Beleza e Filosofia

Desde a Antiguidade Clássica buscou-se desvendar o que torna algo belo aos nossos olhos e mentes

Artur Charczuk
pastor e psicanalista
e-mail: [email protected]
Contato: (51)9923- 57- 187

O conceito acerca da beleza intriga filósofos há séculos. Sua definição envolve reflexões sobre a essência da beleza e os dilemas em torno da sua natureza subjetiva ou objetiva. Desde a Antiguidade Clássica buscou-se desvendar o que torna algo belo aos nossos olhos e mentes. A palavra belo deriva do latim, bellus, significando algo dotado de beleza, conforme as percepções sensoriais e mentais, isto é, formas e aparências agradáveis à visão, audição, etc. Sendo assim, o belo estaria ligado ao julgamento subjetivo, ao que a pessoa pensa sobre o conceito de beleza; e ao intersubjetivo, à compreensão da sociedade sobre o belo. Muitos foram os pensadores que refletiram sobre o assunto.

Beleza e a ideia perfeita em Platão

O filósofo grego Platão, no século V a.C., acreditava que a beleza existia no transcendental, além do mundo material. Por consequência, o entendimento da beleza, seu entendimento perfeito, estaria residindo na realidade espiritual. Já a beleza daqui, a material, seria imperfeita, uma espécie de cópia rasurada. Para Platão, o belo estava relacionado ao bem, à verdade e à perfeição.

Aristóteles e a beleza enquanto proporções e arte

Já o filósofo Aristóteles, discípulo de Platão, compreendia o belo a partir da arte. Beleza com base no mensurável, calculável, e assim por diante. A beleza como uma bela obra: proporção, ordem e simetria.

A Idade Média e o conceito de beleza

Na Idade Média, pensadores como Santo Agostinho e São Tomás de Aquino igualavam os conceitos de belo ao bom e ao verdadeiro, sendo eles compreendidos como a perfeita beleza. O belo como reflexo nítido de Deus, ou seja, os pensadores entendiam o conceito de belo como atributos provindos do Criador.

A beleza clássica

Na arte greco-romana, a beleza ideal relacionava-se à simetria, equilíbrio entre as partes, proporcionalidade e perfeição formal. As esculturas de corpos humanos buscavam delinear um ideal de beleza física e harmônica.

Renascimento e o retorno da beleza humana na percepção da antiguidade greco-romana

O período do Renascimento trouxe de volta os ideais de beleza da Antiguidade Clássica: proporção, simetria, figuras idealizadas e cores vibrantes. Beleza artística voltada para a dignidade e a perfeição da forma do ser humano.

O século 20 e a suspensão dos padrões tradicionais do belo

A arte contemporânea problematiza as noções tradicionais de beleza. O belo clássico sofreu uma cessação das linguagens contemporâneas sobre a beleza: Surrealismo, Expressionismo Abstrato, Arte Pop, Minimalista. Tais artes exploram outras configurações, objetivando refletir sobre a beleza.

O belo contemporâneo

A percepção estética é algo que fascina o ser humano. As mais variadas mentes buscaram, digamos assim, dar exatidão ao conceito de beleza. Ao mesmo tempo, tanto a percepção estética como a própria beleza revelam o interior do ser humano, isto é, os anseios de ordem e significação. Como estamos vivendo debaixo de uma sociedade altamente consumista, a beleza é compreendida como um produto de contínuo investimento. Ser belo é ter plástica tal, harmonização facial, dentes com lentes de contato, cabelos da cor tal, moda, marca; resumidamente: a beleza está nas mãos de instituições. Estas ditam o que é belo e o que é feio, em outros termos, os mesmos grupos alinham insatisfação e beleza como sinônimas. Sempre existem novidades para ficar mais bonito, com isso, para aplacar o sentimento de insatisfação, é preciso comprar mais cosméticos, é preciso comprar mais beleza.

Que a beleza de vocês não seja exterior

“Que a beleza de vocês não seja exterior, com tranças nos cabelos, joias de ouro e vestidos finos, mas que ela esteja no interior, uma beleza permanente de um espírito manso e tranquilo, que é de grande valor diante de Deus” (1Pe 3.3-4). É um versículo bíblico muito significativo, que faz parte das instruções de Pedro para os casados. Pedro explica que o belo não está em roupas ou belas joias, mas está no serviço ao Senhor, isto é, no servir a Cristo Jesus. Algo bastante divergente para a indústria da beleza contemporânea. Pedro mostra que as coisas do mundo são passageiras, inclusive o que é belo. O que o nosso Deus quer é o coração da pessoa, isto é, a beleza que vem do coração. A beleza da oração, a beleza da vivência cúltica, a beleza de estar diante da santa ceia e assim por diante. Claro, não digo para simplesmente abandonar o exterior, é preciso cuidar do corpo, da aparência, mas tendo Jesus como o centro sobre o entendimento do belo.

Sim, que a beleza de vocês não seja exterior, mas que ela seja ornada pelo Filho de Deus, Jesus Cristo.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Pastor é instalado em Sinop, MT

Mauro Scheibler irá atuar na Paróquia Emanuel

Veja também

Pastor é instalado em Sinop, MT

Mauro Scheibler irá atuar na Paróquia Emanuel

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Dores que fazem crescer

“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12).