Pastor Valdemar Martin

BIOGRAFIA*

Valdemar Martin nasceu no dia 1º de fevereiro de 1940 e registrado em Ubiretama, 3º distrito de Santa Rosa, RS. Quando Giruá, RS, emancipou-se de Santo Ângelo, RS, em 1955, Ubiretama passou a pertencer a Giruá, e a Linha Giruá, onde Martin nasceu, foi transformado em distrito, com o nome de Salgado Filho. Com a sua emancipação político-administrativa em 1995, este distrito recebeu o nome de Senador Salgado Filho.

No atual município de Senador Salgado Filho, RS, frequentou o Grupo Escolar Municipal Tiradentes, para depois seguir os estudos em Porto Alegre, RS, no ginásio e colégio mantidos pela igreja para os aspirantes ao ministério pastoral, com a faculdade de Teologia. Sua formatura em Teologia pelo Seminário Concórdia foi em dia 8 de dezembro de 1963. E no dia 14 de dezembro casou-se com Leda Geiss, tendo os filhos Ronie, Clóvis, Débora, Rogéria e Fabrício.

Foi ordenado pastor da Igreja Evangélica Luterana do Brasil em Mondaí, SC, dia 4 de fevereiro de 1964.

Sempre exerceu uma forte liderança nos lugares onde trabalhou. Liderança que já acontecia como estudante, tendo sido eleito Primus Omnium (Primeiro de todos), ou seja, presidente dos estudantes nos últimos três anos de estudos.

Sua atividade pastoral começou quando ainda acadêmico, em 1961, atendendo a comunidade da Vila Cristal, em Porto Alegre. Em 1962 foi o seu estágio de um ano na extensa Paróquia de Arabutã, SC, e em 1963, trabalhou na Paróquia de Boa União, na região de Maquiné, RS.

Após a formatura, assumiu oficialmente sua primeira Paróquia em Mondaí, no oeste catarinense, em 1964.

Em 1971 foi transferido para Três de Maio, RS.

E no dia 3 de fevereiro de 1978, pela primeira vez, pisou no solo de Marechal Rondon, PR, para assumir a Paróquia da Comunidade Cristo.

Em 1991, foi mais uma vez transferido para o RS, para Santa Rosa, município onde nasceu, para assumir os trabalhos da Comunidade São João, do centro, voltando para Rondon em fevereiro de 1996, já como emérito.

Mesmo como emérito, continuou exercendo seu ministério em tempo parcial, em paróquias vacantes. Na Comunidade Cristo, já há muitos anos, colabora com o culto em língua alemã, uma vez por mês. Dessa forma, desde o seu primeiro trabalho em comunidade até agora em tempo parcial, já soma 60 anos de trabalho.

Sempre foi um amante da música de canto coral. Sua experiência como coralista começou aos 15 anos no coral da sua comunidade em Porto Alegre. Integrou depois o Orfeão Juvenil, formado por jovens de Porto Alegre, e o Coral Luterano, coral oficial da igreja em Porto Alegre, sob a direção do saudoso Hans Gerhard Rottmann, regente também do coral da orquestra sinfônica de Porto Alegre, de quem herdou importantes macetes de regência. É importante lembrar que o forte do seu trabalho nas comunidades sempre foi o canto e a música, tendo tido diversos corais vários em todas as suas paróquias. Porém, apenas aprimorou as técnicas de regência como emérito. Um provérbio diz, “Mais vale a prática que a gramática”, confessa que muito aprendeu ao dirigir os vários corais em Marechal. Estes foram: o Coral Municipal 25 de julho, o Coral Distrital “Amigos para Sempre” de Margarida, o Coral do Clube Aliança, o Coral do Clube Comunitário da Vila Gaúcha e o Coral do Clube de Idosos “Paz e Amor”. Com vários desses corais participou de inúmeros encontros de corais da região, em Santa Catarina, no Rio Grande do Sul e em Hohenau, no Paraguai, sempre levando a cultura musical e enaltecendo com orgulho o nome de Marechal Cândido Rondon. Atualmente, continua com o “Coral Anos Dourados”, da comunidade Cristo.

Sempre que possível, aproveitava os meios de comunicação de rádio para a divulgação de mensagens bíblicas cristãs, sem identificação de igreja. Assim, colocou no ar, em Mondaí, SC, um programa religioso na Rádio Comunitária; em Três de Maio, iniciou, pela Rádio Colonial, o programa diário, “Encontro com Jesus”. Em Marechal Rondon, quando a Rádio Educadora entrou no ar, logo entrou com o programa “A vida”, sendo o primeiro programa levado ao ar, em 3 de novembro de 1978. Quando, na virada do século e milênio, foi convidado a trabalhar em Toledo, foi solicitado a criar um programa diário na Rádio Guaçu. E assim surgiu o programa “Um momento”, de apenas dois minutos de duração, no programa de Edilson José, que, quando em 1978 foi criado o programa A VIDA, era o sonoplasta da Educadora que colocava as mensagens no ar.

Serviu no Ministério Pastoral da Igreja nos seguintes lugares:

Mondaí, SC – fevereiro de 1964 a janeiro de 1971
Três de Maio, RS – fevereiro de 1971 a janeiro de 1978
Marechal Cândido Rondon, PR – fevereiro de 1978 a janeiro de 1991
Santa Rosa, RS – fevereiro de 1991 a janeiro de 1996

Outras atividades relacionadas ao trabalho da IELB, sua Igreja:

1966 – 1969: presidente do Distrito Iguaçú
1970 – 1971: membro da Comissão de Auxílios e Pensões da IELB
1974 – 1978: presidente do Distrito Noroeste Gaúcho
1985 – 1988: presidente do Distrito Lago Itaipu (Aqui em Mal. C. Rondon)
1986 – 1990: presidente da Região Paranaense da IELB
1987 – 1989: membro do Departamento de Comunicação da IELB

Tornado pastor emérito em 1996 e residente em Marechal Cândido Rondon, atendeu várias paróquias vacantes de Rondon e municípios vizinhos. Tem os dados estatísticos de todas as suas atividades ministeriais desde o ano 1961 até o final de 2020, e os compartilhamos aqui: cultos oficiados – 5.385; reuniões com grupos de famílias – 1.105; batismos – 1.459; confirmandos – 966; casamentos – 425; óbitos – 271.

Também foi atuante no magistério, sendo a sua titulação Especialização em Metodologia do Ensino Superior, pela UFRGS, em 1982.

Foi professor nas seguintes entidades educacionais:

Ginásio e Escola Técnica de Comércio Porto Feliz, de Mondaí, SC (Inglês)
Colégio Luterano Rui Barbosa (capelão: Ensino Religioso)
Unioeste, Facimar, em Mal. Cândido Rondon (Teologia – 10 anos, e Filosofia)

Como o trabalho de pastor não é uma atividade feita sozinho, deve muito à colaboração, compreensão e incentivo de sua esposa Leda e dos filhos, agora, com seus familiares. A todos, uma gratidão especial.

Pastor Valdemar afirma que, se pudesse voltar no tempo, faria tudo de novo e de maneira mais perfeita. É um trabalho não feito para homens, mas como servo de Deus.

Para finalizar, lembra o voto do seu convite de formatura:

A Deus, um voto: LOUVOR
Aos pais, um abraço: AMOR
Aos mestres, uma lembrança: GRATIDÃO
Aos colegas, uma promessa: AMIZADE
À escola, uma lágrima: SAUDADE
(Marechal Cândido Rondon, PR, 2020)

*Biografia apresentada ao receber, da Câmara de Vereadores, o título de Cidadão Honorário de Mal. Cândido Rondon, em dezembro 2022.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Veja também

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Enchente no RS provoca mudanças no Simpósio de Missão

Programação do Seminário Concórdia será reduzida e online. Inscrições podem ser feitas até o dia 21 de junho

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase