Pastor é profissão?

O pastor é aquele que, atendendo a um chamado muito especial, prepara-se para exercer o santo Ministério da Palavra, administrar os sacramentos, aconselhar, encorajar, visitar, ajudar na organização institucional da igreja, enfim, uma lista enorme de tarefas!

Todos sabemos o quanto o pastor trabalha, e a responsabilidade que carrega. Fui privilegiado em crescer em uma família pastoral, e testemunhar isso de perto. O pastor é aquele que, atendendo a um chamado muito especial, prepara-se para exercer o santo Ministério da Palavra, administrar os sacramentos, aconselhar, encorajar, visitar, ajudar na organização institucional da igreja, enfim, uma lista enorme de tarefas!

Justamente por isso também é o pastor merecedor de “dobrada honra” (1Tm. 5:17). Esta honra deve tanto ser por palavras respeitosas, quanto em atos concretos de amor, como o pagamento de uma prebenda pastoral digna para que possa cumprir seu ofício com alegria.  Agora, será que o pastor é um “empregado” da igreja? Absolutamente não! E, isso, justamente por conta da natureza jurídica do trabalho pastoral, que é único.

Inclusive é uma crítica muito válida feita atualmente, em muitos círculos cristãos, sobre o “profissionalismo” que toma conta do ministério pastoral. A pressão por resultados, o pragmatismo, técnicas para atrair pessoas, enfim, têm criado uma atmosfera perigosa, tanto para a pessoa do pastor, quanto para a igreja. E isso sob o ponto de vista teológico e jurídico.

O ministério pastoral tem, como disse antes, uma natureza distinta da relação de emprego. O que determina se alguém é um empregado é o art. 3º da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). São três as características: subordinação hierárquica; não eventualidade; remuneração.

Embora o chamado pastoral seja de natureza contínua, e a igreja convida o ministro para que exerça o ofício pastoral publicamente em nome da congregação, pagando uma prebenda por isso, não torna a relação como um “contrato”. Tampouco há uma relação de “patrão-empregado” entre a diretoria/congregação e o pastor. Há, sim, uma parceria entre irmãos, para o crescimento espiritual daquela comunhão de santos, e o espalhar da boa nova a outros. E esta é a vocação que distingue as demais dos outros regimentos da vida. No domínio da igreja (organismo), todos somos irmãos e cumprimos chamados, mesmo os que exercem uma função em tempo integral (na organização).

Essa confusão é muito comum em igrejas que desconhecem o ramo de Direito Religioso. Outras vezes, pessoas que trabalham no administrativo da congregação ou prestam assessoria jurídica ou contábil, ainda que na melhor das intenções, não possuem o conhecimento necessário, induzindo a igreja ao erro, tratando as igrejas como se fossem uma empresa qualquer. Aqui vai outra afirmação muito importante. Igreja não é empresa. Igreja é igreja. Empresa é empresa. Cada coisa no seu lugar.

Inclusive, pensando nesse tipo de relação, foi promulgada a Lei nº 14.647/2023, onde esta relação – já existente desde sempre, mas que gerava alguma confusão – ficou clara no ordenamento jurídico brasileiro. Obviamente que o regramento pensa no fenômeno religioso como um todo, de acordo com a nomenclatura eclesiástica aplicável a cada tradição teológica ou manifestação religiosa. Mas já tínhamos esse entendimento, inclusive fundamentado no Acordo Brasil-Santa Sé, de 2010, aplicável às demais religiões, como se pode ver em nosso “Direito Religioso: questões práticas e teóricas” (4.ed. Vida Nova, 2023).

Temos a chance de mostrar à sociedade como a igreja trata com excelência as relações humanas, inclusive aquelas envolvendo dinheiro. Que sejamos encontrados fiéis na administração institucional da igreja, a nós confiada nesta geração!

Comentários

    • Olá Milton
      Esta avaliação que vc falou pode ser anual, mesmo o chamado sendo por tempo indeterminado. Sempre é tempo de se implantar melhorias no trabalho Congregacional.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Veja também

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Enchente no RS provoca mudanças no Simpósio de Missão

Programação do Seminário Concórdia será reduzida e online. Inscrições podem ser feitas até o dia 21 de junho

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase