“Apto a vincular”

Cabe ao pastor quebrar este preconceito o quanto antes. Os meios são os mais variados possíveis, mas a forma sempre será a mesma: o interesse pela vida dos confirmandos  

George Carlos Felten
Pastor-capelão do Colégio Luterano Arthur Konrath
Estância Velha, RS

De quantos dos seus professores você consegue se lembrar? Esse é um exercício interessante, pois tenho quase certeza de que você se lembrou daquelas professoras das séries iniciais que mais lhe ajudaram, acolheram e trataram com um amor quase materno: um olhar de atenção especial, uma fala mais doce, uma condução mais amorosa. A isso chamamos de “vínculo”, coisa sem a qual a educação se torna praticamente impossível. Como diz o teólogo, escritor e ex-professor da UNICAMP, Rubem Alves: “Só aprendemos porque amamos o professor”.[1]

Paulo caracteriza o pastor como alguém “apto a ensinar” (1Tm 2.24). Mas o que significa isso? Significa que o pastor é o responsável primário pelo ensino cristão na congregação, e, se não existe ensino sem que haja vínculos estabelecidos entre os sujeitos da aprendizagem, logo, na instrução de confirmandos, a relação entre o pastor e o confirmando deve ser a mais afetiva possível.

Talvez o leitor agora esteja pensando: “Ih, lá vem um defensor da baderna e da ausência de limites na sala de aula!” Como pastor e professor de Ensino Religioso, obviamente não sou defensor de ausência de autoridade, mas aqui pode-se evocar as frases do famoso pensador contemporâneo, Mario Sergio Cortella: “Autoridade não é autoritarismo, e alegria não é o contrário de seriedade”.[2]   

Mas resta a pergunta: como criar vínculo com alguém que não conheço?

A realidade de muitas congregações nos aponta para uma triste conclusão: a instrução de confirmandos é o primeiro contato consciente de muitas pessoas com a igreja. Muitos são os casos de famílias que batizam a criança e não seguem trazendo-a para os cultos e a escola bíblica infantil, e, por isso, com belíssimas exceções, além de um conhecimento muito raso das histórias bíblicas, o confirmando pode carregar diversos preconceitos sobre a igreja, seus membros ou o pastor, mesmo sem os conhecer.

Cabe ao pastor quebrar este preconceito o quanto antes. Os meios são os mais variados possíveis, mas a forma sempre será a mesma: o interesse pela vida dos confirmandos. Eles são novos, sim, mas têm histórias, experiências, vivências, ideias, e precisam ser ouvidos para então ser entendidos e trabalhados.

Além disso, dinâmicas com bastante interação e que mexam não só com a mente, mas também com o corpo e os sentimentos, cativam os pequenos cristãos através do exemplo do pastor apaixonado pela Bíblia, pelo seu ensino, e também pelos seus alunos (Mt 7.29). Lembre-se: um confirmando só poderá estar presente por completo na instrução quando o seu pastor estiver também.

Mas e você, lembra-se quem foram todos os seus pastores? Se o pastor deve ser apto a ensinar, por que não parafrasear Paulo e dizer que ele deve ser “apto a vincular” também? O fato é que o vínculo entre pastor e confirmando influenciará muito na forma como eles encararão a vida na igreja dali em diante.


[1] https://www.youtube.com/watch?v=kwO5F90DuIY – “Encontro com Rubem Alves”

[2] https://www.youtube.com/watch?v=7bywstc8YF8 – “Mario Sergio Cortella responde: Qual a relação entre afetividade, vínculo e aprendizagem?”

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó

Veja também

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó

A subjetividade contemporânea do rolar a tela do celular

O Tik Tok passa a predominar e compor o mundo intrapsíquico do ser humano. E tal composição atinge milhões de pessoas, como uma espécie de hipnose pandêmica.

A dolorosa volta para casa

Após 20 ou mais dias, vítimas da enchente no RS começam a retornar aos seus lares para limpeza e reconstrução