Como se prevenir de um atentado psicológico?

Existem hoje centenas de rótulos/diagnósticos que estão tirando a responsabilidade dos atos e comportamentos das pessoas

Daniela von Mühlen
Psicóloga – (92)99165-9132

Esse título chamou sua atenção? Hoje, a maioria das pessoas é atraída por fórmulas rápidas de resolução de problemas… “Dez passos para se tornar milionário”; “Saia da depressão em três sessões”; e por aí vai…

Parece que a construção, a formação, o processo, não são mais tão valorizados. Pois bem. A vida corrida, cheia de informações, cobranças, diagnósticos, respostas rápidas e superficiais se tornou um atentado psicológico, um problema para a saúde mental.

Transtornos de ansiedade e depressão aumentando diariamente, casos de ideação e consumação suicida se alastrando, vivemos tempos difíceis, e como evitar isso ou como sair dessa realidade?

Assisti a uma palestra recentemente, onde foi dito que o ser humano acredita que é expert em tudo, melhor escalação da seleção, melhor plano de governo, a melhor saída para a economia e por aí vai… muita teoria e pouca prática, inclusive na própria palestra a que assisti, muitas questões e pouco direcionamento. Sobre saúde mental não é diferente, muito se fala e pouco se faz.

Entenda, querido leitor e querida leitora, quando você fala que alguém tem depressão pelo fato de estar triste ou que alguém é bipolar porque mudou de humor sem um motivo aparente, ou ainda que é autista, ou antissocial, ou TDAH, ou psicopata, ou tóxico sem um real e sério diagnóstico de uma equipe multiprofissional da saúde mental, você está cometendo um atentado psicológico. Isso não ajuda em nada. Isso não é esclarecimento, nem informação, e, sim, especulação, rotulação, preconceito, julgamento.

Existem hoje centenas de rótulos/diagnósticos que simplesmente estão tirando a responsabilidade dos atos e comportamentos das pessoas. Você é responsável pelos seus atos. Você é responsável pelas suas ideias. Você é responsável e deve ter limites. Deve respeitar o espaço do outro. Deve oferecer ajuda sem julgamento. Deve perdoar. Deve agradecer. Deve pedir ajuda. E pasme, você nem sempre tem razão!

Fomos criados por Deus para viver em comunhão, para compartilhar de forma respeitosa com outras pessoas. Então, vamos lá? Vamos resgatar a humanidade que habita nosso ser e fazer desse mundo um lugar melhor, começando por você, por mim?

Como se prevenir de um atentado psicológico? Praticando a alteridade, ou seja, reconhecer que o outro existe, que é diferente de você e que, mesmo sendo diferente, faz parte da sua vida. Que você possa respeitar o outro nas suas diferenças; acolher, não julgar, e conviver em harmonia. Que você possa orar por si mesmo pedindo mudança, pedindo tolerância, pedindo sabedoria, paciência e empatia para conviver em sociedade.

Desejo que todos nós possamos cumprir a missão que nos foi dada por Jesus: “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura” (Mc 16.15), de forma leve e saudável, para que mais pessoas possam conhecer o seu amor. Que sejamos instrumentos do bem e não conhecidos por praticar atentados psicológicos pelo mundo afora.

Comentários

  1. Parabéns. Dani por esse texto tão necessário e rico. Que todos possam meditar sobre tuas palavras trazendo a mudança pra si e para os outros, com humildade , crescimento, conhecimento e empatia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó

Veja também

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó

A subjetividade contemporânea do rolar a tela do celular

O Tik Tok passa a predominar e compor o mundo intrapsíquico do ser humano. E tal composição atinge milhões de pessoas, como uma espécie de hipnose pandêmica.

A dolorosa volta para casa

Após 20 ou mais dias, vítimas da enchente no RS começam a retornar aos seus lares para limpeza e reconstrução