ordens): peça o que deseja de forma concreta, o outro não é obrigado a adivinhar.

EXEMPLO: 

  1. (Observação da realidade) Quando converso com você e você continua mexendo no celular…
  2. (sentimento) me sinto irritada,
  3. (necessidade) gostaria de ter a sua atenção enquanto conversamos…
  4. (pedido) você poderia deixar o celular de lado enquanto conversamos?

Percebam que em vez de apontar o que está errado no outro, o foco está no que eu estou sentindo e precisando?

É possível também partir do que percebemos de necessidade no outro. Aqui você considera o que pode ser a necessidade de outra pessoa e também as suas necessidades. Por exemplo, sua chefe joga o relatório na mesa gritando e dizendo que ficou horrível e que você precisa refazer tudo:

  1. (Observação da realidade) Vejo que nós duas queremos entregar o nosso melhor para esse projeto. A gente quer que ele dê certo. E você falou agora que por esse caminho não vai dar e vamos ter que refazer.
  2. (Sentimento): Você já falou isso em outras reuniões e percebo que talvez esteja se sentindo frustrada por essa expectativa não ser atendida. Do meu lado, também fico desapontada. Queria chegar na reunião e entregar o que você espera.
  3. (Necessidade) Ao mesmo tempo, realmente não tenho muitas informações pra fazer isso dar certo. Preciso tirar dúvidas com você.
  4. (Pedido) Será que a gente não pode dar uns dois passos para trás e realinhar essas instruções?

Importante! Usar esses componentes não é algo que vamos aplicar e ter resultados de cara, é um processo que pode gerar desconforto, que vai exigir entrega e adaptação de toda uma maneira de enxergar o mundo. Vai exigir intenção em fazer diferente.

É importante dizer também que você não precisa concordar com a fala da pessoa, mas pode buscar enxergar a necessidade por trás do comportamento dela e tentar entender o seu ponto de vista. Quando alguém fala, “Você nunca está satisfeito com o que eu faço!”, que necessidade pode estar por trás diss? Talvez reconhecimento e valorização. Quando alguém fala, “Você abre exceções para todo mundo, menos para mim!”, qual necessidade ela está expressando? Talvez necessidade de igualdade e justiça.

Também não precisa falar dos seus sentimentos para todo mundo, avalie se o outro está disposto a ouvir.

É um exercício que exige bastante prática. Não podemos controlar a reação do outro, mas temos que assumir a responsabilidade do que sentimos e como agimos diante das nossas necessidades.

A Bíblia nos diz sobre a importância que as palavras e o jeito de falar as coisas têm, como em Provérbios 12.18: “Há palavras que ferem como espada, mas a língua dos sábios traz a cura”. Se você tem dificuldades em se comunicar, saiba que essa é uma habilidade que você pode e consegue desenvolver. Peça ajuda, procure por um profissional da psicologia. Você conseguirá melhorar!

Você já tinha ouvido falar da CNV? O que achou dessa abordagem? Conte pra gente o que achou, se já a praticou de alguma maneira, como foi sua experiência fazendo isso ou suas dificuldades. Vamos conversar mais?

Comentários

  1. Parabéns pelo artigo. Você o abordou de modo sensato, oportunizando a nós leitores compreender, antes de tudo sobre paciência. Paciência para avaliarmos nossa linguagem comunicacional, se está ou não efetiva. E a paciência em compreender que o estágio de amadurecimento do outro não está sob meu controle, mas talvez sob a minha influência.
    Aguardamos por mais artigos nesse gabarito.

    • Olá! Fico muito feliz em ver que o artigo foi proveitoso e tenha promovido a reflexão. Deus nos ajude a melhorarmos cada vez mais essa habilidade fundamental em nossas vidas, com muita paciência e amor! Se tiver alguma sugestão de tema na área da saúde mental que queira registrar, podemos nos organizar para produzir material sobre. Abraços em Cristo! Luise

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Acolhimento e solidariedade aquecem o povo gaúcho

Com a chegada das baixas temperaturas, vítimas da enchente recebem ajuda de todo o país

Veja também

Acolhimento e solidariedade aquecem o povo gaúcho

Com a chegada das baixas temperaturas, vítimas da enchente recebem ajuda de todo o país

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Enchente no RS provoca mudanças no Simpósio de Missão

Programação do Seminário Concórdia será reduzida e online. Inscrições podem ser feitas até o dia 21 de junho