A santificação do nome de Deus

Segundo Lutero, o primeiro mandamento instrui o coração e ensina a fé. Já o segundo, leva-nos para fora e coloca a boca e a língua na relação com Deus. A primeira coisa que sai do coração é a palavra. Jesus ensinou: “A pessoa boa tira o bem do depósito de coisas boas que tem no seu coração. E a pessoa má tira o mal do seu depósito de coisas más. Pois a boca fala do que o coração está cheio” (Lc 6.45).

Transgressões do mandamento

Usar o nome de Deus com objetivo mentiroso, invocando-o de uma forma hipócrita ou jurando de um jeito falso são maneiras errôneas de usar o nome de Deus. Lutero ensina que “não existe abuso mais grave do nome de Deus do que se valer dele para mentir e enganar” (Catecismo Maior, p.33). Lutero, já no seu tempo, advertia sobre este abuso em negócios financeiros. No tempo do reformador, havia a venda de indulgências. Hoje estamos cercados por inúmeros charlatões que usam o nome de Deus para enriquecer. Enganam as pessoas com promessas de riquezas e cura de doenças, que nunca vão acontecer. Mentir e enganar já são grandes pecados, mas quando se tenta fazer isto envolvendo o nome de Deus, tornam-se muito mais graves.

Lutero lembra que Deus advertiu-nos sobre inúmeras desgraças como, por exemplo, doenças graves, guerras, desastres naturais que vêm como consequência do mau uso do nome de Deus pelas pessoas. E conclui: “Ainda é uma graça enorme o fato de a terra nos sustentar e alimentar” (Catecismo Maior, p.34).

Se Deus, de fato, olhasse para os pecados das pessoas, o mundo não mais existiria. Ninguém é merecedor de qualquer favor divino, por menor que seja. A verdade é que se Deus tratasse com as pessoas conforme a exigência dos mandamentos, todos estaríamos condenados. Deus sempre se mostrou misericordioso. Os mandamentos revelam nossa imperfeição, e só se pode ser salvo graças ao amor e à misericórdia dele, manifestados na obra de Cristo. Esta verdade também é percebida ao se analisar o segundo Mandamento.

Cumprindo o segundo mandamento

Existem formas corretas de uso do nome de Deus. Deve-se usar o nome de Deus “em situações aflitivas”. “O verdadeiro respeito pelo nome de Deus é esperar dele todo apoio e invocá-lo para tanto” (Catecismo Maior, p.34). Lutero lembra que é isto que pede o Salmo 50.15: “Invoca-me no dia da angústia”. Sempre que tivermos dificuldades, podemos recorrer ao Pai celestial em oração. Cristo, com o seu perdão, abre a porta do céu para toda a pessoa que nele crê. Na aflição, deve-se recorrer a ele. Fazendo isto, estaremos santificando o nome de Deus.

Outra forma de santificar o nome de Deus é quando usamos o seu nome para “render louvor e graças a Deus” (Catecismo Maior, p.34). As pessoas têm dificuldade para louvar e agradecer a Deus. A tendência do ser humano é fixar sua atenção e enfatizar seus problemas, deixando de ver as coisas boas, as bênçãos, que Deus lhe concede diariamente. São poucos os que lembram que a saúde é uma grande benção e, em vez agradecer a Deus pela mesma, ficam se queixando de problemas financeiros. É importante perceber que a pessoa que louva e agradece é uma pessoa feliz, porque vê as bênçãos que Deus está lhe concedendo. As bênçãos de Deus são maiores que as dificuldades que ela enfrenta em sua vida. Quando a pessoa percebe isso, ela não fica praguejando ou resmungando contra Deus, mas o louva e lhe agradece, e isto a deixa feliz.

Logo, Deus quer que seu nome seja usado corretamente para invocar a sua ajuda, para louvá-lo e agradecer-lhe pelas bênçãos concedidas. Assim estará sendo santificado o seu santo nome.

Elmer Teodoro Jagnow

Pastor da IELB em Forquetinha, RS

*Texto publicado no Mensageiro Luterano em outubro de 2014.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril