Comida e evangelismo

Geralmente quando falamos de missão e evangelismo, estudamos o aspecto trinitário da missão de Deus: Deus Pai enviou Deus Filho, que foi obediente até a morte de cruz (Fp 2); e Deus Filho enviou sua igreja para fazer discípulos (Mt 28 e At 1.8) e continua enviando Deus Espírito Santo para ser o Ajudador da igreja (At 2).

Hoje, quero sublinhar um aspecto que negligenciamos no evangelismo: o aspecto da comunhão. Missão é comunhão. Para iniciar nossa conversa, faço uma pergunta simples: Qual a sua comida preferida?

Geralmente nossa comida preferida está atrelada a algum momento ou aspecto de comunhão. Por exemplo, eu gosto de quiabo com feijão porque era um dos pratos que minha avó cozinhava de vez em quando. Minha filha mais velha gosta de McDonalds, porque essa rede de fastfood foi palco de muitos momentos alegres de nossa família. Nossa comida preferida se relaciona a algum aspecto que lembra momentos de comunhão com outras pessoas.

De certa forma, a Bíblia é um livro de comunhão. Em Gênesis 1, lemos que Deus viu que tudo que ele havia criado “era bom”, e, nessa realidade de comunhão plena, Deus dá ao ser humano “todas as plantas que produzem sementes e todas as árvores que dão frutas” (Gn 1.29). A Criação foi planejada por Deus como o local da comunhão entre ele e os seres humanos. Não é à toa que a queda em pecado aconteceu quando Adão e Eva deixaram de comer na mesa que o Pai lhes deu para comer daquilo que Deus proibiu. O pecado é a quebra de comunhão com Deus. Após o ato de rebelião, Deus disse ao casal: “Por causa do que você fez, a terra será maldita. Você terá de trabalhar duramente a vida inteira a fim de que a terra produza alimento suficiente para você” (Gn 3.17). A partir de então, o ser humano precisa comer para não morrer. Para resgatar a humanidade, o Filho de Deus se ofereceu a si como o pão da vida e nos sacia com a fonte de água viva (Jo 3, 6). E na cruz, Jesus assumiu nosso pecado e morreu para pagar nossa dívida com Deus. Quando somos alcançados por Deus, seja no batismo ou na pregação da Palavra, nascemos com filhos dele para viver nessa comunhão. E nessa unidade, na santa ceia comemos e bebemos com a boca o corpo e sangue de Cristo, dado e derramado por nós para perdão de pecados (1Co 11).

Não é possível guardar somente para nós mesmos essa comida maravilhosa! Desejamos que todos façam parte dessa comunhão. Por isso, levamos Cristo às nações para transformar os que ainda não conhecem Jesus em filhos de Deus. Evangelismo é compartilhar o que recebemos de Deus para trazer as pessoas ao seu reino.

Você quer levar Cristo às pessoas de seu convívio? Convide pessoas, que ainda não estão nessa comunhão, para jantar em sua casa. É uma ótima maneira de mostrar o quanto você as estima. Em algum momento agradável de comunhão à mesa, ore e fale o que Deus fez em sua vida. Não precisa de grande preparo. O próprio Jesus mostrou que alguns peixes (Jo 21) são suficientes para alimentar as pessoas e possibilitar uma boa moldura para mostrar o amor de Deus. Você também pode ter livretes da Hora Luterana para presentear seus convidados. Conhecer o conteúdo do site Vivenciar (vivenciar.net) e do curso Deusconecta (deusconecta.org.br) pode ser muito útil.

Se Deus quiser, eu verei seus convidados na glória, quando Cristo voltar. E nesse dia, terei o prazer de pedir para minha avó cozinhar quiabo com frango. Vêm, Senhor Jesus.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Nossa oração mudou

   ”Deus, abençoe as pessoas pobres e ricas que perderam tudo na enchente. Que elas consigam o que vestir, o que comer e uma casa para morar”

Veja também

Nossa oração mudou

   ”Deus, abençoe as pessoas pobres e ricas que perderam tudo na enchente. Que elas consigam o que vestir, o que comer e uma casa para morar”

ANEL participa de Congresso Nacional de Escolas Luteranas da Argentina

Presidente Marlus Seling, diretor-executivo Nelci Senger e vice-presidente de Ensino da IELB, Joel Muller, representaram o Brasil no evento que reuniu mais de 300 participantes

O surgimento de uma tradição cristã

Participaram das aulas 19 alunos de diversos lugares do Brasil e do continente americano, tais como Canadá, México, Venezuela e Paraguai.