Síndrome de início de ano

Sigmund Freud, pai da psicanálise, definiu a ansiedade como uma reação a uma situação de perigo, isto é, uma condição que pode causar algum tipo de prejuízo ao ser humano. É inerente ao homem sentir certo grau de ansiedade, entretanto, é no campo da ansiedade que o objeto começa a se tornar dúbio. Em outras palavras, não se sabe ao certo de que medo está se falando, mas é sabido que existe algo ali, que está por vir. E essa inquietação possui uma significativa relação com os conteúdos do desejo. O indivíduo pode desejar muito algo, contudo, sem saber se aquilo irá se consolidar.

Portanto, a ansiedade está ligada a uma vontade de ter o controle da realidade, das possibilidades, das fantasias, etc. Sintetizando: é uma preocupação com os eventos futuros. Por outro lado, a expectativa pelo futuro tem suas bases nas experiências do passado. Os estados afetivos são desenlaces de vivências desagradáveis em diferentes épocas da vida. Com isso, a ansiedade é uma resposta à ameaça de ocorrência de uma circunstância traumática. Por exemplo: separação dos pais, um acidente, humilhação pública, uma perda e assim por diante. Consequentemente, a ansiedade reproduzirá a manifestação da ansiedade vivida em tempos anteriores, autorizando o desencadeamento de atuações de defesa.

ANO NOVO E STRESS ANTIGO

Pensar em sociedade, hoje, é ter ciência da corrente desenfreada da burocratização e mercantilização das relações sociais. O ser humano é orientado a ter uma forma de vida baseada na mercadoria e, como resultado, o indivíduo passa pelo processo de coisificação, sendo resumido em expressão do desejo e espaço referenciado das investidas capitalistas. Os relacionamentos humanos são apropriados pelos sentimentos de propriedade e composição capital. Assim, partindo de um olhar panorâmico sobre a coletividade, ela sugere ser um espaço artificial e institucionalizado pelas forças exteriores das cifras e valores numéricos. E qual é o resultado dessa fórmula social? Uma sociedade movida pelo espetáculo, isto é, ter é ser; competitividade, a busca constante por um lugar de destaque no mercado; individualismo, etc. Por conseguinte, o psiquismo da pessoa fica adoecido: depressão, melancolia, desânimo, síndrome do pânico, ansiedade e outros.

A grande questão, amigo leitor, é a seguinte: ano começa, ano termina, todavia, os estressores sociais persistem, as narrativas engessadas não passam pelo crivo da mudança. Como efeito, as dores emocionais permanecem, a ansiedade continua. Diante de um novo ciclo, leitor, não fique tão preocupado com os objetivos; claro, não digo para dispensá-los, mas, primeiramente, olhe para si: revise seu dia a dia, rotina, comportamentos, emoções e tenha clareza das coisas. Procure trabalhar com fatos; por meio deles, a ansiedade reduz, porque você vai estar visualizando as metas e não se amparando na imaginação ou suposições. Anote os passos e sempre faça uma revisão no final de cada mês. Caso a rota não tenha dado muito certo, revise e siga em frente, procure entender os motivos do ocorrido. E não esqueça: a relação amorosa com Deus garante o desfrute de uma paz única. Nosso real valor não vem das legitimações ou situações sociais, mas provém do Criador. Em Cristo, o ser humano enfrenta as situações da vida com esperança. Início de ano, sim, no entanto, sempre com Cristo.

Artur Charczuk

Pastor e psicanalista em São Leopoldo, RS

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Veja também

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Enchente no RS provoca mudanças no Simpósio de Missão

Programação do Seminário Concórdia será reduzida e online. Inscrições podem ser feitas até o dia 21 de junho

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase