Você atingiu a métrica limite de leitura de artigos

Já sou assinante!

Faz chover perdão e graça

Como cristãos, entendemos o poder de cura do perdão porque, afinal, somos alvo do perdão de Deus por meio do sacrifício do seu Filho Jesus, nosso Salvador. Por isso nos sentimos chamados a perdoar quem nos ofende

Luise Lüdke Dolny*
Psicóloga
[email protected]

Que o perdão é algo importante na vida do cristão, não há dúvidas! Existem diversas passagens bíblicas que nos mostram isso:

  • Pelo contrário, sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando uns aos outros, como também Deus, em Cristo, perdoou vocês (Ef 4.32).
  • Se pecar contra você sete vezes num dia e sete vezes vier para lhe dizer: “Estou arrependido”, perdoe-lhe (Lc 17.4).
  • Não julguem e vocês não serão julgados; não condenem e vocês não serão condenados; perdoem e serão perdoados (Lc 6.37).
  • Não procure vingança, nem guarde ira contra os filhos do seu povo, mas ame o seu próximo como você ama a si mesmo. Eu sou o Senhor (Lv 19.18).

Como cristãos, entendemos o poder de cura do perdão porque, afinal, somos alvo do perdão de Deus por meio do sacrifício do seu Filho Jesus, nosso Salvador. Por isso nos sentimos chamados a perdoar quem nos ofende.

O perdão também é um tema muito estudado na psicologia, e as pesquisas mostram o quanto essa prática é boa para a nossa saúde física, mental, nos nossos relacionamentos e para a sociedade. Alguns benefícios para quem pratica o perdão são:

  1. redução do afeto negativo e sintomas depressivos;
  2. restauração do pensamento positivo;
  3. restauração de relacionamentos;
  4. redução da ansiedade;
  5. espiritualidade fortalecida;
  6. autoestima elevada;
  7. um maior sentimento de esperança;
  8. maior capacidade de gestão de conflitos; e
  9. maior capacidade de lidar com o estresse e encontrar alívio.

Apesar de sabermos da importância do perdão, na prática é tudo mais complexo do que parece. Quando alguém comete alguma ofensa contra nós, emoções como tristeza e raiva nos alertam para a necessidade de justiça, porém, nem sempre encontraremos a disposição para a reparação da parte do ofensor, e essas emoções, em vez de nos ajudarem, podem nos levar para um caminho de sofrimento mental.

A capacidade de perdoar varia de uma pessoa para outra, algumas têm mais facilidade do que outras. Mas a boa notícia é que somos capazes de desenvolver e melhorar essa capacidade em nós!

Uma das formas de aprender a perdoar e pedir perdão é observando exemplos, e a Bíblia está cheia deles: o filho pródigo, o perdão que Jesus estendeu ao malfeitor crucificado ao seu lado, a lição sobre perdão no episódio do apedrejamento da mulher adúltera, o perdão entre Esaú e Jacó, o perdão entre José e seus irmãos no Egito… qual a sua história preferida de perdão?

Aqui também cabe um destaque: a importância de também aprendermos a nos perdoar e desapegar dos erros cometidos no passado. Assim como Pedro praticou o autoperdão, aceitando que havia errado ao negar Jesus, também podemos pedir o perdão, buscar realizar a reparação e concedê-lo a nós mesmos, independentemente do resultado, libertando-nos e comprometendo-nos em sermos melhores a partir de agora.

Lembre-se, perdoar é um processo complexo que envolve o aspecto racional/cognitivo (decisão de perdoar) e emocional (manejo interno das emoções que a ofensa nos causa). Esse processo pode levar tempo e não significa esquecer, mas aprender a lidar com esse evento que faz parte da nossa história.

Se você estiver vivenciando a dificuldade de perdoar alguém ou a si mesmo, busque por ajuda espiritual e psicológica para aprender a lidar com isso de maneira saudável. Estamos por aqui, se precisar de ajuda!

Com carinho,

*Luise Lüdke Dolny
Psicóloga CRP 12/09392
Florianópolis, SC
@luiseludke

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Veja também

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Livres para servir: o papel da religião na promoção do bem comum

A realização dos ideais religiosos depende da preservação da liberdade religiosa – o direito fundamental de praticar, expressar e manifestar suas crenças sem discriminação ou perseguição. Defender a liberdade religiosa não é apenas uma obrigação legal, mas um imperativo moral que garante o florescimento de diversas comunidades religiosas e promove um ambiente propício ao diálogo e à cooperação

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó