Caixas, armários, coração e mente

Quero lhe fazer um convite. Que tal, ao invés de guardar o natal em caixas e armários, guardá-lo na mente e no coração? Não é novidade que, geralmente no dia 6 de janeiro, Dia dos magos do oriente e Dia de Epifania, as famílias façam um ritual herdado de geração em geração: guardar os enfeites de Natal. Sim, é tempo de guardar as coloridas luzes e enfeites, de desmontar o belo pinheirinho e de embrulhar o presépio novamente. Tudo ficará em caixas, gavetas e armários, como se fossem adormecer ao longo do ano, até que o próximo advento lhes acordasse novamente.

Mas lembre-se. Quero lhe fazer um convite. E este convite parte de uma ação pós-Natal de Maria, ação que se passa de forma discreta diante da visita dos pastores de Belém. A Palavra nos diz que a “Maria guardava todas essas coisas no seu coração e pensava muito nelas” (Lc 2.19). Diante da alegria dos pastores e do louvor recebido pelo menino ainda na manjedoura, Maria guardava tudo no coração e na mente. E este é meu convite para você. Se os enfeites de Natal e o presépio são tradicionalmente guardados em caixas e armários, o conteúdo do verdadeiro Natal precisa estar guardado em nosso coração e em nossa mente.

Como é confortador carregar, ao longo do ano, o Natal que nenhuma caixa ou armário podem conter. O Verbo se fez carne e habitou entre nós não só quando há enfeites natalinos, mas a cada novo dia deste ano que temos pela frente. Ano carregado de incertezas, ainda pela pandemia. Ano carregado também de expectativas, mediante a possibilidade de uma vacinação em massa contra a Covid-19. Nosso Deus é Emanuel, como o profeta Isaías já havia anunciado, como o evangelista Mateus já havia ressaltado. Sim, ele é conosco. Através dos meios da graça, o Senhor continuará inundando nosso coração e nossa mente com a fé cristã e os seus frutos. E, assim, “não há nada que possa nos separar do amor de Deus” (Rm 8.39).

Aliás, enfeites natalinos são guardados geralmente no Dia de Epifania. E o próprio tempo de Epifania nos convida a não guardar ou esconder as maravilhas do Natal. O lema da IELB para 2021 nos convida a compartilhar aquilo que recebemos: perdão, vida e salvação. O presente da salvação que Deus nos deu no Natal não deve ser encaixotado e escondido sob sigilo dentro de nossas casas, mas algo a ser manifestado e compartilhado na vizinhança, na congregação, no emprego, na universidade, nas redes sociais. Compartilhemos aquilo que o Espírito Santo colocou em nosso coração e em nossa mente.

Eis aí nosso desafio para cada novo dia deste novo ano. Diante das alegrias e felicidades, diante das lutas e dos medos, diante do luto e do sofrimento, carreguemos no coração e na mente o que o menino Jesus fez por nós. Ele morreu, ressuscitou, subiu aos céus e um dia voltará trazendo salvação plena a todos os que nele creram. Portanto, sim, enfeites de Natal e o presépio guardados em caixas e armários. Mas o Salvador não pode ser guardado em outro lugar a não ser no nosso coração e na nossa mente. E do Senhor mesmo é a promessa: “A paz de Deus, que ninguém consegue entender, guardará o coração e a mente de vocês, pois vocês estão unidos com Cristo Jesus” (Fp 4.7). Com o coração e a mente inundados com a paz do Natal, tenhamos um abençoado 2021.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Nossa oração mudou

   ”Deus, abençoe as pessoas pobres e ricas que perderam tudo na enchente. Que elas consigam o que vestir, o que comer e uma casa para morar”

Veja também

Nossa oração mudou

   ”Deus, abençoe as pessoas pobres e ricas que perderam tudo na enchente. Que elas consigam o que vestir, o que comer e uma casa para morar”

ANEL participa de Congresso Nacional de Escolas Luteranas da Argentina

Presidente Marlus Seling, diretor-executivo Nelci Senger e vice-presidente de Ensino da IELB, Joel Muller, representaram o Brasil no evento que reuniu mais de 300 participantes

O surgimento de uma tradição cristã

Participaram das aulas 19 alunos de diversos lugares do Brasil e do continente americano, tais como Canadá, México, Venezuela e Paraguai.