A voz de Deus

A Bíblia relata muitas ocasiões em que Deus fala, fazendo ouvir sua voz. A primeira vez que a Escritura menciona que a “voz” de Deus foi ouvida situa-se no contexto do mais triste acontecimento da história humana: quando Adão e Eva rejeitaram o caminho que Deus lhes havia proposto. Era a queda em pecado! O livro de Gênesis nos relata que, após terem desobedecido, Adão e Eva ouviram a voz de Deus e sua reação foi esta: “Então se esconderam dele, no meio das árvores. Mas o Senhor Deus chamou o homem e perguntou: — Onde é que você está? O homem respondeu: — Eu ouvi a tua voz, quando estavas passeando pelo jardim, e fiquei com medo porque estava nu. Por isso me escondi. (Gn 3.8-10). A voz de Deus gerou medo!

Mesmo sem utilizar o termo “voz”, Gênesis deixa claro que foi pelo seu falar que Deus criou todas as coisas – “Disse Deus: haja luz, e houve luz” (Gn 1.3). Por diversas vezes o texto bíblico repete a sequência “Disse Deus…” e “Assim se fez”! A voz de Deus – o seu falar – é o instrumento pelo qual ele realiza sua maravilhosa obra da criação. Mas esta mesma voz, que produz vida variada e bela, para Adão e Eva tornou-se fonte de temor.

Se alguém disser: “Gostaria tanto de ouvir a voz de Deus”, é bom lembrar que a mesma voz que cria vida também traz temor. Por que é assim? Se você ouvir a voz de Deus hoje, também terá medo? Ou irá se regozijar pela obra que ele realiza?

Os profetas ouviram a voz de Deus

Isaías relata um impressionante evento, em que lhe foi permitido ver o Senhor e Serafins que cantavam glórias a Deus. Diz o profeta: “Depois disto, ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Disse eu: eis-me aqui, envia-me a mim.” (Is 6.8). A voz de Deus comissiona o profeta para anunciar a sua Palavra aos homens. Porém não nos deve passar despercebido o que ocorreu imediatamente antes desta convocação. Diante da glória de Deus, Isaías se dá conta de que é pecador e teme. Mas algo acontece que permite a Isaías ouvir a voz de Deus e responder positivamente: “Então, um dos serafins voou para mim, trazendo na mão uma brasa viva, que tirara do altar com uma tenaz; com a brasa tocou a minha boca e disse: Eis que ela tocou os teus lábios; a tua iniquidade foi tirada, e perdoado o teu pecado.” (Is 6.6,7). A voz foi do Serafim, mas o anúncio veio de Deus. É a voz do perdão, que restaura, consola e ergue o pecador, ao ponto dele poder ouvir a voz diretamente do Senhor, sem temor. A voz de Deus traz perdão e comissiona para a missão!

Elias ouviu a voz de Deus. Uma das ocasiões foi quando o profeta se considerava sozinho em meio a um povo que se inclinava para falsos cultos. Nesse tempo de crise, em que parecia que tudo ia mal, a voz de Deus vem e conforta o profeta. Ela anuncia que Deus continua ativo em meio ao seu povo e que ele estava preservando muita gente além de Elias, que, a exemplo do profeta, não se curvava diante do falso deus Baal (1Rs 19.13-18). A voz de Deus traz conforto e fortalecimento!

O profeta Miquéias também testemunhou a manifestação da voz de Deus (Mq 6.9), neste caso confrontando o povo de Judá por causa do seu pecado. É uma voz que anuncia juízo e condenação a um povo sem arrependimento, e cuja vida diária refletia sua impiedade. A voz é dura e expressa toda a ira do justo Deus diante do pecado. Mas o resultado é bom! No capítulo 7, o profeta fala em nome da cidade, em nome do povo pecador. A voz acusatória produz contrição e leva o povo a olhar novamente para a fonte da vida e salvação (Mq 7.7). A voz de Deus denuncia e condena o pecado, para que os que ouvem se arrependam e sejam trazidos de volta à comunhão com Deus.

A voz de Deus muda a história e a vida das pessoas

Vivemos em um tempo de patrulhamento do “politicamente correto”. Falar em pecado e culpa ofende! Na verdade, o tema da culpa só parece relevante quando há tragédias causadas pela maldade humana. Mas para o “cidadão comum”, falar em culpa por vezes é até ofensivo. Num contexto assim, não é de se surpreender que alguns filmes apresentem uma figura caricata de Deus, que fala como e o que as pessoas esperam ouvir dele. Na década de 70, houve um filme bastante popular, cujo título em Português era “Alguém lá em cima gosta de mim”. O filme apresentava Deus como um velhinho de voz mansa e agradável. Não havia qualquer chamado ao arrependimento. Cada pessoa podia viver conforme o próprio coração. Para este “Deus”, as pessoas eram boas por natureza. E ao ser perguntado sobre Jesus, se seria ele seu filho, “Deus” respondeu: “Sim, assim como Maomé, Buda, etc.”. Eis aí um “Deus” universalista, macro ecumênico, enfim, politicamente correto!

Um episódio marcante na história de Israel ilustra bem o efeito provocado pela voz de Deus nas pessoas. O povo de Deus havia sido libertado do Egito. No monte Sinai, Deus falou a todo o povo, “[…] do meio do fogo, da nuvem e da escuridade, com grande voz […]” (Dt 5.22). Por intermédio de Moisés, entregou os dez mandamentos em duas tábuas de pedra. O que chama a atenção é a reação que o povo de Israel teve diante do falar de Deus. Tendo ouvido a voz que vinha do Sinai, os líderes das tribos disseram a Moisés: “Eis aqui o Senhor, nosso Deus, nos fez ver a sua glória e a sua grandeza, e ouvimos a sua voz do meio do fogo; hoje, vimos que Deus fala com o homem, e este permanece vivo.” (Dt 5.24). E continuaram, agora com um pedido para Moisés: “Agora, pois, por que morreríamos? Pois este grande fogo nos consumiria; se ainda mais ouvíssemos a voz do Senhor, nosso Deus, morreríamos. Por que quem há, de toda carne, que tenha ouvido a voz do Deus vivo falar do meio do fogo, como nós ouvimos, e permanecido vivo?” (Dt 5.25,26).

Esta palavra do povo de Israel pode soar um tanto estranha, principalmente para pessoas que anseiam por ouvir diretamente a voz de Deus também hoje. Mas a reação dos israelitas não foi absurda. Vejam como Deus respondeu a Moisés diante desta manifestação temerosa de Israel: “Eu ouvi as palavras deste povo, as quais te disseram; em tudo falaram eles bem. Quem dera que eles tivessem tal coração, que me temessem e guardassem em todo o tempo todos os meus mandamentos, para que bem lhes fosse a eles e a seus filhos, para sempre!” (Dt 5.28,29).

Esta atitude do povo de Israel ensina algo para o povo de Deus de hoje e de todos os tempos. Ouvir a voz de Deus é sempre algo maravilhoso, mesmo que usando meios ordinários, comuns, que talvez até possam parecer corriqueiros. Ouvir a voz de Deus faz toda a diferença na vida de alguém. E, diga-se de passagem, quando o santo Deus fala a pecadores, ficar vivo já é um privilégio!

Deus fala, quer e precisa ser ouvido

A Escritura apresenta o Deus que fala e que precisa ser ouvido, mesmo ao falar aquilo que não agrada aos ouvidos e ao coração naturalmente escravizados pelo pecado. Na saída do Egito, Israel teve à frente um grande desafio, e o sucesso da jornada não dependia das suas próprias forças, mas de ouvir o que Deus dizia (cf. Ex 19.5). Desprezar a voz de Deus significaria ruína para este povo, que por vezes parecia não entender a destruição que sobreveio às nações rebeldes (Dt 8.20). Ouvir a voz de Deus atenta e cuidadosamente era vital para que o povo permanecesse em paz, como também Samuel mais tarde o admoestou (1Sm 12.14,15).

A história do povo de Deus também alerta para o fato de falsas vozes se levantarem, apresentando-se como se fossem a voz do Senhor. Israel foi avisado por Deus de que falsos profetas apresentariam sinais e prodígios para legitimar seu anúncio (Dt 13.1-3). Mas era preciso ouvir a voz de Deus (v. 4, 18). Para tanto o povo deveria estar atento ao conteúdo desta voz! Ao convidarem o povo a seguir outros deuses, mesmo tendo realizado sinais espantosos, aqueles profetas demonstravam não veicular a voz do Senhor, mas sua própria voz, carregada do erro e do mal! O conteúdo da mensagem, mais do que algum sinal que a acompanhe, é o critério fundamental para o povo de Deus reconhecer a voz do seu Senhor.

Você gostaria de ouvir a voz de Deus diretamente? Mas já pensou se esta voz lhe dissesse algo que desestabilizasse sua vida? Abraão ouviu a voz de Deus pedindo algo profundamente difícil – entregar o filho Isaque em sacrifício. O que fazer diante de uma voz que de tal forma transtorna a vida? Sabemos como Abraão agiu. Ele sabia quem estava lhe falando. Por isso obedeceu à difícil e desafiadora Palavra do Senhor. O resultado decorrente não foi apenas benéfico para Abraão e Isaque. Trouxe bênção para todos os povos (Gn 22.18; 5), pois foi de Abraão que Deus fez vir aquele por meio de quem ele viria a falar de forma definitiva. A voz de Deus questiona convicções humanas enraizadas, mas tem um propósito de vida e bênção que vai além da expectativa humana. Esta voz se concretiza no cumprimento das promessas feitas ao povo de Deus no Antigo Testamento.

O autor aos Hebreus reflete sobre esta verdade ao dizer: “Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo” (Hebreus 1.1,2). O Filho é o perfeito “canal” pelo qual Deus fala! Jesus é chamado de “Verbo” (= Palavra) no início do Evangelho conforme João: “No começo aquele que é a Palavra já existia. Ele estava com Deus e era Deus. Desde o princípio, a Palavra estava com Deus. Por meio da Palavra, Deus fez todas as coisas, e nada do que existe foi feito sem ela” (Jo 1.1-3). Jesus é o Verbo, a Palavra, pois ele é tanto o Deus que nos fala, como o conteúdo do falar divino! Ouvir a voz de Deus é ouvir Jesus. É ouvir o que nos é dito por Jesus. É ouvir o que nos é anunciado a respeito de Jesus!

É possível ainda hoje ouvir a voz de Deus?

Por meio dos textos bíblicos referidos acima, podemos notar que a “voz de Deus” é, nada mais, nada menos, a sua Palavra. É uma palavra audível, perceptível, concreta! Não está na imaginação das pessoas, mas Deus efetivamente está falando. E no seu falar, Deus não vem para satisfazer curiosidades humanas ou para reafirmar convicções que as pessoas já tenham em sua natureza pecaminosa. A voz de Deus comunica algo que afeta diretamente o rumo da vida de cada um de nós. Ela condena o pecador em sua incredulidade e alerta o povo contra o afastamento do Deus verdadeiro. Mas esta mesma voz também conforta e vivifica pelo anúncio do perdão e da presença misericordiosa de Deus. A voz de Deus é ação! É a ação de Deus em vir até as pessoas e efetuar nelas a sua obra.

Antes de deixar este mundo visivelmente, o Salvador prometeu algo que garantiria a continuidade da voz de Deus sendo anunciada e ouvida: “Quando vier o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas que hão de vir. Ele me glorificará, porque há de receber do que é meu e vo-lo há de anunciar” (Jo 16.13,14). Assim o apóstolo Paulo pôde dizer com confiança: “… ninguém que diz ‘Que Jesus seja maldito’ pode estar falando pelo poder do Espírito de Deus. E ninguém pode dizer ‘Jesus é Senhor’, a não ser que seja guiado pelo Espírito Santo” (1Co 12.3).

O guiar do Espírito Santo não apenas se fez concreto na vida daqueles discípulos-apóstolos. Mas assim como fizera com os profetas, testemunhas da voz do Deus verdadeiro, o Consolador viria para guiar os apóstolos no anúncio da voz de Deus, na proclamação e na escrita dos livros do Novo Testamento. Que bênção extraordinária tem a humanidade nos livros da Escritura Sagrada – a voz de Deus que vem até nós. Como disse alguém sabiamente, é o único livro cuja leitura sempre acontece na presença do autor! Por isso, aproveite as oportunidades e ouça Deus lhe falando nas páginas da Escritura Sagrada.

Lembre que o falar de Deus para nós não se trata simplesmente de nos “passar informações”. O falar de Deus é ação! Deus age por meio do seu falar. Você já parou para pensar que no seu Batismo Deus lhe falou? Sim, falou, e, assim como na criação do mundo, quando falava e as coisas aconteciam, no seu Batismo ele falou pela boca de um dos seus mensageiros e algo extraordinário aconteceu. Você foi trazido do reino das trevas para o reino da luz, passou da morte para a vida, foi tirado da incredulidade para a fé. Reflita sobre o seu Batismo, que não é um ato que ficou no passado, mas é ação de Deus que tem valor hoje, cada dia, para lhe dar novidade de vida e união com Cristo (Rm 6.3-5). Ouça a voz de Deus ao relembrar o seu Batismo.

Deus lhe fala por meio dos seus mensageiros

Deus lhe fala por meio dos seus mensageiros quando estes fielmente lhe trazem a Palavra do próprio Deus, conforme revelada na Escritura e que tem em Cristo e sua obra o centro e mais fundamental ensino. Já aos discípulos, Jesus concedeu seu Espírito Santo para que eles anunciassem o perdão de maneira clara e objetiva: “Recebei o Espírito Santo. Se de alguns perdoardes os pecados, são-lhes perdoados; se lhos retiverdes, são retidos.” (Jo 20.21,22). O mesmo Jesus já garantira a seus discípulos: “Quem vos der ouvidos, ouve-me a mim; e quem vos rejeitar, a mim me rejeita; quem, porém, me rejeitar rejeita aquele que me enviou.” (Lc 10.16). Deus está falando hoje, por meio dos seus mensageiros, que ele próprio envia com sua Palavra. Ouça o que Deus lhe diz! Ouça a sua voz nas palavras que o seu pastor proclama à luz da Escritura Sagrada.

Deus fala por meio da Santa Ceia!

Os primeiros cristãos entenderam a importância da Santa Ceia, ao ponto de terem nela, o “partir do pão” (cf. At 2.42; 20.7), o principal motivo para se encontrarem, isto é, para o culto. E por que isso? Porque na Ceia os cristãos sabem que estão recebendo o verdadeiro corpo e sangue de Jesus, que são dados para perdão dos pecados (Mt 26.26-28; 1Co 11.24,25). Na Santa Ceia Deus está falando – Deus está agindo! – para o benefício dos seus filhos, alimentando-os na fé por meio do perdão. Ouça a voz de Deus na Santa Ceia. Ele está falando para seu fortalecimento, amparo e conforto para a jornada.

Pentecostes! Festa da Igreja para comemorar que Deus continua falando. Por causa da obra completa de Jesus para redimir o pecador, diante de sua gloriosa ressurreição, vitória sobre a morte e manifestação de sua majestade, ele concede o Espírito, o Consolador. E ele continua falando – lembrando o que Jesus fez e ensinou e levando pessoas a crerem e confessarem que Jesus é o Senhor. Deus não está calado. É preciso ouvir sua voz onde ele a coloca, onde ele prometeu falar também a nós hoje. Voltemos às Escrituras, onde o Espírito Santo mesmo nos fala pelos profetas e apóstolos. Ouçamos com devoção a proclamação da palavra da reconciliação que vem da cruz e da ressurreição de Jesus. Reflitamos sobre o Batismo, fonte de vida, perdão e comunhão com Deus. Valorizemos a Santa Ceia, presente da graça do Pai para nos alimentar com sua doce voz de perdão, conforto e fortalecimento para a jornada!

Texto publicado no Mensageiro Luterano, na edição de maio de 2013.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril