Você atingiu a métrica limite de leitura de artigos

Já sou assinante!

Luto: é preciso falar

A dor, antes de qualquer palavra, precisa ser escutada. A expressão dos sentimentos é um caminho para o enlutado mostrar suas angústias, medos e inquietações diante da vida.

Artur Charczuk

[email protected]

pastor e psicanalista em São Leopoldo, RS

A vida do ser humano é permeada de perdas. Elas são das mais variadas condições: um emprego frustrado, um namoro terminado, um projeto que não foi concluído por determinadas questões e assim por diante. A pessoa pode até tentar recuperar alguns dos exemplos citados anteriormente, pode dar certo ou não; entretanto, a morte é a última e significativa perda, uma vez que não é possível trazer de volta o ente querido. Lidar com a morte é um exercício árduo nas sociedades contemporâneas. Ela está inscrita na condição humana, é um fenômeno universal, fazendo irromper no indivíduo um leque de emoções. Com isso, a imagem vívida da pessoa amada, no sujeito, entra em choque com a nova configuração provocada pelo desfecho da morte.

A representação do outro que habita na pessoa, de um lado, fica sendo investida por um amor que tenciona para a sua existência; e, do outro, está a dura realidade da sua não permanência. Com tal cenário, o palco da consternação é erguido; em outras palavras, uma ferida é aberta no psíquico. O indivíduo sente dor, ela é uma atitude reativa diante de uma contrariedade que invade o espaço psíquico. A dor acontece porque o afastamento daquele que se ama é percebido. O enlutado, além de divisar a perda do outro, também perde o lugar que ocupava a partir do outro, podendo ser como filho, irmão, amigo, pai ou mãe. Todo o tipo de afeto que era sustentado no outro é repentinamente arrematado. É o sentimento de impotência diante daquilo que não pode ser alterado, todavia, sob outra perspectiva, a morte mostra a força do vínculo que o indivíduo tinha com o falecido. O luto é o processo que será experienciado por todos, ele é uma certeza.

LUTO NÃO É LUTA!

O tecido social contemporâneo é marcado pelo dinamismo, ele é movido por constantes idealizações. Quando escrevo sobre idealização, afirmo que o corpo social nunca está satisfeito com os resultados atingidos, ele sempre quer mais do cidadão, narremos assim; o ser humano possui uma constante obrigação internalizada de superar desafios, sendo assim, buscando resultados cada vez mais efetivos. Consequentemente, o combustível da sociedade é a afirmação do eu, ela ambiciona comportamentos que visam constituir indivíduos voltados para o alto desempenho. Ocasionando nas pessoas tendências perfeccionistas, melhor dizendo, é quando o sujeito é submisso à imagem de um dado ideal e que está sempre tentando alcançar. Com o advento das mídias sociais, o ser humano passou a ser intermediado pelas publicações expostas digitalmente, elas são ideais digitais: alegria constante, estabilidade financeira invejável, corpos jovens e delineados, destaque profissional permanente, etc. E o sofrimento? E a morte? E o luto? E o envelhecimento? Nada disso! Todos são varridos para debaixo das cortinas da alta performance imposta pelo tecido social. E o que sobra são pessoas com depressão, ansiedade, síndromes e transtornos multifacetados. Sofrer não rima com esconder, luto não é luta.

LUTO É CUIDADO

A dor, antes de qualquer palavra, precisa ser escutada. A expressão dos sentimentos é um caminho para o enlutado mostrar suas angústias, medos e inquietações diante da vida. Embora vivamos sob uma cultura que despreza o choro, pois é tido como sinônimo de fraqueza, isso é falta de conhecimento sobre o assunto, porque ele é um valioso veículo para o alívio da tensão da tristeza extrema. Um abraço, um olhar é mais eficaz do que mil palavras; enfim, o processo do luto é necessário para que o enlutado, da melhor maneira possível, possa ressignificar a perda.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril